NOTÍCIAS
16/12/2013 | 23h00

Lançamentos

BMW 320i Flex: com turbo e sem tanquinho nem pré-aquecimento

Primeiro modelo bicombustível turbinado do mundo traz avanços


PEDRO KUTNEY, AB | De Araquari (SC)

O BMW 320i ActiveFlex: bicombustível mais econômico com etanol
A BMW apresentou o seu primeiro carro bicombustível etanol-gasolina na mesma cerimônia que marcou o início das obras dos prédios de sua primeira fábrica no Brasil (leia aqui). O sedã 320i Active Flex levou dois anos para ser desenvolvido pela equipe de engenharia da fabricante alemã e será um dos cinco modelos produzido na planta de Araquari (SC), mas já começou a ser vendido no mercado brasileiro, ainda importado da Alemanha, por R$ 129.950. O carro, o primeiro flex turbinado do mundo, traz avanços à tecnologia de motores flexíveis, pois é mais econômico rodando com etanol e não precisa usar o tanquinho de gasolina nem o sistema de pré-aquecimento dos bicos injetores para a partida a frio.

O primeiro modelo flex da BMW teve a ajuda da engenharia brasileira da Bosch, que ganhou experiência com o fornecimento do sistema em larga escala no Brasil. Após o período de desenvolvimento, a Bosch passou a fabricar e fornecer à BMW na própria Alemanha os principais elementos do powertrain bicombustível, incluindo a central de controle eletrônico, bombas de alta e baixa pressão e a injeção direta que trabalha entre 200 e 250 bars.

“Pela primeira vez desenvolvemos um motor só para um país”, destacou Luiz Estrozi, gerente técnico do BMW Group Brasil. “Como nossos carros já entregam desempenho suficiente, privilegiamos a economia”, disse Estrozi, para explicar por que não houve aumento de potência quando o 320i ActiveFlex usa só etanol. Segundo ele, quando abastecido com o biocombustível, o carro gasta cerca de 38% mais do que com gasolina. Em comparação com a média dos modelos flex brasileiros, que na média consomem 43% mais com álcool, houve um ganho de cinco pontos porcentuais.

O principal fator a favor da economia, no caso da BMW, é o uso da injeção direta e um sensor instalado antes da câmara de combustão – ao contrário dos demais carros flex, que leem essa mistura após a queima. O sensor indica o combustível antes da detonação, fazendo com que a central eletrônica ajuste com maior eficiência a quantidade exata de etanol ou gasolina (ou ambos misturados) necessária para o desempenho requerido pelo pé no acelerador.

Também graças à injeção direta calibrada para o álcool e ao comando eletrônico de válvulas foi conquistado mais um avanço para a tecnologia flex: o motor da BMW é acionado a frio com 100% de etanol sem necessidade de injeção de gasolina, o que elimina o tanquinho, nem do sistema de pré-aquecimento dos bicos injetores.

O turbocompressor usado pela BMW em seu flex é um Honeywell Garrett de duplo estágio, o primeiro a operar em um carro flex à venda. Segundo a engenharia da marca, não foi necessária nenhuma modificação para a turbina funcionar com etanol. “Não houve nenhuma contaminação, pois o etanol evapora antes da admissão no turbo. Fizemos vários testes e não houve necessidade de nenhuma mudança”, afirmou Markus Brown, gerente técnico do projeto de motor flexível da BMW.

A BMW ainda não revela para quais outros motores pretende instalar o sistema flex para venda no Brasil, mas Estrozi admite que “é um caminho natural” adotar motores bicombustíveis para toda a linha fabricada no Brasil. O sistema desenvolvido pode equipar qualquer motor entre 1 e 2 litros, trazendo a vantagem de imposto (IPI) menor cobrado de veículos flex.

Comentários: 8
 

Renan Tiozzo
17/12/2013 | 12h04
Os caras resolveram fazer carro Flex e já estão bem à frente dos nossos carros, e isso pq a gente já faz carro flex há mais de 10 anos.

Leonardo Nascimento
17/12/2013 | 12h37
Motores flex são produzidos mundialmente desde 1991 nos EUA e na Suécia, onde tem maioria no mercado como no Brasil. Não rodam com 100% etanol, mas com E85. Levando em conta que mecanicamente e do ponto de vista do software as mudanças são exatamente as mesmas, o primeiro motor flex turbo do mundo foi apresentado pela Saab em 2005 (1.8t e 2.0t BioPower). Este motor da BM, apesar de avançado para os padrões do Brasil, não faz mais que colocar o pais no nivel tecnologico atual da Europa e EUA. By the way, a Ford também tem um motor 2.0 EcoBoost Flexi fuel na Europa que roda com alcool e é turbo e injeção direta...

Ronaldo Gomes Ribas
17/12/2013 | 13h26
Ao engenheiro Luiz Estrozi, É possível dar garantia de 3 anos ao modelo BMW 320i Active Flex com toda esta precisão da bomba de combustível para 250 bar, tubulações e válvulas injetoras, sabendo que o nosso "Etanol o Combustível Completão" é um AEHC com 7-8% de água além dos batismos encontrados por todo o país? Outro problema é a mistura terciária de gasolina (800 PPM de enxofre) com etanol anidro (25%) e etanol hidratado, que se ultrapassar o teor de 8% promoverá uma separação de fases e a impossibilidade de partida do motor!!! Não é arriscado colocar a prova a reputação da BMW com estes motores de alta tecnologia com combustíveis pouco confiáveis e com alta contaminação...???

Gian
17/12/2013 | 14h41
Ótimos comentários !!!! ... Acho muito interessante quando algumas coisas são esclarecidas por aqui.

Renan
24/01/2014 | 10h51
BMW é BMW, país de bananas e do PT aqui tá longe de contar com tecnologia de ponta.

Lucas
05/02/2014 | 19h53
O carro sem dúvida é um tesão, porém o sistema de revisão/troca de óleo do carro pelo "computador de bordo" é totalmente fora da realidade... tem 320i com 4.000km tendo que trocar óleo...

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 22/11/2017
Frota brasileira de 42 milhões exige controle apropriado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório