Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Segurança | 18/10/2013 | 18h05

Centro de crash test do Instituto Mauá terá R$ 196 milhões

Negociam com BNDES, Finep e montadoras para laboratório ser construído em São Bernardo

CAMILA FRANCO, AB

Dois meses após ter assinado junto a prefeitura de São Bernardo do Campo protocolo de inteções para viabilizar o primeiro centro independente de crash test do Brasil (leia aqui), representantes Instituto Mauá de Tecnologia se reunem com o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, na sexta-feira, 18, para tentar financiamento de parte dos R$ 196 milhões previstos para o projeto.

Desse total, R$ 124,5 milhões serão usados para importação de softwares e de mais de duas dezenas de equipamentos e R$ 71,5 milhões para a construção do prédio, que deverá ser erguido dentro do futuro parque tecnológico de SBC, em um terreno já selecionado de 45 mil metros quadrados, sendo 14 mil de área construída.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social não deverá emprestar 100% do valor. A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) também deve participar do aporte, bem como montadoras que tiverem interesse em abater até 30 pontos percentuais no IPI de automóveis produzidos e vendidos no Brasil comprovando investimento no centro de pesquisa e desenvolvimento.

Essas informações foram reveladas pelo superintendente de planejamento e desenvolvimento do Instituto Mauá de Tecnologia, Fábio Bordin, durante seminário Segurança Veicular Brasil-Suécia, realizado no Paço Municipal de SBC na sexta-feira. O engenheiro contou que o centro de certificação, prestação de serviços e desenvolvimento de pesquisa em segurança veicular e mobilidade foi inspirado em laboratório de crash-test mantido pela Volvo na Suécia – o que levou a aproximação entre os países e a realização do seminário.

A necessidade de se construir o centro, segundo Bordin, nasceu justamente com a regulamentação do Inovar-Auto, que visa incentivar a inovação no País. O Instituto Mauá foi responsável por desenvolver o projeto, incluindo o lay-out do prédio e o levantamento das despesas, que já estão prontos, e cuidará de toda a sua gestão. O Instituto compartilhará a instalação com outras instituições de ensino e fabricantes de veículos.

“As montadoras ainda têm visões independentes. Querem desenvolver seus carros sozinhas. A Volkswagen e a GM são as únicas que mantêm laboratório de crash-test no Brasil. As demais pagam preços altíssimos para enviar seus produtos para serem batidos fora do País. Nossa missão será quebrar este paradigma e mostrar que se trabalharmos juntos em um único ambiente podemos aumentar a nossa capacidade de inovação e competitividade, desenvolvendo plataformas globais de veículos que atendam as normas de segurança brasileiras, americanas e eropeias”, afirmou Bordin.

Com os R$ 196 milhões levantados até o fim deste ano, o superintendente espera que o centro seja acreditado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) até 2015 e passe a prestar serviços para montadoras instaladas no Brasil e também na América do Sul a partir do primeiro semestre de 2016.

O local terá capacidade para 300 testes com automóveis por ano. Poderão ser analisados veículos de até 3,5 mil quilos em crash tests frontais, laterais e traseiros em velocidade de até 90 km/h.

Presente no seminário, o prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, ressaltou que a instalação do ABC paulista não competirá com o centro de segurança veicular do Inmetro no Rio de Janeiro. “O laboratório de crash test será a principal âncora do parque tecnológico de São Bernardo. Mas a nossa intenção é somar esforços. Queremos agregar valor aos veículos brasileiros e, sobretudo, aumentar a segurança veicular em todo País, onde os acidentes de trânsito matam mais de 40 mil pessoas por ano e geram um custo de cerca de R$ 190 milhões para o Sistema Único de Saúde (SUS) em atendimentos. O ABC foi escolhido para implantar o primeiro centro independente de segurança veicular por deter mais de 25% da produção de veículos, mais de 55% da de caminhões, cerca de 40% da força de trabalho do setor e 35% do total das exportações.”



Tags: Segurança veicular, crash-test, laboratório, São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, ABC paulista, Inovar-Auto.

Comentários

  • Feiano Inconformado

    Por que a FEI nao foi chamada para esse projeto?

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência