Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 07/10/2013 | 20h00

Inovar-Auto: oportunidade para estudante fornecer conhecimento

Fabricantes financiarão projetos de universidades ligadas ao setor para atender regime

CAMILA FRANCO, AB

“O Inovar-Auto, novo regime automotivo que incentiva o desenvolvimento local de veículos e, por consequência, uma indústria mais competitiva, é a grande oportunidade para que o estudante de engenharia se torne tier meio da cadeia automotiva.” Assim definiu Valter Pieracciani, sócio-diretor da consultoria Pieracciani Desenvolvimento de Empresas, durante o painel Educação de Engenharia - O Inovar-Auto e as oportunidades para pesquisa e desenvolvimento no Brasil, promovido no primeiro dos três dias do 22º Congresso SAE Brasil, que acontece em São Paulo.

Segundo o especialista, enquanto há pouco investimento em pesquisa e desenvolvimento na indústria, as universidades há muito tempo são uma rica fonte de P&D. Assim, com a nova política desenhada para o setor, os futuros engenheiros serão convidados pelos fabricantes de veículos a desenvolver e compartilhar novas tecnologias.

“Muitas empresas me questionam como atender o percentual de investimento em pesquisa e desenvolvimento estipulado pelo Inovar-Auto. E eu respondo que, além de poder investir nos fornecedores de autopeças, elas poderão financiar projetos de universidades ligadas ao setor, a procurar a SAE Brasil para formar parcerias e trocar recursos. Criou-se um ambiente muito favorável com o novo regime para o avanço da engenharia brasileira. É um toque de despertar para a indústria desengavetar todos os seus projetos”, apontou Pieracciani.

Mas como fazer a aliança entre os universitários, dotados de visão teórica, e os fabricantes, que têm o conhecimento empresarial? O professor Oswaldo Massambani, que dirige a agência de inovação Inova Paula Souza, enfatizou durante o mesmo painel que é importante criar convênios e contratos a fim de promover a cultura da inovação e do empreendedorismo no Brasil. “A inovação só existe quando a ideia revoluciona a sociedade ao gerar mais renda e empregos. E é esta a mentabilidade que cabe as empresas transferirem para os futuros engenheiros”, afirmou.

Segundo Massambani, iniciativa adotada muito antes do Inovar-Auto e que tem colaborado para a inovação no setor é o Núcleo de Inovação Tecnológica. “Após o decreto que oficializou a Lei da Inovação, em 2004, foram criados vários núcleos desses por todo o Brasil com a finalidade de gerir a política de inovação. Eles funcionam dentro das melhores universidades do País e têm a missão de fazer o casamento entre o universo acadêmico e o empresarial por meio do desenvolvimento de projetos competitivos e de interesse de ambos. Hoje, já são 204 núcleos espalhados por todas as regiões brasileiras. E a tendência é que eles aumentem com a construção de novas fábricas do setor automotivo.”

O diretor salientou que sem a transferência do conhecimento da universidade para a empresa, a patente não vira negócio. “A dificuldade não está em ter ideias. E é por isso que os Núcleos de Inovação Tecnológica têm de ir além. Ajudam os estudantes a patentearem, mas, sobretudo, a compartilharem com os empresários seus projetos para que sejam introduzidos no mercado. A ideia so vale quando sai do papel.”



Tags: Congresso, SAE, engenharia, pesquisa, desenvolvimento, engenheiro, Inovar-Auto, P&D.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência