Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Mini chega à sua terceira geração
As mudanças na aparência são pequenas, mas a carroceria está quase 10 cm maior (foto: Mário Curcio)

Lançamentos | 04/06/2014 | 02h26

Mini chega à sua terceira geração

Carrinho parte de R$ 89.950 e tem mais espaço interno e no porta-malas

MÁRIO CURCIO, AB

Apenas dois meses após o lançamento na Europa, a rede brasileira de concessionárias começa a receber a terceira geração do Mini. Neste primeiro momento ele está à venda em três versões: Mini Cooper, com motor 1.5 de 136 cv de potência e preço sugerido de R$ 89.950; Cooper S, com um 2.0 de 192 cv e preço sugerido de R$ 107.950; e Cooper S Top, com essa mesma motorização, mas tabela de R$ 124.950.

O valor mais elevado se explica por itens como o Drive Assistance, capaz de monitorar o tráfego à frente, atuando inclusive nos freios para evitar colisões. Vem também com sistema de navegação, teto solar e head-up display, que projeta no para-brisa a velocidade e outras informações importantes.

As primeiras opções da nova carroceria são todas do hatch de três portas. “De todos os carros que venderemos em 2014, 70,2% serão do Cooper S”, afirma a diretora da Mini, Nina Dragone. Somadas todas as carrocerias e versões, a expectativa é vender 2,8 mil unidades este ano (leia aqui).

Os novos carros à venda têm injeção direta de gasolina e incorporam tecnologias BMW como o Double Vanos (que controla a abertura das válvulas de admissão e escape), o Valvetronic (que varia o tempo e curso de abertura das válvulas e substitui o corpo de borboletas) e o Twin Power Turbo, turboalimentador com coletor duplo, que resulta em respostas rápidas do motor até mesmo em rotações baixas.

O câmbio para todos é automático de seis marchas, com aletas para troca de marcha atrás do volante e controle eletrônico de largada no caso do Cooper S Top. “Entre agosto e setembro chegará a opção Exclusive do Cooper S, com preço sugerido de R$ 113.950”, diz Nina. Este também terá as aletas para troca de marcha e controle de largada.

Em novembro chegará a versão mais simples, Mini One, com motor 1.2 turbo de 102 cv e câmbio manual de seis marchas. O preço ainda não foi definido. A versão de entrada detém menos de 7% das vendas totais.

APARÊNCIA SEMELHANTE, PROJETO DIFERENTE

Mini chega à terceira geração
Desenho traseiro também mudou pouco, mas resultou em porta-malas com 51 litros a mais do que antes. No novo painel, velocímetro passou para a coluna de direção (fotos: Mário Curcio e divulgação).

É preciso pôr a segunda e a terceira gerações lado a lado para perceber as sutis diferenças de grade, para-choques, rodas, faróis e lanternas existentes entre elas. Mas as mudanças não foram apenas um retoque na aparência. A carroceria mede agora 3,82 metros, está quase 10 centímetros maior. A distância entre eixos aumentou em 2,8 cm. O Mini também ficou mais largo em 2,6 cm. A altura, porém, aumentou menos de 1 cm.

As novas medidas resultaram em aumento do conforto interno. Outro ganho importante foi na capacidade do porta-malas, que passou de 160 para 211 litros. O tanque de gasolina comporta agora 44 litros, 10% a mais. Apesar das dimensões maiores, a Mini conseguiu redução de cinco a dez quilos no peso total do modelo, conforme a versão.

No interior, algumas diferenças importantes estão no velocímetro, agora na coluna de direção, no ar-condicionado com duas zonas distintas de temperatura e em novos bancos.

BONS DE GUIAR COMO SEMPRE

Durante a apresentação dos novos Mini, Automotive Business dirigiu as versões Cooper e Cooper S em um autódromo no interior paulista. Mais potente (192 cv) e com aletas para troca de marcha no volante, a segunda opção deixa claro por que é disparado a mais vendida.

Responde rápido ao acelerador até mesmo em saídas de curva com subida. Quem tiver a paciência de esperar até setembro poderá economizar R$ 11 mil na opção Exclusive do Cooper S, que entrega o mesmo motor e câmbio com trocas no volante.

Embora menos potente, a versão Cooper (136 cv) até que é divertida, especialmente porque a estabilidade é uma característica marcante dos Mini. A boa distribuição de peso, os pneus largos e pouca inclinação da carroceria fazem com que esses carrinhos andem grudados no asfalto.

E tanto o Cooper como o Cooper S trazem agora suspensão adaptativa, com funções normal e esportiva. Nessa segunda opção o curso dos amortecedores diminui e a rigidez aumenta, o que permite entrar andar mais forte e com mais segurança em curvas.



Tags: Mini, Cooper, Cooper S, Nina Barone, Mini One, head-up display, drive assistance, BMW, Double Vanos, Valvetronic, Twin Power Turbo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência