Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 02/09/2013 | 20h16

Yamaha promete um lançamento a cada seis meses

Márcio Hegenberg diz que a fabricante cobrirá segmentos em que ainda não atua

MÁRIO CURCIO, AB | De Mata de São João (BA)

No lançamento da YS 150 Fazer, que deve se tornar a Yamaha mais vendida do Brasil nos próximos meses, Automotive Business entrevistou o diretor comercial da fabricante, Márcio Hegenberg, há um ano na empresa. O executivo assumiu o posto em um momento em que o setor de duas rodas já enfrentava vendas em queda por causa da restrição ao crédito.

E a falta de lançamentos de baixa cilindrada agravou a situação da Yamaha, que perde participação de mercado desde 2006 e vê sua produção em Manaus em declínio. Hegenberg falou sobre a demora de reação da fabricante e de suas perspectivas para os próximos três anos, em que a companhia lançará 250 novos produtos em todo o mundo, incluindo o segmento náutico.

Automotive Business – A Yamaha do Japão tem acompanhado de perto o desempenho da filial brasileira? A demora no lançamento dessa nova moto (YS 150 Fazer) dá a entender que eles estão satisfeitos com os resultados atuais.

Márcio Hegenberg Vou responder a você o que disse recentemente em uma reunião com concessionários: a gente não pode mudar o passado. O que posso dizer é que teremos um novo produto a cada seis meses.

A YBR 125 Factor continuará em produção com a chegada da nova 150 Fazer?

Sim porque elas têm públicos diferentes. O comprador de 125 cc usa a moto quase sempre na cidade. Normalmente, essa é sua primeira motocicleta. Já o consumidor de 150 cc utiliza mais a moto em estrada. Essa já é sua segunda ou terceira motocicleta.

E tem algum investimento programado para esses próximos anos em Manaus, algo como uma nova linha de montagem, estamparia, laboratórios?

Não. Antes de 2008 (o segundo melhor ano para o setor de motos) a fábrica recebeu investimentos para um mercado crescente. Com o momento atual, a capacidade está adequada. Mas, claro, a fábrica recebeu mudanças para produzir a YS 150 Fazer por se tratar de uma nova moto.

A Yamaha teve mais de 600 concessionárias de motocicletas no País. Quantas foram fechadas?

Não sei o número exato. Acompanhei o fechamento de algumas revendas. Hoje temos cerca de 500 concessionárias e 60 pontos de venda.

Algumas marcas como Dafra, Kasinski e Shineray vendem muitas unidades de 50 cc. A Yamaha não estuda entrar nesse segmento?

Por ser preocupada com o consumidor, não. Vemos muitos acidentes noticiados. Tem motociclista usando essas motos sem habilitação, sem capacete. Queremos que haja fiscalização forte (nota da redação: o artigo 129 do Código de Trânsito Brasileiro deixa a critério dos municípios o registro e licenciamento dos ciclomotores, veículos com cilindrada até 50 cc. Com isso, muitas cidades, especialmente no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, permitem a circulação dessas motonetas sem placa, conduzidas às vezes por menores ou frequentemente sem capacete. O mesmo código, no artigo 130, diz que todo veículo automotor deverá ser licenciado anualmente pelo órgão executivo de trânsito do Estado, ou do Distrito Federal, onde estiver registrado).

Além da nova moto vocês mostraram o T-Max 530, que começa a ser vendido a partir de dezembro, por cerca de R$ 40 mil. É uma boa novidade, mas os produtos mais vendidos no Brasil nesse segmento custam menos e têm porte menor...

O plano é atingir todos os nichos em que não participamos hoje. O T-Max é um ícone para a marca. Vamos investir na base e também em alta cilindrada.



Tags: Yamaha, Márcio Hegenberg, YS 150 Fazer, T-Max 530, Dafra, Kasinski, Shineray.

Comentários

  • Roberto Contreras

    Quando a Yamaha irá lançar um modelo competitivo com a Scooter PCX da Honda, pois tenho uma Yamaha Neo ano 2008 e gostaria de continuar comprando Scooter nesse segmento, sendo que a Yamaha até tirou a Neo do mercado?

  • Douglas Carvalho

    Quando será lançada uma street de 300cc ou 350cc? aguardada por todos que como eu possui um Yamaha fazer 250cc e por não ter dinheiro o suficiente ou por outro motivo, não quer ir de cara para uma 600cc no caso hoje a XJ6.

  • Paulo José

    Cadê a RD 350cc que tanto esperamos?

  • aldenis guilherme da silva

    BOM DIA GALERA,NÃO ENTENDO MUITO DE MOTOS MAIS,VAI AI MEU MODESTO COMENTÁRIO. VCS JA VIRAM AS MOTOS DA NOSSA YAMAHA LÁ FORA? NÃO,ENTÃO VEJAM E FIQUEM DE BOCA ABERTA, COM A QUALIDADE DAS MOTOCAS,E VEJAM O RESTO QUE ELA MANDA PRA NÓS,DE UM SIMPLES MOTOQUEIRO,GUILHERME...

  • silvio

    sinto falta de compromisso c o pais e seus consumidores.parece q somo um bando de indio implorando p novidade,qdo n vdd somo um pais de gd consumo e c vontade e espectativas iguais a td no planeta.acho que vcs da yamaha deve se espelhar na honda que a cada ano perde um pouco da sua igemônia pela arrogância e falta de visão em nosso mercado !

  • Erni Azevedo

    Sinto falta de uma yamaha de media cilindrada e (300 a 500) para viagem, a quela estradeira que goste de uma boa viagem, que só sai de casa nos domingos,feriados prolongados, férias... Sou proprietário de uma Fazer 2013 e faço boas viagens com ela, estou pensando em uma um pouco maior, mas quando olho envolta só vejo a Honda que oferece mais modelos dentro dessa cilindrada (Falcon, XRE300, CB 500x, CB 300). já tive uma Honda e não gostei, quero continuar na yamaha estou aguardando o meu lançamento.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência