NOTÍCIAS
05/12/2013 | 22h02

Lançamentos

Fiorino 2014 chega à rede Fiat por R$ 38.540

Montadora espera dobrar vendas; preço subiu apenas R$ 500


MÁRIO CURCIO, AB

Motor passou de 1.3 para 1.4; capacidade de carga subiu 30 quilos, mas volume diminuiu em 100 litros
As concessionárias Fiat já vendem o Fiorino 2014, mostrado pela primeira vez em outubro, durante a Fenatran. A nova geração trocou o motor 1.3 pelo 1.4 Evo, que produz até 88 cv de potência quando abastecido com etanol. O modelo tem preço sugerido de R$ 38.540, apenas R$ 500 a mais que a versão antiga, apesar de ter agora airbags e freios com ABS como itens de série (obrigatórios em todos os veículos vendidos no País a partir de 2014).

De janeiro a novembro deste ano foram emplacadas pouco menos e 12 mil unidades da versão antiga do utilitário, mas a Fiat quer agora o dobro disso: “Esperamos vender 24 mil unidades por ano”, afirma o diretor comercial Lélio Ramos. Esse crescimento resultará não apenas do fator novidade, mas também da saída da Volkswagen Kombi do mercado: “Nenhum fabricante tem potencial como o nosso para pegar mais clientes dela”, diz Ramos, referindo-se ao Fiorino e ao Doblò.

Nascido em 1980 como derivado do Fiat 147, esse comercial leve se aproxima de 1 milhão de unidades produzidas no País. “Ao lado da picape Strada, ele nos ajudou a manter a liderança de mercado em comerciais pelo 12º ano consecutivo”, recorda o diretor comercial.

A versão antiga foi exportada para mais 40 países e a partir do início de 2014 começam os embarques do novo modelo, já que o antigo saiu de linha. Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Panamá, Paraguai, Peru e Uruguai são mercados potenciais para o modelo.

O mercado externo poderá representar uma boa ajuda extra, já que a exportação de comerciais leves cresceu 32,5% no acumulado até novembro em relação ao mesmo período de 2012. No mercado interno, essa alta foi menor, 4,7%.

Fiat
Fiorino 2014 transporta 650 kg de carga, 30 kg a mais que o antigo, mas perdeu 100 litros em volume. Versão ambulância continua viável. Adaptação é feita fora da fábrica.

PROJETO ENVOLVEU 357 ENGENHEIROS

Segundo a Fiat, o novo Fiorino exigiu o trabalho de 357 engenheiros durante um ano e meio. “Foram 513 mil horas de engenharia e 93 mil horas de testes”, afirma o diretor de design de produto da Fiat Chrysler, Claudio Demaria.

O carro está 20 centímetros mais longo, 2,1 cm mais largo e 2,7 cm mais alto, mas houve uma pequena redução no compartimento de carga, cujo volume baixou de 3,2 mil para 3,1 mil litros. “Tivemos de privilegiar a aerodinâmica para aumentar a eficiência do carro”, diz o executivo.

Essa “melhora em eficiência” também implicou o uso de pneus verdes (Pirelli Chrono 175/70 R14). Como resultado, consumo de combustível baixou 3,6% e o utilitário Fiat recebeu letra A do Inmetro. De acordo com a etiqueta do Conpet, com etanol ele faz 7,5 km/l na cidade e 8,4 km/l na estrada. Com gasolina, esses números sobem, respectivamente, para 11 km/l e 12,2 km/l.

Segundo Demaria, a suspensão utilizada vem da picape Strada e a Fiat reduziu ruídos do Fiorino com a utilização de novos materiais fonoabsorventes, isolantes acústicos e elastômeros. O projeto atualizado teve a altura do assoalho reduzida de 64 para 50,6 centímetros. Esse novo piso recebeu forração integral. O compartimento recebeu ainda bate-carga reforçado, iluminação, coberturas laterais e ganchos para fixação de carga.

Fiat
Portas traseiras agora são assimétricas. A esquerda é maior. Travas permitem mantê-las em 90 e 180 graus.

Por causa da vocação do Fiorino, os principais itens de conforto e conveniência ainda são opcionais, caso de ar-condicionado, direção hidráulica e vidros elétricos. Esses três itens estão no kit Celebration 1, que custa R$ 4,5 mil e ainda inclui faróis de neblina, computador de bordo, conta-giros e outras firulas. Quem achar que o ar-condicionado pesa muito no bolso pode optar pelo Celebration 2, de R$ 2,4 mil, que mantém a direção hidráulica e os vidros elétricos, entre outros itens.

SIMPLES E PRÁTICA

Para a nova geração do Fiorino, a Fiat utilizou portas traseiras assimétricas (esquerda maior que a direita) e abertura em dois estágios. Dá para fixá-las em 90 graus ou abri-las até 180 graus. A cabine tem espaços para garrafas e objetos nas portas. O teto também tem um porta-trecos.

Além de substituir o motor por outro mais potente, a Fiat reescalonou a transmissão. Segundo a montadora, com etanol o utilitário acelera de zero a 100 km/h em 11,9 segundos e atinge 158 km/h de velocidade máxima.

Automotive Business guiou o novo Fiorino na cidade de São Paulo. Apesar de o trajeto ser muito plano e curto, com menos de dez quilômetros, deu para sentir que a posição de dirigir é boa, mas o curso da alavanca de mudanças poderia ser menor e os engates, mais leves.

O desempenho na cidade pareceu apropriado, mas a falta de carga e de um trajeto com subidas impede um julgamento preciso. Entre os opcionais é possível pedir vidro nas portas traseiras e na parede que separa a cabine do baú.

Fiat
Cabine tem porta-objetos nas portas, no console e no teto. Posição de dirigir é boa, mas alavanca do câmbio tem curso longo. Ar-condicionado, direção hidráulica e vidros elétricos são opcionais, assim como a iluminação no porta-luvas.

VERSÃO PARA PASSAGEIROS É VIÁVEL

Assim como ocorre com o Doblò, a Fiat admite a possibilidade de criar uma versão para passageiros do novo Fiorino: “Quando criamos um carro, pesamos sempre em diferentes possibilidades”, afirma Claudio Demaria. “Uma delas seria a instalação de um banco traseiro (...) A parede de aço (entre a cabine e o baú) pode ser removida”, admite o diretor de design.

Sobre o acesso a esse espaço, ele descarta a utilização de uma porta lateral corrediça. “Seria pelas portas dianteiras.” Embora não haja nada concreto, o modelo certamente teria preço mais baixo que o de um Doblò, que parte de R$ 52.780.

Comentários: 1
 

geovani J.K
29/04/2014 | 09h18
ola!!! tudo bem......na minha empresa que trabalho compramos uma fiorino 2014 para entrega de mercadorias (supermercado) ja estamos dois meses com ela, émuitoboa e agil mas ela só esta fazendo media de 6.3/l. Acho muito pouco ja que estou abastecendo com gasolina...vcs podem me dar um parecer a respeito disso..o que sera que esta acontecendo???? Achei muito bom a fiorino ter voltado com nova cara ficou muito top!!!! se pode4ram me ajudar ficarei grato, desde de ja agradeço...........

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:


QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 13/12/2017
Requisitos de segurança têm de se adequar à realidade local de mercado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
AUTOINFORME | 07/12/2017
Aumenta pressão por manter mercado protegido dos importados
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
DE CARRO POR AÍ | 08/12/2017
Programa de desenvolvimento do setor insiste em protecionismo
QUALIDADE | 01/12/2017
Envolver e motivar colaboradores é essencial para gerar bons resultados
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018