Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia | 06/01/2014 | 10h42

Ford chega a 500 mil peças feitas em impressoras 3D

Uso de equipamento especial para esculpir protótipos deve quadruplicar em dez anos

REDAÇÃO AB

A impressão 3D ganha destaque em aplicações na indústria automobilística. É o que indica a Ford, ao completar a produção de 500 mil peças de protótipos com o emprego da nova técnica, que permite abreviar em meses a criação de componentes utilizados em veículos, como cabeçotes, coletores de admissão e entradas de ar. Exemplos recentes da aplicação da tecnologia foram o desenvolvimento da cobertura do motor do novo Mustang; suportes os suportes do rotor, coberturas da transmissão e dos amortecedores do Fusion Hybrid; o motor EcoBoost 2.0 do Novo Fusion; e os coletores de escape do motor EcoBoost 3.5 da F-150.

Paul Susalla, supervisor de manufatura rápida da Ford, explica que utilizando métodos tradicionais um engenheiro, depois de criar o modelo computacional de um coletor de admissão, teria de esperar quatro meses pela produção de um protótipo, ao custo de US$ 500 mil. Com a impressão 3D, a montadora pode imprimir a mesma peça em quatro dias, incluindo múltiplas interações e ferramentais, a um custo de apenas US$ 3 mil.

A Ford avalia agora a impressão em 3D de peças de metal. "Essa tecnologia oferece um imenso retorno para toda a indústria de manufatura", diz Bill Russo, diretor global de engenharia e manufatura de powertrain.

A impressão 3D trabalha com a superposição de finas camadas de plástico, areia ou outro material, juntando-as para criar a peça final tridimensional. A Ford considera que a técnica não é rápida o suficiente para uso na manufatura de alto volume, mas é ideal para peças de teste, ou aplicação em produtos de nicho, que passam por mudanças frequentes de desenvolvimento.

ROLAND: MERCADO QUADRUPLICA EM DEZ ANOS

A Roland Berger assegura que a fabricação de objetos tridimensionais por meio de impressoras 3D estará, em breve, pronta para a produção em série. Segundo a consultoria, em 2012 o mercado mundial da chamada fabricação aditiva chegou a € 1,7 bilhão, dos quais 10% referem-se a estruturas metálicas.

Pesquisa conduzida pela empresa, com o título “Fabricação aditiva – O ponto de mudança para a indústria de transformação?”, indica que as vendas proporcionadas pela nova tecnologia devem quadruplicar nos próximos dez anos, com a redução drástica de custos.

Martin Eisenhut, sócio da Roland Berger, afirma que o uso de impressoras 3D traz grande potencial para a produção de peças metálicas, como bicos injetores, inserções de ferramentas e próteses. O executivo revela que o mercado de impressão em 3D de estruturas metálicas ainda está na fase inicial. “O total de vendas globais de fabricação aditiva representa apenas 1% das vendas no setor de máquinas e ferramentas. No entanto, esse setor vai crescer vigorosamente nos próximos anos”, observa.



Tags: Ford, Roland Berger, impressão 3D, Mustang, Fusion, EcoBoost.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência