Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia | 12/09/2013 | 16h40

Baterias de chumbo-carbono vão bem em híbrido

Testes da Moura tiveram resultados semelhantes aos de acumuladores de níquel-metal

MARIO CURCIO, AB

Durante o Congresso de Veículos Elétricos, que ocorreu nos dias 11 e 12 de setembro no Expo Center Norte, em São Paulo, o gerente-executivo do Instituto de Tecnologia da Acumuladores Moura, Spartacus Pedrosa, revelou no painel “Acumuladores de Energia” a viabilidade de uso das baterias de chumbo-carbono, de custo pouco maior que as convencionais, na substituição de itens feitos de níquel-metal.

“Em testes com um Honda Insight híbrido, as baterias de chumbo-carbono apresentaram a mesma potência, vida útil similar e custo bem menor. O consumo foi menor na cidade. Passou de 22,7 km/l para 26,3 km/l”, revelou Pedrosa. Em estrada os números da bateria de níquel-metal levam pequena vantagem.

Segundo o executivo da Moura, o peso do carro não foi alterado com as baterias de chumbo porque, diferentemente das originais, elas dispensam sistema de arrefecimento. A Moura também avaliou com sucesso um Civic híbrido, que rodou mais de 200 mil km no Arizona com baterias de chumbo-carbono.

O executivo da fabricante de baterias admite que em híbridos mais potentes ou veículos puramente elétricos, as baterias de chumbo-carbono não conseguem se equiparar às de íons de lítio ou sódio. A realiza testes com o ALABC, sigla para Consórcio Avançado de Baterias Chumbo-Ácidas.

Pedrosa afirma que acumuladores com essa matéria-prima ainda podem evoluir e diz que a Moura já trabalha em versões para equipar carros dotados de start-stop. “Buscamos baterias mais potentes resistentes a um maior número de ciclos.” A empresa também pesquisa a utilização de outros elementos químicos, mas para aplicação “em cinco a dez anos”, diz Pedrosa.

O coordenador do painel, Raul Beck, gerente do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Telecomunicações (CPqD), recorda que fatores como o Inovar-Auto, o avanço dos combustíveis alternativos, a disponibilidade de rede elétrica e a modernização das baterias vão contribuir nos próximos anos para a eletrificação veicular.

Ele cita como exemplo as baterias de íons de lítio. “Hoje, 90% de seu desenvolvimento ocorre em laptops, celulares e equipamentos semelhantes. As de grau automotivo têm apenas 5% do mercado atual, mas chegarão a 50% em 2020”, conclui.



Tags: Moura, baterias, híbridos, chumbo-ácidas, Spartacus Pedrosa, Honda Insight, Civic, ALABC, níquel-metal, Raul Beck, CPqD.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência