NOTÍCIAS
06/06/2014 | 19h30

Powertrain

Novo Ford Ka é o mais potente e econômico

Hatch de 85 cavalos ganhou nota A do Inmetro nas versões com ar-condicionado


CAMILA FRANCO, AB

Pelo que os números já indicam, a Ford acertou a mão na concepção do propulsor do novo Ka, que será lançado só no início do segundo semestre. Além de se consagrar como o três cilindros mais potente do mercado (tem 85 cavalos de potência abastecido a etanol e 80 com gasolina), o motor acaba de ser apontado pelo Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular do Inmetro o mais econômico dentre os veículos compactos equipados com ar-condicionado, sendo classificado com nota A, a máxima.

No comparativo com veículos dos demais segmentos, o motor da Ford também leva a melhor: só não é mais econômico do que o modelo que equipa o Renault Clio. Mas vale ressaltar que este foi avaliado pelo Inmetro sem o ar-condicionado. Outro ponto a levantar é que, enquanto o motor da Ford já foi homologado pelo Proncove L6 (legislação de controle de emissões de poluentes mais atual), o da Renault foi baseado na Proncove L5 e precisará ser homologado novamente em breve.

Segundo o Inmetro, o consumo médio do compacto da Ford (nas versões SE e SL, com ar-condicionado) na cidade é de 8,9 km/l abastecido a etanol e de 13 km/l a gasolina. Na estrada, o modelo faz em média 10,4 km/l com etanol e 15,1 km/l com gasolina.

Em MJ/km, unidade usada pelo Inovar-Auto para medir a eficiência energética dos veículos, a média de consumo do novo Ka é de 1,56 MJ/km. O resultado supera com folga a meta média exigida pelo novo regime automotivo para 2017, de 1,76 MJ/km. Isso significa que, considerando apenas o Ka, a Ford não só atende ao programa, como também poderá abater dois pontos porcentuais extras de IPI, por ultrapassar o objetivo previsto. Em valores, para cada carro de cerca de R$ 30 mil, cada ponto reduzido deixam de ser cobrados R$ 300 de IPI. Sendo assim, a Ford economizaria R$ 600 de imposto por cada Ka entregue.

TECNOLOGIAS

Segundo Volker Heumann, gerente de motores da Ford, a combinação de tecnologias levou o novo propulsor a chegar a estes resultados. Uma delas está no bloco de ferro-grafite desenvolvido pela Tupy, que apesar de ser 10 quilos mais pesado do que o bloco de alumínio do Volkswagen Up!, tem paredes finas e resistentes. O engenheiro explica que o ferro retém mais calor e, assim, proporciona melhor eficiência térmica. Outro diferencial está no sistema de partida a frio, que diminui o consumo. (Leia mais detalhes sobre o motor aqui.)

Mas as inovações não se restringiram ao motor para conseguir o baixo consumo do veículo. Klaus Mello, gerente de engenharia de veículos da Ford, diz que também houve preocupação com outros aspectos. “Foi incluída direção elétrica para as versões SE e SL, o câmbio tem escalonamento amplo, os pneus (Cinturato da Pirelli) são de baixa resistência (ao rolamento), o ar-condicionado e o alternador têm alta eficiência, e o desenho aerodinâmico do veículo (com coeficiente de arrasto de 0,34) colabora para eficiência energética.”

Por enquanto, a Ford submeteu apenas as versões do hatch com ar-condicionado ao programa voluntário do Inmetro. A montadora ainda faz mistério de quando vai lançar oficialmente o veículo no País. O lançamento é esperado para agosto. O Ka sedã deve estrear no Salão do Automóvel, em outubro.

Confira o desempenho do motor do Novo Ka e de concorrentes:

Ranking

Comentários: 3
 

Paulo Franca
07/06/2014 | 01h16
Que venha o Novo Ka. Mas, que não demore mais!

Gian
09/06/2014 | 08h50
A empolgação para que esse belo trabalho chegue rapidamente às lojas é grande , mas será brochante se acontecer o mesmo que o Up! , o preço irreal comparado ao veículo proposto !!! ... Espero que nesse ponto ele possa nós surpreender também !!!!

Jorge Pimentel de Morais
09/06/2014 | 11h42
Senhores. Parabéns pela matéria. Além da informação "normal" É MUITO IMPORTANTE RESSALTAR OS NOVOS INDICADORES DE EFICIÊNCIA, os quais SERIA MUITO DESEJÁVEL que os consumidores OS CONSIDEREM COMO ITEM DE DECISÃO DE COMPRA: MEGA JOULES POR QUILÔMETRO!

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 18/10/2017
Medidas simples e novos estudos ajudam na redução de emissões de CO2

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement
AUTOINFORME | 19/10/2017
Hyundai produz em Ulsan 1,5 milhão de carros por ano
DE CARRO POR AÍ | 13/10/2017
Com Jumpy, marca avança em novo território
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
INOVAÇÃO | 15/08/2017
Indústria automotiva precisa abrir os olhos para novas formas de trabalhar
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes