Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Legislação trabalhista emperra produtividade brasileira
José Pastore, consultor e professor da USP, alerta para os custos trabalhistas que influenciam na produtividade do Brasil (Foto: Ruy Hiza)

Conjuntura | 09/09/2013 | 13h26

Legislação trabalhista emperra produtividade brasileira

Altos encargos limitam investimentos do setor industrial no País, alerta Pastore

ANA PAULA MACHADO, PARA AB

Um dos entraves para o aumento da produtividade na indústria brasileira é a legislação trabalhista, que estabelece custos fixos muito altos para manter um trabalhador na linha de produção. De 2002 a 2012, essas despesas dispararam 158%, em contrapartida, os níveis de produtividade de mantiveram estáveis nesse período.

“O trabalhador brasileiro produz somente 20% do índice do empregado norte-americano. A produtividade no País é baixa com relação aos nossos concorrentes e temos custos trabalhistas mais altos. Aqui, existem três fatores que inibem o aumento da produtividade: tecnologia usada nas empresas; qualificação de mão de obra e, o mais importante, a complexidade da legislação trabalhista do Brasil”, disse o consultor e professor da Universidade de São Paulo, José Pastore, durante o painel "Os compromissos na área trabalhista", do Workshop Desafios da Legislação Automotiva 2014, promovido por Automotive Business, na segunda-feira, 9, em São Paulo.

Segundo o professor, em países onde se verifica produtividade alta na indústria o grosso das regras trabalhistas está concentrado em contratos coletivos de trabalho. “O Brasil não tem essa cultura. Todos os direitos e deveres das empresas e trabalhadores estão determinados pela legislação, que afrouxa um pouco quando o assunto é negociação de salários e participação de lucros e resultados (PLR)”, ressaltou Pastore.

Somente os encargos trabalhistas, segundo o professor, chegam a cerca de 100% sobre o salário de um trabalhador. Quando se acrescenta despesas com treinamento, saúde, segurança do trabalho isso aumenta para 183,15%.

“Nossa legislação não permite mudanças, há pouco espaço para negociação individual. Nossos concorrentes são mais flexíveis e com isso conseguem índices melhores de produtividades. Nos Estados Unidos, por exemplo, os encargos trabalhistas chegam a 9,3% do salário”, acrescentou.

Para ele, a situação pode mudar se ocorrer uma mobilização mais forte dos empresários brasileiros. “Sem isso, vamos continuar com os custos elevados, produtividade estagnada e investimentos adiados”, conclui Pastore.

Assista abaixo a entrevista exclusiva de José Pastore a ABTV:



Tags: Workshop, legislação automotiva, legislação trabalhista, produtividade, custo, PLR, José Pastore.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência