Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Fábrica da Renault no Brasil completa 15 anos
Inaugurada há 15 anos, fábrica da Renault em São José dos Pinhais é responável pela montagem de Sandero, Logan e Duster

Indústria | 04/12/2013 | 17h13

Fábrica da Renault no Brasil completa 15 anos

Complexo Ayrton Senna entregou mais de 1,8 milhão de veículos desde 1998

REDAÇÃO AB

Neste 4 de dezembro a Renault relembra a inauguração de sua fábrica brasileira, o Complexo Ayrton Senna, localizado em São José dos Pinhais, região metropolitana da capital paranaense. Em 15 anos de produção no Brasil, a unidade entregou pouco mais de 1,8 milhão de veículos: inaugurada em 1998, a unidade teve sua pedra fundamental assentada dois anos antes. Em 1999, o complexo ganhou sua segunda fábrica, dedicada à produção de motores e, dois anos depois, a terceira, para a fabricação dos veículos comerciais Renault Master e os Nissan Frontier, Livina e Gran Livina, instituída como a primeira unidade fabril no mundo da Aliança Renault Nissan.

O primeiro modelo a ser montado na fábrica de veículos leves da Renault no Basil foi a Scénic, que também inaugurou o segmento de minivans no País, seguido pelo Clio, produzido aqui entre 2000 e 2007 e transferido para a unidade argentina de Santa Isabel, onde é fabricado até hoje. Também foram montados ao longo desses 15 anos o Mégane sedã, cuja produção encerrou em 2010, junto com a Scénic, e Mégane versão Gran Tour, que saiu de linha no ano passado. Hoje a fábrica de veículos leves é responsável pela montagem dos modelos Sandero, Logan e Duster.

Nesse período, a Renault investiu o equivalente a R$ 6 bilhões desde o início das operações, sendo dois os principais ciclos de investimento: o primeiro grande aporte – de US$ 1,35 bilhão – deu início às atividades da montadora no País, destinado à construção das três plantas distintas que formam o complexo.

O segundo grande ciclo de investimento para a fábrica, de US$ 1,5 bilhão, é o que está em curso, previsto entre 2010 e 2015: um terço deste valor está sendo aplicado em 2013 para a ampliação da capacidade produtiva da linha de montagem de veículos leves, em uma operação que a própria montadora denominou fábrica dentro da fábrica: paralisada entre 8 de dezembro de 2012 até 7 de fevereiro deste ano, a unidade passou por uma reformulação completa, que ampliou sua capacidade de 280 mil para 380 mil veículos leves por ano em três turnos ou de 47 para 60 carros por hora (um por minuto – leia aqui). Quando foi inaugurada, há 15 anos, a fábrica brasileira nasceu com capacidade para produzir 20 carros por hora.

TRAJETÓRIA ASCENDENTE

Desde que a primeira Scénic saiu da linha de montagem, a Renault realizou 127 lançamentos, chegou à quinta posição no ranking entre as maiores montadoras do País, apesar de ter perdido o posto para a Hyundai no último ano, mas mantém 7% de participação média de mercado nos últimos cinco meses. Seu número de trabalhadores cresceu, saltando de 600 funcionários em 1998 para 6.500 em 2013. Em 2001, o Brasil tornou-se o segundo maior mercado da marca no mundo, perdendo apenas para a França.

“Hoje a Renault é uma empresa brasileira, nossos produtos são referência em seus segmentos, geramos oportunidades de emprego e renda e contribuímos com a evolução da sociedade, o que nos orgulha muito”, comemora Olivier Murguet, presidente da Renault no Brasil.

A estratégia da empresa está baseada em três pilares: na ampliação da rede de concessionárias, expansão e renovação da linha de produtos e aumento da capacidade instalada. A rede de concessionárias ganhou 100 novas lojas nos últimos 3 anos. Em 2013 deve encerrar com 40 novas revendas, 17% a mais do que em 2012, para 275 unidades, que cobrem 83% do território nacional, informa a montadora.

Sobre a ampliação e renovação da gama, desde 2011 foram lançadas 20 novidades. Neste ano, dois produtos foram apresentados, em março, o novo Master, totalmente reformulado e o mesmo modelo vendido na Europa (leia aqui) e o novo Logan, lançado no início de novembro (leia aqui). Até 2016, a Renault planeja realizar mais 9 lançamentos.



Tags: Renault, Complexo Ayrton Senna, fábrica, São José dos Pinhais, Scénic, Sandero, Logan, Clio, Mégane, Duster, Nissan, Frontier, Livina, Olivier Murguet.

Comentários

  • Jesué Kasyser

    Tenho um logan 2015,hoje stá com 51000 km. desde os 20000km venho pedindo socorro referente a embreagem,e ate agora nao foi resolvido o problema na autorizada.ja tive outros renault bons .A embreagem do logan é muito pesada,fica rangindo e agora fica tripidando ao partir. na autorizada foi trocado o caboo e nao adiantou, entao foi lubrificado ogarfo, e nao surgio efeito.hoje disseram que provavelmente tem um problema nesse conjunto de embreagem,porem nao querem trocar ,dizem nao ter garantia. Entao fui enrolado até agora para perder a garantia? Oque será feito?ainda estou pedindo socorro.. Aguardo uma posiçao. Obrigado

  • Angela Regina Roselli

    Bom dia li a reportagem tenho um Twingo 2000 não vendo nem empresto, mas preciso da máquina do vidro lado esquerdo com muita pressa. Veja só o carrinho é ótimo está intacto original, moro em cuiabá mt, e nem as borrachas até agora estão perfeita, gostaria de comprar outro o meu é prata, por favor me envie a peça.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência