Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 28/04/2014 | 18h54

Inovar-Auto sozinho não será suficiente

Consultores alertam: programa por si só não tornará indústria mais competitiva

FERNANDO NEVES, PARA AB

A indústria automobilística brasileira precisa se preparar para enfrentar a competição mundial e o Inovar-Auto não é suficiente. O alerta é de David Wong, diretor da AT Kearney, durante o V Fórum da Indústria Automobilística, realizado por Automotive Business na segunda-feira, 28, no Golden Hall do WTC, em São Paulo. Wong, Paulo Cardamone, managing director da IHS Automotive; e Stephan Keese, diretor da Roland Berger, compuseram o painel “Opinião dos Consultores: a Caminho do Inovar Auto 2”.

O diretor da AT Kearney diz que o programa sozinho não é suficiente para desenvolver a indústria e que não há política industrial, fiscal, econômica, energética e de formação de mão de obra. “Falta política industrial e o ambiente atual no Brasil não é favorável aos negócios. Hoje o jogo é outro, não é mais para quem produz 2 milhões de veículos ao ano. O Brasil precisa estar preparado para enfrentar a concorrência no patamar de 5 milhões a 6 milhões de veículos”, afirma.

Para o consultor, o setor e o governo não devem perder a meta de tornar as linhas de produção brasileiras capazes de exportar.

Cardamone observa que no Inovar-Auto só há certeza da data para elevação da eficiência energética dos veículos: 2017. “Não fez, pagará multa”, recorda, esclarecendo que essa medida não irá tornar o veículo brasileiro competitivo porque ainda existem as questões relativas ao custo Brasil, como carga tributária, preço de matéria-prima e mão de obra.

Keese critica o regime automotivo porque foi desenvolvido isolando o mercado brasileiro sem inseri-lo no contexto mundial. “Com o Inovar-Auto o governo tratou o Brasil como uma ilha em um mundo global”, pondera. Para Keese, a atual capacidade instalada da indústria é insuficiente para criar uma cadeia de valor que possa fazer o setor viver de modo independente do mercado mundial. Além do mais, destaca o fato de que o mercado doméstico em 2014 está em ritmo mais lento.

O diretor da Roland Berger explica, porém, que uma provável queda no consumo interno de veículos não é motivo para pânico. No entanto, ele adverte que a indústria nacional não é pizza que se pode comer só uma parte. “É preciso utilizá-la plenamente para ser sustentável e uma das saídas é aumentar o nível de exportação.”

Assista às entrevistas exclusivas da Automotive Business durante o V Fórum da Indústria Automobilística aqui .



Tags: Inovar-Auto, competitividade, David Wong, Paulo Cardamone, Stephan Keese.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência