NOTÍCIAS
03/04/2014 | 18h50

Lançamentos

Fiat faz nova tentativa com o Linea

Com design renovado e preço menor, empresa espera elevar vendas em 30%


PEDRO KUTNEY, AB

Linea 2015: leves reestilizações na dianteira e traseira e modificações no painel, que ganhou duas cores e iluminação especial na versão topo de linha.
A Fiat deu uma nova chance para o Linea, seu sedã médio que desde o lançamento, em 2008, vendeu 60 mil unidades, média de 10 mil/ano, bem abaixo de seus maiores concorrentes neste congestionado segmento do mercado brasileiro, que abriga mais de 20 modelos e é liderado atualmente por larga margem pelo Honda Civic. Com leve reestilização do design externo e interno do carro e preço que começa em R$ 55.890 e chega a R$ 66.450 (com câmbio manual e sem opcionais), cerca de R$ 1 mil mais caro que a versão anterior e em torno de R$ 10 mil abaixo da concorrência direta, a Fiat espera aumentar em 30% as vendas do Linea este ano, para perto da média de 10 mil emplacamentos. “Não será nada excepcional, é perfeitamente possível, preparamos um pacote com bom custo-benefício, mais barato até do que alguns sedãs pequenos como o (VW) Polo”, aposta Lélio Ramos, diretor comercial da Fiat. Pode ser, mas o histórico da marca na categoria mostra que vai ser difícil.

Em 2013, a Fiat emplacou 7,5 mil Linea e ficou na sétima posição da sua categoria, a uma considerável distância de 53,5 mil dos 61 mil Civic licenciados – isso apesar de custar cerca de R$ 10 mil a menos do que o líder e estar à venda em 610 concessionárias, contra 130 da Honda. “Temos uma vasta gama em uma só concessionária e o vendedor não pode ficar preso a um só carro. Numa revenda da Toyota ou da Honda tem dois ou três modelos para vender. O problema é de falta de foco no produto”, avalia Ramos. Ele acrescenta ainda que precisa dividir a verba publicitária entre toda a linha e por isso não consegue concentrar esforços no Linea. “Não consigo colocar na mídia tanto quanto gostaria.”

A explicação é boa, mas não convence totalmente quando se compara o fraco desempenho do Linea diante de rivais como Volkswagen Jetta, Chevrolet Cruze e Ford Fusion; todos vendem mais do que o sedã médio da Fiat, apesar de bem mais caros e também distribuídos em concessionárias com grande número de opções. O problema maior parece ser de imagem, com consumidores que não ligam a marca a produtos de preço e sofisticação maiores. Por isso o maior concorrente do Linea é a própria Fiat, a começar pelo Gran Siena, praticamente do mesmo tamanho e R$ 10 mil mais barato (ainda que só disponível com motor 1.6, contra o 1.8 do Linea).

A estratégia de reduzir preço e agregar mais conteúdo do que os competidores do segmento também não funcionou até agora. Segundo levantamento da própria Fiat, desde 2008, quando foi lançado no Brasil, o preço do Linea saiu da faixa de R$ 61 mil e caiu a R$ 54 mil, enquanto os outros principais sedãs médios do mercado avançaram para valores mais próximos de R$ 70 mil. Nem por isso, contudo, o carro da Fiat vendeu mais. Isso sugere que o consumidor dessa categoria valoriza qualidades intangíveis que vão além do preço em si.

ATUALIZAÇÃO

Por fora, o Linea 2015 mudou pouco. Em sua primeira reestilização no Brasil, ganhou grade frontal com desenho mais suave e frisos cromados. Na traseira, a nova tampa do porta-malas (550 litros de capacidade) agora incorpora a placa. Nas laterais a única novidade perceptível são as novas rodas de liga leve de 16 ou 17 polegadas, cujo desenho lembra uma turbina.

Fiat
Diferenças internas: o painel do novo Linea ganhou novo desenho. A versão topo de linha Absolute do Linea 2015 tem revestimento bicolor (esquerda), enquanto na básica Essence o acabamento é comum.

As maiores mudanças foram feitas no interior, que ganhou em sofisticação com novos painel, cluster de instrumentos e tecidos dos bancos. A versão topo de linha Absolute tem revestimento em duas cores, recebeu bancos parcialmente revestidos com couro e iluminação que segue a linha do painel em frente ao passageiro. Esta versão também vem de série com ar-condicionado digital, sistema de som Blue&Me que atende a comando de voz e sensor de estacionamento que integra alerta sonoro e representação gráfica na tela do computador de bordo.

Bastante completo, o Linea Absolute cobra seu preço: R$ 66.450, ou R$ 10,6 mil do que a versão de entrada Essence (R$ 55.850). O câmbio automatizado Dualogic de cinco marchas, disponível para ambas as versões, acrescenta R$ 3,3 mil ao preço. Na configuração básica, é possível agregar opcionais como rodas de liga leve, revestimento especial dos bancos, iluminação do painel, o Blue&Me ou Blue&Me Nav, que integra a navegação digital por GPS, e ar-condionado digital, catapultando o valor para além dos R$ 64 mil. O Absolute pode receber como opcionais airbags laterais e cortina, sensor de chuva e crepuscular, sistema de som de alta fidelidade e o Blue&Me Nav, que integra a navegação digital por GPS. Com tudo isso e a opção de troca automática de marchas o valor ultrapassa os R$ 75 mil.

A mecânica permaneceu a mesma, com algumas atualizações tecnológicas, como na central eletrônica de gerenciamento do motor flex 1.8, que gera 130 cavalos com gasolina ou 132 com etanol, segundo a Fiat. O câmbio automatizado Dualogic também é de última geração, com função de aceleração automática nas saídas (evita o retorno do carro) e trocas de marchas mais suaves.

Somando tudo, o pacote do Linea melhorou, ainda que levemente. Contudo, não parece ser em volume suficiente para atrair mais clientes para um carro médio da Fiat.

Comentários: 7
 

dan
04/04/2014 | 09h34
Be careful if you want to buy Linea !! My Linea - 3 steering boxes damaged in 75000 km !! and many other parts changed. Fiat told me -,, is not our problem,,!!!!!

Aliberto Amaral
04/04/2014 | 09h41
Desculpem,continua caro. Quem tem 66 paus tem mais 10 p comprar o Cívic,numa boa. Ou o novo Corolla.

Hubert Basques
04/04/2014 | 17h10
Tive um Linea Absolute por 4 anos e não tive problemas com ele. O "defeito" é que a Fiat abandona o carro à própria sorte e não cultiva o mercado, daí a má fama no seguimento. Bons produtos como Marea e Linea (cada qual em seu tempo) não emplacaram devido ao abandono. Hoje tenho um Bravo e sinto que a marca tem feito o mesmo.

Santos
04/04/2014 | 19h23
O novo Linea custa quase 70 mil e tem o painel igual do Punto. Deveria ser algo mais sofisticado para o segmento. Além de ser muito feio o design externo. Não tem como concorrer com Jetta, Cruze, Focus, Civic, Corolla. Acho que o Jac J5 deve vender mais!!!

Antonio Dias Filho
06/04/2014 | 11h59
1- Porque comprar um carro novo de cara velha? 2- O cambio que o mercado quer é automático autêntico de 6 velocidades e não, dual logic ultrapassado. 3 - O mercado quer inovações, não está pedindo carro mais barato R$ 10.000,00 4- O Ford Fusion é muito mais caro mas vende, porque será? SR. Lélio Ramos vergonhosamente a Fiat está em ultimo lugar neste segmento, por falta de empenho, por falta de pesquisa, por falta de ousadia, por comodismo de ser lider de mercado, este segmento é um dos mais lucrativos. O novo Linea 2015 está mais ultrapassado do que nunca, frente mais feia traseira ficou pior, exija de seu depto de design um trabalho mais arrojado , faça pesquisa, exija de seu depto de produto mais ousadia. O objetivo de mercado não será atingido, não precisa ser especialista do mercado para ver que tudo está errado.

Gian
07/04/2014 | 07h32
Antonio Dias Filho ... Amén !!! ... nada mais precisa ser dito, ele esclareceu com clareza a FIAT (que a muito tempo é conhecida como Fui Iludido Agora e Tarde).

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 15/11/2017
Mudança na mobilidade domina discussões do Congresso SAE Brasil

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro