Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Insumos | 11/10/2013 | 19h30

Emissões para baixo, alumínio para cima

Como solução para reduzir o consumo, Novelis aposta em mais que dobrar fornecimento do metal para carros

PEDRO KUTNEY, AB

Se as projeções da Novelis estiverem certas, o consumo mundial de alumínio para fabricação de veículos deve mais que dobrar até o fim desta década, para algo em torno de 1,2 mil toneladas/ano, e avançar mais 61% até 2025, para quase 2 mil toneladas/ano. O crescente interesse das montadoras pelo insumo está diretamente ligado ao aperto da legislação de redução de consumo de combustível e emissões de CO2, principalmente em países da Europa, América do Norte e Ásia, que leva à busca por diminuição de peso nos carros. “O alumínio é atualmente a solução mais barata para reduzir consumo”, destaca Todd Summe, diretor global de tecnologia automotiva da Novelis, maior fornecedor do metal para o setor atualmente, com mais de 50% de participação.

Summe admite que, olhando só para o preço, o alumínio é mais caro do que o aço, mas ele lembra que deve-se olhar para o ciclo de vida completo do produto, incluindo aí a redução de consumo de combustível durante o tempo de vida do veículo no qual o metal foi aplicado. “De acordo com os mais recentes estudos do departamento de energia dos Estados Unidos, o alumínio representa diminuição em torno de 30% de consumo energético em relação ao aço, levando em conta todo o seu ciclo, da produção, uso e reciclagem”, afirma.

A produção de alumínio a partir de minério (bauxita) é intensiva em consumo de energia elétrica, mas este, segundo Summe, é o único ponto no qual o aço leva vantagem. Mesmo assim, essa diferença está caindo, por conta do crescimento da reciclagem, que reduz em 95% o consumo de eletricidade e emissões de CO2 na produção do metal para processamento. “Hoje somos o maior reciclador de alumínio do mundo e 50% do que produzimos vem de material reciclado, mas nossa meta é aumentar bastante este porcentual, para 80% até 2020”, diz, destacando que o número era 33% em 2010.

Com apenas um terço da densidade do aço, a leveza do alumínio está conquistando as montadoras, especialmente na Europa e Estados Unidos, tanto com a introdução de partes como tetos e capôs, como também na fabricação de carros inteiros de alumínio, com redução média de 32% no consumo e 29% nas emissões de CO2. O mais recente exemplo é o novo Land Rover Range Rover, primeiro SUV feito inteiramente com de alumínio, que ficou 180 quilos mais leve, 39% menos do que pesava a geração anterior construída em aço. “Estamos vendo o uso aumentar não só em carros de luxo, mas também em modelos de grande volume, como o Ford Fusion”, diz Summe.

O fornecimento para a indústria automotiva ainda representa só 6% dos negócios da Novelis, mas é de longe a fatia do bolo que mais cresce, em torno de 25% nos últimos 10 anos. No momento, já estão na carteira as principais marcas premium de automóveis do mundo, como BMW, Audi, Mercedes-Benz, Jaguar Land Rover, Ferrari, Volvo e Porsche, mas também estão chegando montadoras genéricas como Ford, General Motors, Chrysler e Hyundai.

A Novelis fornece o alumínio laminado em bobinas, para produção em maior escala, como também em placas já pré-cortadas a laser. Segundo Summe, a manufatura de carros em alumínio, incluindo estampagem de chapas, soldagem de carroceria e pintura, tem poucas diferenças em relação ao aço, ainda que vários processos tenham de ser especialmente adaptados para o metal. As chapas usadas normalmente têm de 1 a 2 milímetros de espessura, mas Summe explica que a tendência é de redução. “Atualmente gasto a maior parte do meu tempo com o desenvolvimento de novas ligas, para aumentar a resistência e flexibilidade do metal. Há muitas oportunidades de inovação nessa área”, diz.

BRASIL

Com o Inovar-Auto, o governo brasileiro também colocou metas de melhoria de eficiência energética dos veículos vendidos no País até 2017. De olho nessa demanda potencial criada pela legislação, a Novelis investiu US$ 340 milhões para ampliar a capacidade de produção de sua fábrica em Pindamonhangaba (SP) de 400 mil para 600 mil toneladas/ano (leia aqui). Embora já esteja recebendo consultas de possíveis clientes do setor automotivo (leia aqui), ainda não há nada concreto.

“Ainda é cedo para dizer o quanto a demanda por alumínio das montadoras pode aumentar no Brasil. Existe uma oportunidade para isso, mas ainda não sabemos o quanto o mercado está estimulado para isso”, avalia Summe. Uma possibilidade, segundo ele, é o início da importação de peças prontas de alumínio, para posterior localização.



Tags: Alumínio, insumo, Novelis, indústria, engenharia, consumo, emissões.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência