Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
GM: Campo de Provas da Cruz Alta faz 40 anos
Cruz Alta era o nome da fazenda que havia ali (fotos: Mário Curcio)

Engenharia | 13/08/2014 | 21h50

GM: Campo de Provas da Cruz Alta faz 40 anos

Local consome US$ 10 milhões por ano em manutenção e atualizações

MÁRIO CURCIO, AB | De Indaiatuba (SP)

Há 40 anos a General Motors inaugurava em Indaiatuba (SP) o Campo de Provas da Cruz Alta, hoje um complexo com 16 pistas de testes totalizando 42 quilômetros. A área total do terreno, uma fazenda adquirida em 1972, é de 2.785 hectares, equivalentes a 160 mil campos de futebol. A comemoração ocorreu um dia antes de a CEO mundial da companhia anunciar investimento de R$ 6,5 bilhões para o Brasil (veja aqui).

A GM começou a tirar proveito de sua aquisição antes mesmo de estourar o champanhe: “O primeiro carro testado aqui foi o Chevette, lançado em 1973. Ele rodava na pista de durabilidade acelerada, uma longa reta ainda de terra batida”, afirma o diretor de performance, segurança e operação do campo de provas e laboratórios, Luciano Santos.

Hoje, a estrutura desenvolve modelos não apenas para o mercado interno como também para venda e produção em países vizinhos e de outros mercados distantes. “A S10 produzida na Tailândia, a Spin fabricada na Indonésia e o Cobalt feito no Usbequistão foram desenvolvidos aqui”, recorda Santos. “Atualmente, a GM gasta por ano cerca de US$ 10 milhões para manter o campo e atualizar os equipamentos.”

Além das pistas, cinco laboratórios analisam emissões, durabilidade, segurança, ruído, vibrações, itens elétricos e eletrônicos e desenvolvem sistemas de refrigeração, ventilação e aquecimento. Um destaque do campo é a chamada “reta infinita”, na verdade uma grande pista circular com 4,3 quilômetros inaugurada em 1990.

As instalações também fazem testes de impacto frontais, laterais, traseiros e ensaios com capotagem. Uma família de dummies sentada à espera do próximo teste forma uma imagem triste, apesar das roupas coloridas. “Um destes pode chegar a US$ 500 mil. Os menores simulam crianças de um ano e meio, três e seis anos”, afirma o gerente do laboratório, Daniel Rishter. Os testes também incluem a utilização de um robô semelhante ao usado em linhas de montagem, mas em vez fazer pontos de solda ele bate na carroceria em diferentes áreas com esferas ou cabeças, simulando o impacto de pedestres contra a carroceria ou de passageiros dentro do carro.

Durante a visita, a GM realizou o crash test de um Cruze sedã a 56 km/h conta uma barreira, simulando colisão frontal em 40% da dianteira, situação semelhante à que ocorre em ultrapassagens em pistas simples de mão dupla.
GM:
Robô simula impactos das cabeças dos pedestres na carroceria. Família de dummies inclui crianças de diferentes idades. Cruze realiza impacto em 40% da dianteira.

ERA UMA VEZ UMA FAZENDA

Quando comprada em 1972, a propriedade se chamava Fazenda da Cruz Alta. Ali havia cultivo de café, milho, laranja, algodão, plantio de feijão e criação de gado. Com o dinheiro da venda, o antigo proprietário teria construído um condomínio com o nome Cruz Alta. E a torre na entrada do campo de provas foi feita em forma de cruz.

“A escolha do local ocorreu por condições climáticas, já que Indaiatuba tem temperaturas elevadas e pouca chuva. A relativa proximidade com São Caetano do Sul (cerca de 120 km) também ajudou (...) Antes os testes eram feitos basicamente em trechos do litoral paulista e nas redondezas de São Paulo, São Mateus”, recorda Santos. No campo, para evitar espionagem, especialmente da imprensa especializada, uma equipe faz rondas 24 horas por dia e os carros utilizam camuflagens.

Em 24 de maio de 2005, um tornado passou por Indaiatuba e danificou boa parte das instalações do campo: “Ele destruiu telhados e molhou equipamentos dos laboratórios de segurança veicular, estrutural, ruído e vibração. Estávamos fazendo a certificação da última geração do Vectra. O mais marcante foi o empenho da equipe para fazer tudo voltar a funcionar e terminar a certificação do carro, lançado naquele ano”, diz o gerente do campo de provas.
GM:
Carros cobertos ou disfarçados como este Agile fazem parte da paisagem. A S10 com caçamba para trabalho pesado está em desenvolvimento para a Tailândia. Ilustrações mostram estudo do ruído que passa do cofre do motor para a cabine pela coluna de direção. Câmara semianecoica com dinamômetro faz análises até de veículos 4x4.



Tags: Luciano Santos, crash test, Cruz Alta, Indaiatuba, laboratórios, Chevette, Tailândia, S10, Spin, Cobalt, durabilidade, segurança, ruído, vibrações.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência