Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 25/02/2014 | 17h50

Polaris vai ampliar rede de concessionárias

Empresa quer chegar a 30 pontos e vender mil quadriciclos em 2014

MÁRIO CURCIO, AB

Apesar de as perspectivas para 2014 serem de pequena alta ou até retração no mercado automotivo, a Polaris prevê um crescimento acentuado. A empresa quer saltar das 600 unidades entregues no ano passado para mil unidades. Para isso planeja chegar a 30 revendas até o fim do ano.

Em 2010, a Polaris assumiu a operação no Brasil quando expirou o contrato com o distribuidor local, o Grupo Izzo. Hoje traz cerca de 30 modelos de quadriciclos, voltados a lazer ou trabalho. Vão de 50 a 1.000 centímetros cúbicos de cilindrada, com preços entre R$ 9,9 mil e R$ 115 mil. “Nossa operação tem 18 funcionários. Parte fica no escritório em São Paulo e parte em Indaiatuba, onde fica o centro de distribuição de peças e uma oficina-modelo, em que ocorrem os treinamentos” afirma o diretor-geral, Rodrigo Lourenço.

Os veículos vêm dos Estados Unidos e México. Entram pelo Porto de Santos. Pagam 33% de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Chegam dentro de caixas. A produção local já ocorreu em Manaus, quando a Bramont montou 200 unidades em 2010. A Polaris pensa em voltar a produzi-los no Brasil, mas antes quer ampliar a operação.

Todos os modelos são fáceis de pilotar porque têm transmissão automática do tipo CVT, com polias variáveis. Boa parte traz também tração nas quatro rodas e reduzida. A empresa importa quadriciclos convencionais, para uma ou duas pessoas sentadas em tandem (uma atrás da outra), e também os modelos side by side ou UTVs, mais largos, em que os passageiros se sentam como num automóvel.

Alguns são voltados ao uso rural. Há duas versões a diesel, uma para três e outra para seis pessoas. “Temos também modelos elétricos, que os criadores de animais preferem por causa do funcionamento silencioso. Eles são recarregáveis em tomadas de 110 volts”, afirma Rodrigo Lourenço. A garantia é sempre de seis meses. Segundo o executivo, todas os revendedores têm oficina própria, pessoal treinado e estoque de peças. Alguns oferecem implementos agrícolas fabricados por Sassi e Moldemaq. “A Polaris produz itens desse tipo para os quadriciclos, mas o custo ficaria elevado”, afirma o gerente de marketing Paulo Brancaglion.

Quadriciclos não são emplacados e por isso não circulam em vias públicas. O uso é restrito ao lazer ou trabalho.

Entre seus negócios, a Polaris detém a marca Indian e estuda a produção local de suas motocicletas no Brasil (veja aqui).



Tags: Polaris, quadriciclos, Grupo Izzo, Bramont, Rodrigo Lourenço, Paulo Brancaglion.

Comentários

  • Marco Antonio Buzzo

    Gostária de saber por que verdadeiras geringonças que são os triciclos montados por aí tem placas e podem circular já os quadriciclos mais seguros por principio e que podem até substituir um veiculo rural não possuem emplacamento, pecou aí o contram

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência