Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Transportes | 19/11/2013 | 18h30

São Paulo terá primeiro ônibus a bateria do País

Elétrico desenvolvido em parceria por Mitsubishi e Eletra tem autonomia de 200 quilômetros

CAMILA FRANCO, AB

Começa a ser testado este mês no trecho Diadema-Brooklin, dentro da região metropolitana de São Paulo, o primeiro ônibus elétrico brasileiro movido por baterias. O E-Bus, como é chamado, foi criado em parceria pelas empresas japonesas Mitsubishi Heavy Industries e Mitsubishi Corporation e a brasileira Eletra, especializada em veículos de transporte urbano com tração elétrica.

O chassi articulado do veículo é da Mercedes-Benz, a carroceria da Induscar/Caio e o sistema de tração e o motor elétrico da WEG. A concessionária Metra e a EMTU/SP (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo) são responsáveis pelos testes iniciais. A partir do ano que vem, passageiros serão transportados no ônibus elétrico pagando pelo mesmo preço de um trólebus ou ônibus comum. Se aprovado, a expectativa do governo de São Paulo é de que 40 ônibus como este passem a circular nesse corredor, mas ainda não há prazo definido.

Com 18 metros de comprimento, o veículo articulado transporta até 150 passageiros e tem autonomia operacional de 200 quilômetros. Suas baterias, de lítio-íon, fornecidas pela Mitsubishi do Japão, têm 10 anos de vida útil e poderão ser recarregadas de duas maneiras. Com sistema de recarga lenta, o ônibus é conectado a uma tomada especial na sede da Metra, em São Bernardo do Campo, e demora cerca de duas horas para repor 80% da carga das baterias, em processo que será realizado após o horário de circulação. Já a carga rápida é feito no terminal de Diadema, por meio de acoplamento automático localizado no teto do ônibus, que repõe cerca de 15% da energia em apenas 5 minutos, o suficiente para o veículo fazer uma viagem.

A Mitsubishi foi responsável pela aquisição de baterias e instalação das estações de recarga. E a Eletra pela adaptação do sistema à carroceria. Durante evento de apresentação do E-Bus, Yoichi Kujirai, vice-presidente executivo da Mitsubishi Heavy Industries, não revelou quanto a empresa investiu na operação, iniciada há um ano, mas disse que tem interesse em transferir a tecnologia para empresas brasileiras.

Segundo o executivo japonês, o maior desafio foi conseguir deslocar um ônibus tão grande apenas com as baterias. No total, são necessários 14 pacotes de baterias com oito módulos. Elas pesam 3 toneladas, ou 10% do peso total do ônibus.

Jurandir Fernandes, secretário de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, presente no evento, comemorou o lançamento: “O Brasil é o terceiro maior mercado de ônibus do mundo e esta é uma prova de que temos condições de produzir veículos sustentáveis. O nosso objetivo é substituir a frota a diesel e diminuir as despesas com a manutenção dos fios indispensáveis para os trólebus. O ônibus movido a bateria é uma tecnologia que veio para ficar e que é muito bem aceita pelo Estado de São Paulo.”

A extensão Diadema-Brooklin, com 11 quilômetros de extensão, foi escolhida por não ter veículos isentos de emissão de poluentes, como os trólebus elétricos que já rodam em outros trechos da cidade.

Veja como funciona o E-Bus:



Tags: Eletra, Mitsubishi, Metra, ônibus, elétrico, bateria, energia.

Comentários

  • Sidnei

    Fico muito contente com estes avanços existentes nas industrias, também trabalho com desenvolvimento, e realmente espero que não fique somente na empolgação.

  • Samuel

    Recentemente tive contato com alguns numeros que vão na contramão da aplicação desta tecnologia em transporte publico. O financiamento de projetos p/ veículos elétricos é 30% mais alto do que para veículos convencionais;(BNDES) A economia para a CIA que utiliza este tipo de veículo está ao redor de 5%; (METRA) Estas duas informações eu obtive durante o evento "Veículo Elétrico Sulamericano" e mostra como os nossos governantes estão com a mente parada no tempo.(se houverem fontes melhores me ajudem) Os beneficios deste veículo são incontaveis, para citar dois, temos o ruído e obviamente a emissão de poluentes.

  • Samuel

    Mas ao invés de SP receber esse veículo, porque nao cidades menores? Na europa a eletrificação de veículos se dá nas cidades mais pequenas, com resultados num espaço de tempo muito menor e de maior visibilidade. Exemplo a cidade de Vitoria-Gasteiz, Espanha. Dela partem as iniciativas para outras, sempre com a certeza de que a aplicação é valida, afinal o modelo foi validado.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência