Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Em construção, planta da DAF produz seu primeiro caminhão no Brasil
DAF quer 10% do mercado de pesados com o XF 105, primeiro produzido em Ponta Grossa e disponível nas 20 concessionárias brasileiras.

Indústria | 02/10/2013 | 19h00

Em construção, planta da DAF produz seu primeiro caminhão no Brasil

Pesado XF 105 começa a ser vendido em outubro, mas ainda com Finame parcial

CAMILA FRANCO, AB | De Ponta Grossa (PR)

A fábrica de caminhões da marca holandesa DAF em Ponta Grossa (PR), a primeira do grupo norte-americano Paccar fora da Europa, anunciada há 2 anos, não está pronta. No terreno de 2,3 milhões de metros quadrados, prédios ainda são erguidos sobre o chão de barro, como o que abrigará os funcionários administrativos. E não há data definida para a inauguração oficial. Mesmo assim, a DAF não atrasou seus planos comerciais no Brasil. Na quarta-feira, 2, saiu da linha de montagem de caminhões, que já tem os maquinários instalados e funcionários contratados, a primeira unidade produzida do pesado XF 105, modelo que abastecerá as 20 concessionárias da marcas espalhadas pelo País a partir de outubro. Oferecido nas versões 6x2 e 6x4 e com duas opções de cabine, Confort Cab e Space Cab, o veículo já tem encomendas, apesar do preço não ter sido revelado (leia mais sobre o XF 105 aqui).

Uma unidade do XF 105, que tem mais de 3,2 mil peças e demora cerca de nove horas para ser montado, será entregue por dia nos meses de outubro e novembro e duas em dezembro, chegando a quase 200 unidades até o fim do ano. Em 2014, o objetivo é fabricar, com o mesmo padrão mundial de qualidade da Paccar, 2,5 mil caminhões em dois turnos na planta paranaense, com capacidade instalada para 10 mil ao ano. Atualmente, são 150 funcionários, número que deve dobrar já no ano que vem.

Marco Antonio Davila, presidente da DAF Brasil, tem pressa para conquistar 10% do mercado brasileiro de caminhões pesados (acima de 15 toneladas) em médio prazo, até cinco anos. Um dos segmentos de maior interesse da companhia é o de agronegócios. “Estamos muito contentes em poder oferecer o nosso produto, de qualidade premium, no Brasil, em um momento em que o País comemora safras recordes, passa por avanços de infraestrutura, renova a frota de caminhões e tem bom desempenho da economia”, afirmou durante cerimônia comemorativa na quarta-feira.

O executivo acredita que em 2013 o mercado de caminhões acima de 15 toneladas chegará a 100 mil unidades. Até 2018, com crescimento de 5% ao ano, segundo ele, as vendas deste segmento devem atingir entre 120 mil e 140 mil unidades. A DAF, por sua vez, daqui a cinco anos estaria vendendo mais de 12 mil caminhões pesados, nas expectativas de Davila.

Uma alternativa encontrada pelo grupo para acelerar as vendas, antecipando-as antes mesmo da Fenatran, principal feira do setor que acontece no fim de outubro, é o “Finame parcial”, como definiu o presidente. O cliente dá 10% do valor do caminhão de entrada e financia pelo Finame/BNDES os 90% restantes. Isso é feito até que o caminhão atinja 60% de conteúdo local e possa ser 100% financiado pela linha de crédito. “Atualmente, o nosso XF 105 já tem mais de 50% das peças fabricadas no Brasil. No fim de outubro, ele chegará aos 60%. Já entregamos, inclusive, a documentação ao banco que comprova este índice”, explicou Michael Kuester, diretor comercial da DAF Brasil.

NACIONALIZAÇÃO

O presidente Davila revelou que a DAF já tem 60 fornecedores brasileiros definidos e que deverão ser 80 até o fim de 2014. Mais de 70% deles estão instalados em São Paulo. Os demais estão espalhados entre as regiões Sul e Sudeste do País. A marca conta ainda com 160 empresas de autopeças europeias, de países como Holanda, Alemanha e Bélgica, que enviam os componentes por meio do porto de Paranaguá (PR).

Entre os principais parceiros, a Tupy foi escolhida para fundir o bloco e o cabeçote do motor do XF 105, que depois deste processo é enviado à Holanda para ser montado pela sede da DAF e volta a Ponta Grossa para equipar o caminhão. A Automotiva Usiminas (recentemente adquirida pela Aethra) solda, pinta e monta todas as peças estampadas da cabine do veículo pesado em sua sede em Pouso Alegre.

O chassi do caminhão pesado XF 105 é fabricado pela Metalsa. O eixo traseiro, pela Meritor. O eixo dianteiro, pela própria DAF. A suspensão é da Suspensys. Caixas de câmbio e direção são da ZF. Os pneus escolhidos são feitos pela Goodyear. Caberá à Cargo Lift transportar todas as peças dos caminhões DAF pelo País.

Parte dos US$ 320 milhões investidos pela DAF no Brasil, entre 2012 e 2013, foi usada para desenvolvimento de logística das peças e também para capacitação dos fornecedores. Desse total, US$ 200 milhões foram aplicados especificamente na planta de Ponta Grossa para início da produção do XF 105.

NOVOS PRODUTOS

O pesado XF 105 será o ponta pé inicial para a Paccar ganhar participação nos mercados emergentes. As metas são ambiciosas, principalmente para a região da América do Sul. Durante o evento, Mark Pigott, presidente e CEO da Paccar, que fez questão de dirigir o primeiro XF 105 produzido, confirmou para 2014 uma nova família, a CF, de caminhões médios e pesados, a ser produzida em Ponta Grossa, além de novas versões do XF 105, como a equipada com teto mais alto e a com pacote de suspensão pneumática. Entre 2015 e 2016, virá a produção da linha de leves LF, de modelos urbanos usados em pequenas distâncias.

“Mas o ingresso da DAF no segmento de leves ainda vai depender da aceitação da marca no mercado brasileiro e também do desempenho dos novos players, principalmente os chineses, que estão chegando no País”, admitiu Luiz Antonio De Luca, diretor de operações da DAF Brasil. O executivo diz que enquanto não chegar a 30 mil caminhões por ano, a DAF não terá uma fábrica de motores no Brasil.

Também não é cogitada ainda a fabricação de motores em instalações da Cummins no Brasil, já que a empresa é parceira da Paccar na Europa. Luis Pasquoto, presidente da Cummins América do Sul e vice-presidente da Cummins Inc., também presente na cerimônia, disse que “não houve conversa nesse sentido”.

Com o portfólio diversificado, a DAF pretende ter entre 80 e 100 concessionárias em até cinco anos, com cobertura de 72% do território brasileiro. Além disso, um centro de distribuição de peças já está nos planos para suprir a rede. Em dois anos a empresa prevê a sua construção em área específica do próprio complexo paranaense. Por enquanto, todas as peças dos caminhões DAF ficarão estocadas próximo à linha de montagem.



Tags: DAF, XF 105, produção, caminhão, pesado, fábrica, Ponta Grossa.

Comentários

  • Filipe Monteiro Luciano

    Realmente o veículo é bastante robusto, como pude observar ao dirigi-lo em Ponta Grossa no início de agosto, durante um treinamento na DAF. Será uma nova opção muito competitiva no mercado nacional.

  • Deny

    estou entusiasmado com a daf! como envio meu cv?valeu e bem vinda seja a daf do brasil!!!

  • ROSARIO

    E UN GRANDE PRODOTTO IO GIA CONOSCO DA ITALIA IO MORO NUO BRASIL SE POSSO ESSERE UTILE MI CONDATTA OBRIGADO

  • Jair

    Olá, tive a oportunidade de vê-lo rodando na França e disseram que é muito bom, que seja bem vinda a DAF Brasil.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência