Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Segurança | 26/06/2014 | 16h55

CEO da Takata pede desculpas por recalls

Fabricante japonês de airbags pode ter prejuízo de US$ 500 milhões este ano

REDAÇÃO AB

O CEO da Takata, Shigehisa Takada, pediu desculpas na quinta-feira, 26, aos acionistas da empresa pela série de recalls que o fabricante japonês de airbags tem se envolvido. Mais de 10,5 milhões de veículos de diversas marcas já foram convocados (leia aqui), dentre eles modelos Honda e Toyota no Brasil (leia aqui e aqui), por possível falha de acionamento do equipamento e risco de incêndio. Outros 33 mil Chevrolet Cruze, também equipados com airbags Takata, estão sendo investigados nos Estados Unidos e Canadá (leia aqui).

Durante reunião com os investidores, à qual a imprensa não teve acesso, Takada disse que ainda estão sendo calculadas as despesas geradas pelos recalls, conforme informou fonte ao site Automotive News. Especula-se que o fabricante japonês tenha prejuízo de US$ 500 milhões este ano. Pelo menos duas mortes foram relatadas entre os 10,5 milhões de veículos com defeito, nesta convocação que já é considerada uma das cinco maiores da história da indústria automotiva mundial.

Segundo fontes bancárias ouvidas pela Automotive News, os acionistas ainda não estão extremamente preocupados com a saúde financeira da Takata, que tem cerca de US$ 1 bilhão em caixa, mas estão acompanhando de perto as reações da empresa. As ações da empresa japonesa caíram quase 30% desde o início do ano, em comparação com uma queda de 6% em média do índice Nikkei da Bolsa de Tóquio. A Takata esperava lucro de US$ 157 milhões para o ano fiscal até março de 2015.



Tags: Takata, airbag, recall, investidores, Shigehisa Takada.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência