Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Eventos | 30/09/2013 | 19h10

Sinotruk cancela participação na Fenatran

Empresa alegou falta de tempo para adaptar detalhes técnicos de seus caminhões A7

REDAÇÃO AB

A Sinotruk cancelou sua participação na Fenatran, o 19º Salão Internacional do Transporte. A alegação da importadora de caminhões foi a falta de tempo para adaptar alguns detalhes técnicos dos modelos da família A7, que começam a chegar ao Brasil. Por ter aderido ao Inovar-Auto como importadora, com vigência de agosto deste ano até 31 de julho de 2014, a empresa poderá trazer até 702 unidades isentas do pagamento dos 30 pontos porcentuais de extras do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Segundo a direção da companhia no Brasil, em novembro serão anunciados detalhes em relação à fábrica, programada para a cidade de Lages (SC), e as estratégias para o mercado brasileiro.

Outra chinesa ausente da Fenatran será a Foton-Aumark, cuja fábrica local (em Guaíba, RS) tem início das operações previsto para o fim de 2015 (veja aqui). Enquanto isso não ocorrer, a Foton trará modelos leves e semipesados, entre 3,5 e 24 toneladas de peso bruto total (PBT).

Diferentemente dessas duas companhias, a Metro-Shacman estará na feira com seus cavalos-mecânicos TT e o chassi-cabine LT. A empresa erguerá sua fábrica em Tatuí, no interior de São Paulo (veja aqui).



Tags: Sinotruk, Foton-Aumark, Metro-Shacman.

Comentários

  • Roberto

    Na verdade não vã para a Fenatran pois estão falidos, com dividas milionárias, não pagam mais impostos nem fornecedores, como vão construir fabrica e participar da Fenatran?

  • orlando

    Cancelou a participação? Será que já vai deixar os donos de Sinotruk na mão?

  • Giuliano

    Mais uma empresa que vem ganha muito dinheiro nas costas dos inocentes que acreditaram nessa historia de fabrica no brasil e vão embora deixando quem comprou estes caminhões na mão, os caminhoes são até bom sei porque tive um e não me deu problemas sérios até os 250 mil km quado o vendi, mas sem a manutenção adequada por falta de peças e mão de obra qualificada, não existe caminhão que resista.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência