Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Pirelli investirá R$ 1 bilhão no Brasil até 2018
Presidente da Pirelli na AL, Paolo Dal Pino, apresenta planos de investimento e renovação na fábrica de Campinas ao prefeito da cidade, Jonas Donizette

Indústria | 25/03/2014 | 18h46

Pirelli investirá R$ 1 bilhão no Brasil até 2018

Metade vai para fábrica de Campinas com foco na produção de pneus verdes

SUELI REIS, AB

Pela primeira vez após anunciar em novembro do ano passado seu novo ciclo de investimento global de € 1,6 bilhão para os próximos quatro anos (leia aqui), a Pirelli divulga parte dos detalhes do plano para a subsidiária brasileira: dos 26% do total do aporte que são previstos para a região da América do Sul, o País receberá a totalidade, equivalente a R$ 1 bilhão, entre 2014 e 2018, sendo que metade deste valor será injetada em uma das cinco fábricas que a companhia mantém por aqui, localizada em Campinas (SP), responsável pela produção de pneus para o segmento de veículos leves (automóveis e SUVs).

O aporte contemplará a renovação de máquinas e equipamentos, que tem como foco o aumento da produção de pneus verdes, que têm menor resistência ao rolamento e aumentam a economia de combustível. O plano foi apresentado pelo presidente da empresa na América Latina, Paolo Dal Pino, ao prefeito de Campinas, Jonas Donizette, durante sua visita à fábrica na manhã da terça-feira, 25.

“Queremos realizar um grande plano de inovação de toda a planta para produzir pneus de última geração, que permitam menor consumo de gasolina, redução do impacto no meio ambiente e o aprimoramento da prestação do nosso produto”, disse Dal Pino.

No Brasil, a Pirelli mantém outras quatro unidades produtivas além de Campinas: Santo André e Sumaré (SP), Gravataí (RS) e Feira de Santana (BA). Mas a empresa não detalhou como e quais unidades receberão os outros R$ 500 milhões do programa de investimentos.

A decisão da companhia em aumentar a produção do pneu verde no Brasil foi impulsionada pelo Inovar-Auto, que entre outras determinações, exige a redução de consumo até 2017 para os veículos produzidos no Brasil. O pneu verde é considerado um dos principais instrumentos para que as montadoras atinjam o nível exigido pelo novo regime automotivo. O produto, que leva sílica em substituição ao negro de fumo em sua composição, ajuda a reduzir significativamente o atrito ao rolamento: como consequência, reduz o consumo de combustível e, portanto, a emissão de CO2, sem que isso prejudique a aderência e a segurança.

Inaugurada na década de 1960, a planta de Campinas, que atualmente tem capacidade para produzir 10 milhões de pneus por ano, fabricará os produtos da linha Green Performance, lançada no País em 2011 e que deve expandir seu portfólio com novos tamanhos de pneus para atender os diferentes modelos de veículos das montadoras para as quais a Pirelli já fornece.

CICLO RENOVADO

Antes desse novo aporte, a Pirelli havia investido US$ 300 milhões em suas unidades brasileiras entre 2008 e 2011, para o aumento de produção em 20% de pneus para automóveis e motocicletas, além de aplicações em pesquisa e desenvolvimento e incremento da capacidade produtiva.

Ao fim deste ciclo, a região da América Latina foi contemplada novamente com aporte de US$ 1 bilhão para o período 2012-2015, que incluiu investimento em sua primeira fábrica no México (US$ 300 milhões) e uma nova planta na Argentina (US$ 300 milhões), para a produção de pneus radiais de caminhões.

Atualmente, a América Latina contribui com 35% do faturamento mundial da Pirelli e está previsto crescimento médio anual de 3% dessa contribuição até 2017. O Brasil responde por 90% dos negócios da companhia na região.



Tags: Pirelli, investimento, pneus, pneu verde, Campinas, Paolo Dal Pino.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência