Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 05/11/2013 | 22h30

Renault quer aumentar participação de 6,4% para 7% em dois meses

Uma das estratégias será levar a marca para interior dos estados

CAMILA FRANCO, AB

A Renault do Brasil espera encerrar 2013, seu 15º ano de produção no País, como a quinta marca mais vendida, com 7% de participação de mercado e pouco mais que as 241,5 mil unidades de automóveis e comerciais leves emplacadas em 2012.

Durante lançamento do novo Logan (leia aqui), Gustavo Schmidt, vice-presidente comercial da Renault, disse que manter-se no mesmo patamar de vendas do ano passado já é uma vitória para a fabricante de origem francesa. Isso porque nos dois primeiros meses de 2013, a Renault parou a sua fábrica de veículos leves para elevar a produção de 280 mil para 380 mil unidades por ano. No primeiro semestre, com apenas quatro meses em operação, viu sua participação cair para 5,9%. Mas, a partir do segundo, engatou uma retomada, e chegou aos 6,4% atuais, atrás de Fiat (21,6%), Volkswagen (18,7%), GM (18,2%) e Ford (9,3%).

Uma das estratégias para ganhar mercado, segundo o executivo, será levar a Renault para o interior dos estados. Para tanto, a empresa acaba de criar duas novidades. Uma delas é a “Box Store”, uma loja intinerante, como um container, que pode ser instalado em locais mais distantes ou inusitados, como em uma praia. A ideia, explica Schmidt, é se aproximar do público para posteriormente abrir uma concessionária no local. A outra alternativa é a “Master Intinerante”, que também vai rodar pelo País para divulgar os veículos Renault. Atualmente, a Renault conta com 275 pontos de vendas no Brasil (40 deles construídos apenas este ano).

Ampliação e renovação de seu portfólio de veículos também entra em jogo para conquistar os consumidores. Este ano o principal lançamento da Renault foi o Logan, que introduz o novo design global da marca, mas serão mais nove modelos até 2016, como assegura o vice-presidente.

“O objetivo da Renault é ter 8% de participação de mercado até 2016. Por isso, apostamos em novos produtos, mais concessionárias e na produção a todo vapor no Paraná, onde temos feito um carro por minuto”, comenta Schmidt.

Com estes três ingredientes, o executivo acredita que é possível competir com segurança no mercado de automóveis brasileiro “que tem sido diretamente impactado pela oscilação do dólar, altos juros e inflação”. “Devemos encerrar 2013 com pouco mais de 3,6 milhões de automóveis e comerciais leves vendidos, praticamente no mesmo patamar de 2012. Em 2014, além destes desafios econômicos que já vem sendo enfretados, haverá mais dois fatores impactantes, as eleições no País e uma possível retomada de mercados em crise, principalmente o europeu e o americano. Sendo asim, espero estabilidade ou crescimento pequeno nas vendas internas.”

O executivo ressalta que há 15 anos, em 1998, quando deixou de ser importadora, a Renault vendeu 19.123 veículos no Brasil. Hoje, a marca consegue emplacar este volume em apenas um mês.



Tags: Renault, Logan, mercado, vendas, Gustavo Schmidt.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência