Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 22/05/2014 | 20h46

Carro ineficiente pode pagar mais de R$ 8 mil

Multa será aplicada por veículo abaixo da meta de consumo do Inovar-Auto

PEDRO KUTNEY, AB

Multas pesadas que podem passar de R$ 8 mil por unidade vendida. Esta é sem dúvida a maior motivação que as montadoras têm para atingir a meta estipulada pelo Inovar-Auto de melhorar em, no mínimo, 12% a eficiência energética dos veículos vendidos no Brasil até 2017. Em contrapartida, quem superar o objetivo e reduzir o consumo a partir de 15% e a partir de 18,8%, pode ganhar desconto extra de IPI de um ou dois pontos porcentuais, respectivamente. Em um modelo 1.0 de R$ 30 mil, isso pode significar ganho de R$ 300 a R$ 600 por unidade.

Esses cálculos de perdas e ganhos foram feitos pela Bosch e têm sido apresentados aos clientes, os fabricantes de veículos, como instrumento de convencimento para vender componentes e sistemas capazes de atingir e superar as metas de eficiência do Inovar-Auto. “Os objetivos são bastante apertados, mas já existe tecnologia desenvolvida para atingí-los e as montadoras sabem que vão precisar adaptar seus produtos rapidamente para não perder dinheiro, pois dois anos é muito pouco para desenvolver qualquer solução nova, é preciso usar o que já está à mão”, diz Jair Pasquini, diretor de engenharia da Robert Bosch. Ele apresentou na semana passada estudo da companhia sobre o tema durante o seminário “Inovação na Indústria Automotiva”, realizado em São Paulo pelo Comitê de Inovação da Câmara de Indústria e Comércio Brasil-Alemanha (AHK).

A Bosch fez um levantamento das regras do Inovar-Auto e desenvolveu uma ferramenta para medir a distância dos produtos de cada montadora das metas do Inovar-Auto e propor as soluções ao custo mais adequado para cada situação. Segundo o estudo, a defasagem da frota produzida hoje no Brasil começa em 9% acima da meta mínima do regime automotivo, mas nos veículos maiores, com peso acima de 2 toneladas, chega a superar 32%. “Para quem está mais próximo da meta, muitas vezes a simples melhoria de eficiência dos motores atuais já é suficiente para enquadrar na regra, mas para aqueles muito fora da média será necessário investir mais e incorporar um pacote de soluções, como GDI (injeção direta de gasolina/etanol), turbocompressor e Start-Stop (que desliga o motor quando o carro para e religa assim que o motorista tira o pé do freio)”, explica Pasquini.

MULTA PARA CADA PONTO FORA DA META

De acordo com a regulamentação do Inovar-Auto, publicada no ano passado, cada veículo vendido que não atingir a meta mínima de 12% de redução média de consumo até 2017, vai em 2018 a pagar multa que começa em R$ 50 pelo primeiro 0,01 megajoule (MJ) por quilômetro excedido, mais R$ 90 pelo segundo 0,01 MJ/km, mais R$ 270 pelo terceiro 0,01 MJ/km e R$ 360 do quarto 0,01 MJ/km em diante. Além disso, a montadora infratora terá de devolver 10 pontos porcentuais (dentro dos 30 possíveis) dos créditos de IPI que obteve durante a vigência do Inovar-Auto, de 2013 a 2017, por atender a outros tópicos do programa, como volume de compras de componentes nacionais, processos de manufatura local e investimentos em pesquisa, desenvolvimento e engenharia.

Na prática, levando em conta só a multa por unidade vendida e a média fora da meta mínima de eficiência hoje, que é de 0,25 MJ/km, cada carro pagaria R$ 8.330. Em outro exemplo extremo, caso o modelo consuma 0,35 MJ/km além do limite legal em 2017, vai pagar R$ 11.930 por unidade vendida.

Em sua apresentação Pasquini mostrou um exemplo prático de um carro atualmente no mercado, que é tributado com alíquota de 11% de IPI, equipado com um motor flex 1.6 16V de quatro cilindros e 105 cavalos, que pesa 1.128 kg e tem consumo médio de 2 MJ/km – portanto, 0,18 MJ/km acima da meta de 1,82 MJ/km estabelecida pelo Inovar-Auto. Se continuar assim até 2016, este modelo pagará multa de R$ 5.810. Se a montadora vender 130 mil unidades dele no ano, pagaria penalidade de R$ 755,3 milhões.

Com tamanha penalidade, é certo que o veículo do exemplo terá de passar obrigatoriamente por uma série de melhorias, incluindo downsizing, para não ser multado. Pasquini inverteu o cálculo para um modelo que supere a meta. No mesmo carro de sua simulação, de 1.128 kg, ele introduziu motor flex 1.0 12V de três cilindros e comando de válvula variável, que passaria a ter 125 cavalos com uso de turbocompressor e injeção direta de combustível. Também seria adicionado o sistema Start-Stop. Somando todas as soluções empregadas, o consumo cairia a 1,68 MJ/km. Com isso, a tributação de IPI, que já baixaria para 7% só pelo uso do motor de 1 litro, pela superação da meta do Inovar-Auto seria reduzida em mais 2 pontos porcentuais, para 5%. Em um carro de R$ 40 mil, isso significaria ganho de R$ 2,4 mil por unidade – que pode ou não ser repassado ao consumidor.

Para chegar a esse resultado positivo, no entanto, as montadoras vão precisar investir bastante, devido à grande defasagem de todas elas em relação à meta proposta. Apenas para atender à redução de consumo mínima de 12% exigida pela legislação, a consultoria IHS Automotive calcula que os fabricantes instalados no Brasil terão de gastar em torno de US$ 4 bilhões até 2016.

O arsenal de soluções usado para atender a meta de eficiência e superá-la deverá ser aplicado de acordo com a defasagem da montadora para adequar seu portfólio à legislação de redução de consumo. Em seu estudo a Bosch listou pelo menos sete tecnologias já disponíveis e a contribuição de cada uma delas: o Start-Stop pode reduzir o consumo em 3% segundo teste misto urbano/estrada (mas pode chegar 20% em teste realizado pela própria Bosch no anda-e-para de uma cidade como São Paulo); outro 1,5% pode ser conseguido com uso de sistema inteligente de gerenciamento de energia; mais 1,8% com controlador de demanda de combustível; a direção elétrica economiza 2%; pneus de baixa resistência ao rolamento outros 2%; redução de atrito do motor pode trazer ganho de 2%; e a injeção direta de combustível depende do motor em que é aplicada, mas pode chegar a 5% de economia.



Tags: Eficiência energética, multa, Inovar-Auto, inovação, meta, Bosch, AHK, Câmara Brasil-Alemanha.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência