Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Duas Rodas | 05/12/2013 | 01h00

Honda vai dobrar produção de scooters

Fábrica quer acabar com espera pelo PCX 150; veículo tem imagem mais amigável que as motos

MÁRIO CURCIO, AB | De Sumaré (SP)

Os bons resultados deste ano com o Lead 110 e o novo PCX 150 levarão a Honda a aumentar o foco de sua fábrica de Manaus nos scooters, esses modelos com aparência geral semelhante à das antigas Lambrettas, comuns entre os anos 1950 e 1970.

“Vamos dobrar nossa produção desses veículos”, afirma o gerente comercial da Honda, Alexandre Cury. Isso deve ocorrer já no começo de 2014, sem que haja grandes remanejamentos na fábrica. “Teremos de aumentar a nacionalização de componentes para cumprir o Processo Produtivo Básico”, diz Cury. A ação também visa a reduzir as filas de espera do PCX 150, que têm entre 30 e 60 dias.

A Honda fechará 2013 próxima dos 70% de participação nesse segmento. “Temos percebido que esses veículos são capazes de atenuar a ‘guerra urbana’ entre carros e motos e reduzir ‘pré-conceito’ no trânsito”, afirma. A forma menos polêmica de explicar esse pré-conceito é que motoristas e pedestres olham os scooters com mais carinho (ou menos rejeição) do que as motos. O gerente comercial também revela entusiasmo pelo sucesso do PCX 150. O modelo chegou à rede no fim de maio com preço sugerido de R$ 7.990 e já atinge média mensal de emplacamento acima de 1.170 unidades. O volume é melhor que o do Lead 110, que custa R$ 6,1 mil), mas tem média mensal de 792 unidades. Cury admite a ampliação da linha de scooters, mas diz não haverá um novo modelo no ano que vem.

Além de crescer nesse nicho, a Honda também vai ampliar sua atuação no segmento de alta cilindrada dos atuais 35% para 42% em 2014 com a nova linha formada pelas motos CB500F, CB500R e CB500X. “Queremos chegar a 50% nos próximos anos (...) A nova linha vai preencher um buraco que havia entre a Falcon (400 cc) e a Hornet (600 cc)”, diz o executivo.

Honda
Honda Lead 110 tem tabela de R$ 6,1mil e registra média mensal de 792 unidades. “Scooters talvez atenuem a ‘guerra urbana’ entre carros e motos”, diz o gerente comercial, Alexandre Cury (fotos: divulgação e Mário Curcio)

BAIXA CILINDRADA E AS INCERTEZAS DE MERCADO

No ano de 2013, a Honda se segurou com promoções, lançamentos e conseguiu reduzir em parte os efeitos da restrição ao crédito, que afeta sobretudo o segmento de baixa cilindrada. De janeiro a novembro o emplacamento de motos no País caiu 8,3% em relação ao mesmo período de 2012. No caso da Honda, esse recuo foi menor, de 7%.

Ainda assim, Cury lamenta o ano difícil: “Foi ruim para a fábrica, a área de pesquisa e desenvolvimento e fornecedores (...) E como dependemos de itens importados, a mudança do câmbio nos afetou. E nosso cliente também é impactado pela inflação.”

Sem cravar um número, Alexandre Cury acredita em um pequeno crescimento em 2014, mas a Copa do Mundo deve prejudicar a venda de modelos de baixa cilindrada: “O produto motocicleta terá como um de seus fortes concorrentes o televisor, que tem aumento significativo na demanda em ano de Copa. Com prestações semelhantes, moto e TV devem disputar o bolso de um consumidor com orçamento mais apertado, que não permite a escolha de ambos.”



Tags: Honda, Alexandre Cury, PCX 150, Lead 110, scooter, motos, motocicletas, motonetas.

Comentários

  • Sergio Oliveira

    Continuo esperando a pronta entrega da PCX. Que falta faz a concorrência.

  • Silvio Moura

    Sou proprietário de uma Honda Lead e este estilo de scooter sempre foi meu sonho de consumo, uso a mesma para deslocamentos dentro da cidade por que o uso de carro esta complicado em função de ter que estacionar e vagas nunca encontramos. Olhei a PCX 150 e achei linda, mais encorpada e elegante. Provavelmente eu vou comprar ela por que gostei do seu estilo mais moderno e imponente que a Lead, quero ter as duas. A minha duvida é sera que ele vão fazer o porta luvas com chave, achei engraçado fazer na Lead e não colocar essa segurança em uma scooter que tem um valor mais significativo. Minha outra observação sera que o problema dos amortecedores traseiros sera solucionado devido ao curso curto levando a bater o pneu no para lamas quando se esta com um garupa e passar num quebra molas? Dizem que acontece isso ate com um só ocupante, fico preocupado que gostaria de ter mais conforto nela.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência