NOTÍCIAS
17/07/2014 | 19h15

Lançamentos

Muda tudo no Troller T4 e preço sobe

Fora-de-estrada cearense agora custa R$ 110.990 com motor de 200 cv


PEDRO KUTNEY, AB | De Cumbucu (CE)

Após 75 mil horas de desenvolvimento, 1,7 mil novos itens e 200 mil horas de testes nos mais variados pisos, a engenharia da Ford mudou tudo no Troller T4, não sobrou um parafuso sequer do modelo antigo, que começou a ser fabricado em Horizonte (CE) no início dos anos 2000 – antes, portanto, de a Ford comprar a operação, em 2007. Na sua primeira grande remodelação, o design foi refeito e o jipinho ganhou novos chassis, motor, câmbio e cabine, com dimensões um pouco mais amplas e maior conforto que a anterior. Mas a modernidade cobra preço alto no caso do T4, que saltou de já salgados R$ 96.844 para R$ 110.990, em versão única de acabamento, conforme já havia sido antecipado pela própria Ford (leia aqui).

Apesar do crescimento de R$ 14 mil no preço, a expectativa da Troller é de dobrar as vendas para cerca de 3 mil unidades/ano nas 20 concessionárias da marca, que começam a receber o novo T4 em agosto. A aposta é que o cliente é um perdulário atávico fanático por esse tipo de carro, que pode ter o jipinho como um terceiro carro. Pesquisas internas da marca demonstram que 48% dos compradores atualmente já têm ou tiveram um Troller e, em média, ainda gastam 15% do valor de compra para equipar o veículo com itens como quebra-mato, guincho elétrico, pneus de lama etc. Justamente por isso já foi criado com o novo T4 um pacote de acessórios homologados, que não afetam a garantia de três anos. No total, o comprador pode gastar ao redor de R$ 12 mil extras com esses equipamentos, ou R$ 17 mil se for incluído o guincho.

“Quanto mais de nicho for o carro, menos ele é afetado pela variação de preço”, confia Wilson Vasconcellos Filho, gerente de vendas, marketing e serviços da Troller. “O que precisamos vender ao cliente é que o T4 não ficou assim tão mais caro quando se mostra toda a evolução dele. O design é outro, a cabine está mais confortável para quem viaja nos bancos da frente, ganhou ar-condicionado dual zone, tem rodas de 17 polegadas e é um carro diesel com motor de 200 cavalos”, argumenta. O executivo também lembra que não há concorrentes para o Troller no mercado brasileiro. “O segmento é nosso, não temos competidor direto porque nosso produto é muito mais off-road”, afirma.

CARRO NOVO, HÁBITO VELHO



Troller
O novo painel do Troller T4 comuniza elementos da Ranger, como o visor de instrumentos, sistema de som e ar-condicionado dual zone. Em cima do porta-luvas é possível destacar a parte plástica para instalar instrumentos de navegação off-road. A seleção de tração 4x2 ou 4x4 é feita por comando eletrônico no console.

O T4 cresceu por todos os lados, no comprimento, largura, altura e entre-eixos. Por dentro continua sem grandes luxos, mas ficou mais habitável com bancos de couro sintético e novo painel. Ele também ganhou ar-condicionado eletrônico dual zone, sistema de som e visor de instrumentos comunizados da picape Ford Ranger, assim como volante e alavancas de seta e limpador de vidros – uma maneira de contornar a baixa escala de produção para alguns componentes.

Apesar de ser um projeto genuinamente brasileiro, nunca um Troller teve tantos componentes importados (seguindo a tendência de todos os demais carros feitos no Brasil). Embaixo do capô agora está o mesmo motor da Ranger, feito na Ford Argentina, um potente turbodiesel 3.2 de cinco cilindros, 200 cavalos e torque de 400 Nm – que substitui o MWM 3.2 de 165 cv. O câmbio manual também é o mesmo de seis marchas da Ranger, feito pela Getrag Jiangxi Transmission, da China, empresa de transmissões de origem alemã controlada pela Ford. Existem três opções de tração, comutadas eletronicamente por um botão no console: 4x2 traseira, 4x4 normal e 4x4 reduzida (esta para terrenos muito irregulares ou submersos na água).

Na prática, o Troller subiu de nível, mas o anterior era tão baixo que essa evolução, embora notável, não chega a transformar o T4 em um carro urbano de luxo, como sugere seu preço. Para rodar no asfalto, ele está mais confortável, mas não deixou de ser desconfortável, com direção imprecisa (devido ao eixo rígido na suspensão dianteira, própria para o off-road), assento pouco ergonômico, posição de dirigir apertada, alto ruído interno (que já foi bem maior no modelo antigo), acabamentos toscos e câmbio ríspido. Acomoda bem só duas pessoas, pois quem vai atrás precisa fazer contorcionismos para entrar e sair (e o ficar também não é lá essas coisas).

Fica em questão também a segurança de um carro com cabine de fibra de vidro com estrutura tubular, que sequer tem airbags frontais (a legislação permite isso para modelos off-road) nem cintos com pré-tencionador. Equipado com motor de 200 cavalos que leva o carro facilmente a 160 km/h (velocidade limitada eletronicamente), tudo pode ficar mais perigoso.

Fora da estrada, contudo, o Troller T4 reina absoluto. É inegável sua capacidade de escalar rampas de 45 graus, atravessar atoleiros intransponíveis para a maioria dos veículos e passar por rios com água batendo no retrovisor externo. Por isso o piso da cabine é todo emborrachado e lavável, assim como existe espaço no painel para afixar instrumentos de navegação off-road.

Na dianteira, pode-se instalar para-choque de aço, ou retirar as ponteiras plásticas para aumentar o ângulo de ataque. Ali também existe espaço para instalação de guincho elétrico de 8 mil libras. O carro sai calçado de fábrica com pneus 255 Pirelli Scorpio, mas o cliente pode optar pelos lameiros homologados pela Troller BF Goodrich Mud ou All-Terrain.

“O T4 é sinônimo de off-road e mexer em um produto que gera paixão em seus clientes é sempre muito complicado. O desenho precisava continuar a passar a imagem bruta de um fora-de-estrada, não podia perder essa conexão com a Troller”, diz João Marcos Ramos, diretor do centro de design da Ford América do Sul, onde o novo T4 foi redesenhado. “É um carro que não pode entregar só beleza, mas precisa também mostrar seus atributos”, explica. Ou seja, o carro é completamente novo, mas manteve seus velhos hábitos rústicos intocados.

Troller

Comentários: 1
 

Milton Pinto
18/07/2014 | 08h41
Já vi que o editor não manja muito de off road.. pra começar não é um "jipinho".. Jimny sim é "jipinho".. troller é troller.. segundo, esse troller ficou com cara de executivo e não de jipeiro.. o famoso jipe de "shopis" que leva pretinho no pneu todo fim de semana. Vamos ver nas vendas e na prática o resultado dessa maquiagem. Por ultimo, aumentar 14 mil pra perfumaria é sacanagem!!

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:


QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 13/12/2017
Requisitos de segurança têm de se adequar à realidade local de mercado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
DE CARRO POR AÍ | 15/12/2017
Governo oferece incentivo para instalação de fábrica em Itumbiara
QUALIDADE | 01/12/2017
Envolver e motivar colaboradores é essencial para gerar bons resultados
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
AUTOINFORME | 15/12/2017
Coreia constrói ambiente urbano planejado e inteligente
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018