Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 08/10/2013 | 21h19

Empresas devem recorrer às tecnologias para melhorar gestão de frotas

Especialistas apontam caminhos para cumprir a nova Lei do Descanso para motoristas

SUELI REIS, AB

O Brasil dispõe de toda e qualquer tecnologia necessária para melhorar o desempenho de gestão de frotas: o desafio está na abrangência de utilização. A conclusão é dos participantes do painel ‘A tecnologia na minimização de custos adicionados ao transporte pela nova carga horária de trabalho dos motoristas’, realizado no segundo dia do Congresso SAE 2013, terça-feira, 8, em São Paulo, que tratou dos desafios do gestor logístico diante da Lei 12.619, conhecida como a Lei do Descanso, que vigora há pouco mais de um ano (desde abril de 2012) e regulamenta a profissão de motorista para o transporte de cargas.

Em aspectos gerais a legislação traz uma série de modificações sobre o que era praticado pela maior parte da categoria: a lei exige, entre outras, o limite de oito horas de jornada, descanso de 11 horas entre jornadas e intervalo na direção de meia hora a cada quatro horas de direção seguidas, além do controle obrigatório do tempo trabalhado. O descumprimento gera multa de R$ 127 e perda de cinco pontos na carteira de habilitação com apreensão do veículo.

Para cumprir a maior parte das exigências, empresas e motoristas autônomos tem encontrado em novas tecnologias disponíveis no mercado, como as de telemetria, algumas ferramentas que ajudam a monitorar o tempo das viagens, além da introdução correta de dados no diário de bordo dos motoristas, documento que vai gerar o total de horas trabalhadas, horas extras etc. para pagamentos de acordo com o que rege a legislação trabalhista. Contudo, os especialistas concordam que esta ainda é uma realidade para poucos.

Para Antonio Lauro Valdivia, assessor técnico da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC), entre os motivos para este cenário, está o fato de que a lei trouxe uma primeira impressão negativa, que só faz aumentar os custos:

“Realmente, a lei traz esse aumento de custo, mas existem oportunidades de minimizar este impacto. Para isso, é necessário melhorar – e muito – o que há no País em termos operacionais para reduzir este custo adicional”, alerta.

Em consonância com o discurso de Valdivia, Ricardo Lattanzi, gerente geral de operações da Estrada Transportes, que atua em diversos segmentos, inclusive o automotivo, apresentou como a empresa se dispôs a rever suas práticas operacionais:

“Após estudo minucioso da lei, criamos um comitê interno para gerenciar a introdução de novas práticas, claro que isso nos gerou custos, como o pagamento de hora extra apontada, adicional noturno, pagamento de tempo de espera indenizada, além de contratações de pessoal para auxiliar o departamento de recursos humanos (apontadores). Mas nos trouxe a segurança de que estamos cumprindo com o nosso papel, que é atender o cliente com excelência, dentro do tempo estipulado e garantindo a segurança de sua carga: a maior parte deste trabalho depende do nosso motorista”, enfatizou.

O diretor da Netz Engenharia, Wagner da Costa Fonseca, destacou o deprimente cenário de que o Brasil é o campeão mundial de mortes no trânsito e que este é o terceiro maior fator de mortes no País. Citando levantamento da Associação Brasileira de Medicina de tráfego, a primeira e principal causa é o excesso de velocidade, seguida por fadiga/cansaço, e em terceiro lugar, mas não menos importante, consumo de bebida alcoólica aliada à direção.

“O que nós temos é um cenário em que 90% dos acidentes são de causas humanas. Ou seja, a empresa de transporte deverá, diante da lei, optar por esta ou aquela solução que é mais conveniente com o seu negócio: além de treinar o motorista e manter o zêlo por sua integridade física, deverá haver a escolha de ferramentas que auxiliem nessa nova maneira gestora, desde a escolha do veículo até a previsão de imprevistos, como filas de espera em portos, por exemplo, o que em nosso País não é difícil de atingir 4 ou 5 horas”, exemplificou.

Os especialistas também concordaram que a lei trará benefícios a médio e longo prazo com a valorização adequada da profissão do motorista: “Há um aumento da segurança no trânsito, redução de acidentes, porque o motorista está descansado e mais atento, uma melhor organização dos processos logísticos e um aumento da eficiência logística nacional, o que proporcionará a melhoria da imagem do Brasil no mercado externo”, resumiu Lattanzi.



Tags: Congresso SAE Brasil, logística, transporte de carga, Lei do Descanso.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência