Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 08/01/2014 | 18h03

Brasil poderá exportar 1 milhão de veículos entre 3 e 5 anos

Conclusão é de estudo da KPMG

REDAÇÃO AB

A meta da Anfavea de exportar 1 milhão de veículos por ano a partir de 2017 é plausível. A Pesquisa Global da Indústria Automotiva, realizada pela KPMG International, apontou que a marca será alcançada em entre três e cinco anos. Essa foi a aposta de 43% dos profissionais que participaram do estudo. Já 38% esperam que a indústria nacional atinja o número em seis a nove anos. Apenas 8% dos entrevistados têm visão mais otimista e acreditam que o volume será concretizado em dois anos.

Atingir o volume anual de 1 milhão de veículos exportados é a principal meta de Luiz Moan como presidente da Anfavea, a associação dos fabricantes de veículos. A entidade pediu ao governo federal a criação do Exportar-Auto, programa que ofereceria incentivos para a venda de produtos brasileiros no exterior. Além disso, a política contaria com o empenho das fabricantes de veículos na produção de modelos mais modernos e adequados para competir em outros mercados globais.

A pesquisa da KPMG contou com a participação de 200 executivos de montadoras, fornecedores de componentes, concessionárias, prestadores de serviços financeiros e de mobilidade e empresas de aluguel. Os profissionais atuam na indústria automotiva de 28 países da Europa, Oriente Médio, África, Ásia e Américas.

O estudo indicou que o crescimento do mercado mundial de veículos nos próximos 10 anos será liderado pelos Brics – bloco de países emergentes que incluí Brasil, Rússia, Índia e China. Essa foi a opinião de 85% dos entrevistados. Para 92% dos executivos os consumidores consideram a durabilidade e a eficiência energética como aspectos prioritários no momento de decidir pela compra de determinado modelo. Cerca de 79% dos participantes apontaram ainda que as inovações em segurança também são aspectos importantes para o consumidor.

O levantamento revela que os recursos tecnológicos também têm grande relevância na decisão de compra. Mesmo assim, segundo a pesquisa, os carros com propulsão alternativa, como híbridos e elétricos, ainda não são a preferência do cliente. Os executivos indicam que a área de distribuição pode passar por grandes transformações no futuro. Um pouco mais da metade dos participantes da pesquisa, 53%, apontam que os modelos tradicionais de revendas de automóveis não alcançarão os mesmos resultados. Para 71% dos profissionais, o varejo on-line de veículos terá crescimento expressivo já em 2014.



Tags: exportações, veículos, KPMG.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência