Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Comerciais | 28/10/2013 | 20h15

Noma apresenta carroceria 100% em alumínio

Produto desenvolvido em parceria com Abal pode chegar ao mercado em um ano

SUELI REIS, AB

A Noma apresenta na 19ª Fenatran, Salão Internacional do Transporte, a primeira carroceria aberta para carga seca 100% confeccionada em alumínio. O projeto, que nasceu há dois anos na Associação Brasileira do Alumínio (Abal), é uma tentativa de aumentar e promover o uso do metal leve em produtos destinados ao setor de transporte. Há um ano, a entidade propôs o desafio à Noma, de tirar o projeto do papel. O resultado está em exposição no estande da fabricante de implementos: um produto com peso bruto de uma tonelada, metade do peso das carrocerias tradicionais similares em aço. Seu principal objetivo é ajudar na redução de peso dos veículos e proporcionar economia de consumo.

“A leveza traz vantagens competitivas e significativas para o transportador. Este projeto foi concebido para um caminhão com PBT de até 23 toneladas com entre eixos de 5,4 metros, que é a configuração de maior vendagem no País, mas que pode ser aplicado em qualquer outro modelo de caminhão”, afirma o presidente da fabricante, Marcos Noma.

Para Marcelo Gonçalves, coordenador da Abal e responsável pelo Projeto Carga Seca de Alumínio, o metal é o meio para atingir o objetivo de redução de carga no transporte brasileiro. Ele explica que além desse benefício, a carroceria gera maior produtividade – tem capacidade para carregar uma tonelada a mais de carga sem excesso, conforme a legislação – e eleva o lucro.

Segundo um estudo da Abal em parceria com a Associação Nacional de Transporte de Carga e Logística (NTC), em condições médias de uso, ao fim de oito anos, um caminhão com carroceria de alumínio pode gerar R$ 65,8 mil de lucro, quase três vezes mais do que os R$ 23,9 mil gerados pelo implemento em aço nas mesmas condições.

“O retorno do investimento também é mais rápido: o valor do implemento em alumínio retorna ao fim de 44 meses, contra 89 meses da versão em aço e 68 meses para os de madeira”, complementa Gonçalves.

O presidente da Noma informa que três protótipos entrarão em testes em campo nas próximas semanas em estradas brasileiras para fins de homologação. “Prevemos que os testes demorem cerca de seis meses. Mais três meses para ajustes finais e este produto estará no mercado”, prevê.



Tags: Noma, Fenatran, implementos rodoviários, alumínio, Marcos Noma, Abal, Marcelo Gonçalves.

Comentários

  • Eustaquio Sirolli

    Essa atitude da Noma e Abal é louvável, aí o Brasil estará caminhando para uma solução inteligente, produtiva e se aplicada para as cargas relevantes, onde haja o payback do custo maior, tudo fará sentido ! Carroceiras em Al são tradicionais na Europa ! Parabéns à NOMA e Abal ! O mercado agradece.

  • claudio clemente

    possuo 2 trucks carroceria aberta porta contêiner, e real mente, procuro colocar carroceria 100% alumínio, me informem o preço de uma carroceria, na media de 9 metros de comprimentos e se é possível colocar locks p carregar contêiner de até 15 toneladas?

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência