Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 06/01/2014 | 16h16

Raízen já ergue usina de etanol de 2ª geração

Nova unidade em Piracicaba vai produzir 40 milhões de litros por ano do biocombustível

REDAÇÃO AB

A Raízen vem construindo em Piracicaba (SP) sua primeira unidade de produção de etanol celulósico no Brasil. A nova usina para etanol de segunda geração tem capacidade para 40 milhões de litros por ano. Com investimento de R$ 230 milhões, as instalações entram em operação no quarto trimestre de 2014.

Parte dos recursos foi obtida com o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O biocombustível de segunda geração é produzido a partir do bagaço, folhas, cascas e outros resíduos da produção de cana-de-açúcar. Com Por ficar ao lado da unidade Costa Pinto, a nova usina terá total com a unidade de primeira geração, reduzindo custos e aproveitando muito do sistema logístico já existente na região.

“A Raízen aposta no etanol celulósico para elevar a sua produtividade, sem aumentar a área cultivada, aproveitando os resíduos da cana”, explica o diretor de bioenergia e tecnologia da Raízen, João Alberto Abreu. “Acreditamos que podemos aumentar em 50% a produção de etanol sem a necessidade de grandes investimentos na lavoura”, completa.

Segundo a companhia, a dinamarquesa Novozymes será a fornecedora exclusiva de enzimas desenvolvidas para a produção do etanol de segunda geração. Elas são responsáveis por converter o material celulósico em açúcar, uma das etapas do processo de fabricação.

Desde 2012, a Raízen, em parceria com a Iogen Corporation, empresa canadense de biotecnologia, mantém uma planta-teste de etanol celulósico na cidade de Ottawa, no Canadá. O objetivo é adquirir experiência para pôr em funcionamento a primeira unidade comercial da Raízen no Brasil. Até o momento, a companhia já enviou mais de mil toneladas de bagaço de cana-de-açúcar para o Canadá.

Uma equipe da Raízen acompanha o desenvolvimento do projeto fora do país. Juntas, Raízen e Iogen Corporation formaram a Iogen Energy, joint venture detentora da tecnologia de produção do etanol de segunda geração.



Tags: Raízen, BNDES, Costa Pinto, Piracicaba, etanol celulósico, segunda geração, João Alberto Abreu.

Comentários

  • Jefferson

    A fabricação de etanol de segunda geração utilizando bagaço de cana-de-açúcar, e residuos fibrosos da planta, utilizando enzimas ja e uma realidade na qual o Brasil esta se aprimorando atraves da Raízen em desenvolver uma usina de etanol de 2° geração.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência