Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 10/01/2014 | 18h50

Caminhões: Volvo e Scania avançam mais

MAN e Mercedes-Benz reduzem dominância de mercado

PEDRO KUTNEY, AB

Volvo e Scania foram as que mais avançaram no mercado brasileiro de caminhões que teve o crescimento de 11% no ano passado aproveitado de maneira bastante desigual. Das 10 marcas mais vendidas, cinco registraram expansão e outras cinco, queda. E só três ganharam market share, o resto perdeu. Na parte de cima do ranking, as duas maiores fabricantes, MAN/VW e Mercedes-Benz, que tradicionalmente dividem em partes similares mais da metade do mercado, tiveram sua dominância reduzida de 54,6% para 51,1% entre 2012 e 2013. Mas os negócios continuaram concentrados em apenas seis marcas, que juntas têm quase 98% das vendas – todas as demais detêm menos de 0,5% cada.

O grande vetor de crescimento em 2013 foi o agronegócio, com safra recorde que catapultou em 34,5% as vendas de caminhões pesados, especialmente para o transporte de grãos. Os negócios tiveram o amparo do financiamento barato do Finame PSI/BNDES, com taxa que era de 4% ao ano até o fim do ano passado. Esse cenário ajudou as duas marca suecas do setor, especialistas no segmento. Com isso, a Scania foi a que mais ganhou participação de mercado, quase cinco pontos porcentuais, fechando o ano com market share de 12,75%, na quinta posição do ranking, e o maior crescimento das vendas entre as grandes, em expressiva alta de 77,8%.

Pelos mesmos motivos, a Volvo teve o segundo melhor desempenho em 2013: ganhou dois pontos de participação de mercado, que subiu para 13,41%, e assim terminou o ano pela primeira vez em sua história no País na terceira posição do ranking, ultrapassando a Ford. Também anotou uma elástica expansão das vendas, que avançaram 30,5% na comparação com 2012.

Com sua ampla linha totalmente renovada, a Mercedes-Benz também aproveitou as oportunidades do mercado em 2013, incluindo o segmento de pesados, e assim se manteve na segunda posição do ranking. Suas vendas cresceram 10%, um pouco abaixo da média geral, mas a marca não conseguiu recuperar participação de mercado, que ficou praticamente estável em 24,68%, e pequeno recuo de 0,23 ponto em relação a 2012.

A Iveco, também com linha completa em todos os segmentos, cresceu absolutamente em linha com a média de mercado, anotando expansão das vendas de quase 11%. Assim não saiu do lugar: continuou na sexta colocação do ranking com participação de 7,44%, estável em relação ao ano anterior.

Para fechar o grupo que terminou 2013 no campo positivo, o maior crescimento porcentual de vendas do ano, de 125%, foi anotado pela Hyundai, com apenas 299 unidades vendidas de um produto, o leve HD fabricado ainda em 2011 pelo Grupo Caoa em Anápolis (GO). Isso mesmo, a Caoa paralisou a produção do caminhão em 2012 porque tinha estoque suficiente nas concessionárias de veículos montados um ano antes, com motorização Euro 3, e assim passou a vender o modelo com desconto nesse período. Isso gerou o avanço relativo expressivo dos emplacamentos da marca, mas sua posição no ranking continua inexpressiva, em décimo lugar, com participação menor de 0,2%.

DESEMPENHO NEGATIVO

Entre as marcas de caminhões que perderam terreno e registraram declínio das vendas em 2013, o maior tombo está no topo do ranking. A líder MAN/VW teve pequena queda de 1,4% nos emplacamentos, mas foi a que mais perdeu participação no ano, com recuo de 3,35 pontos porcentuais, reduzindo para 26,42% seu market share. A marca perdeu vendas em dois de seus mais importantes segmentos, de leves e semipesados, e ainda tem pouca penetração entre os pesados, justamente a fatia que mais cresceu.

Por motivo parecido a Ford não conseguiu aproveitar o crescimento do mercado de caminhões em nenhum dos segmentos que participa. Na média geral anotou recuo de 6,3% nas vendas em 2013 e teve a segunda maior perda de participação, de 2,45 pontos, para 13,21%, o que fez a marca ficar em quarto lugar no ranking, cedendo sua tradicional terceira posição para a Volvo. Assim como a MAN, a falta de participação maior no segmento de pesados puxou o desempenho para baixo – o primeiro extrapesado da Ford só foi lançado no segundo semestre.

Embora com participação ainda pequena, de 0,33%, e apenas dois produtos à venda, a International conseguiu subir da nona posição do ranking em 2012 para a sétima em 2013. Mas as vendas caíram 2,9%.

Mantendo sua oitava posição no ranking, a gaúcha Agrale amargou em 2013 a maior queda porcentual de vendas entre as 10 marcas mais procuradas no País. O tombo foi de 16%. Participando apenas dos segmentos de leves, médios e semipesados com poucos produtos, a marca teve até uma pequena redução de participação, de 0,38% para 0,29%.

A JMC, marca chinesa de caminhões semileves (do fabricante Jiangling) importada para o Brasil pelo Grupo Effa, é a única estrangeira que ainda figura no ranking das 10 primeiras. Em 2013, conseguiu até subir da décima para a nona posição, mas sua participação é extremamente pequena, apenas 0,26%, um pequeno recuo sobre o 0,34% de 2012. Isso porque no ano passado as vendas declinaram 14,7%.

Ranking



Tags: Mercado, ranking, 2013, vendas, participação, caminhões.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência