Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Negócios | 18/08/2014 | 15h30

Geração Y traz desafios e oportunidades para a indústria automotiva

Novos consumidores têm menos interesse na compra do automóvel

GIOVANNA RIATO, AB

A indústria automotiva tem como um de seus desafios nos próximos anos agradar e atrair o novo consumidor, que hoje tem entre 20 e 37 anos e integra a geração Y. Esse grupo reúne dois bilhões de pessoas no mundo, cerca de 60 milhões delas no Brasil, o correspondente a 29% da população. Os dados foram apresentados durante o Workshop Planejamento 2015, realizado por Automotive Business na segunda-feira, 18, no Hotel Hyatt, em São Paulo.

Maurício Muramoto, diretor da Deloitte, enfatizou que a nova geração de consumidores está muito mais interessada em compartilhar do que em ter certos produtos. “A propriedade já não é mais tão importante”, avalia. O especialista citou como exemplo desse novo perfil sites como Couchsurfing, em que pessoas buscam hospedagem na casa de outras em várias cidades do mundo, sem a obrigação de fazer qualquer pagamento por isso. “É uma forma diferente de pensar, conhecer pessoas e fazer contatos.”

Ao mesmo tempo em que busca atender a geração Y, a indústria terá de administrar outras transformações. Entre elas Muramoto cita o crescimento dos marcos regulatórios, principalmente dos voltados à melhoria da eficiência energética. Além disso há questões como a globalização, com destaque para o crescimento dos mercados emergentes, e ainda o que o especialista chama de “hiperurbanização”, que vai exigir ações inovadoras principalmente na área de transportes.

O diretor da Deloitte acredita que se intensificará o aproveitamento dos vários meios de transporte nas grandes cidades, com o uso de sistemas de compartilhamento de carros, bicicletas, ônibus e metrô. “É o transporte social, que leva em conta tempo, custo e qualidade de vida.”

O vice-presidente de vendas da T-Systems para o setor automotivo, Camilo Rubim, concorda que o cenário é de transformação. Segundo ele, o mercado global passou por uma série de momentos importantes: a era da manufatura, a da distribuição e a da informação. Agora, desde 2010, o mundo vive o que ele chama de era do cliente. O momento permite a interação do cliente com a empresa, mais transparência nas relações, produtos customizados e que se comunicam com o consumidor. Como exemplo disso o executivo cita a Nike, que interage com os clientes por meio de aplicativo e rede social voltada aos esportes.

“O mundo digital é a revolução do consumidor”, explica. Rubim cita dados que mostram o papel cada vez mais importante da internet nas relações comerciais. Segundo ele, hoje mais de 60% das pessoas comparam preços por meio do smartphone antes de comprar um produto. Parcela de 60% dos clientes compra online e, no Brasil, 45% dos consumidores se declararam inclinados a comprar o próximo carro na internet.

Rubim aponta que o público jovem busca simplicidade e velocidade, características que hoje a indústria automotiva ainda não oferece com tanta frequência. “Coca-Cola e McDonalds sempre estiveram entre as marcas mais valiosas do mundo. Hoje as primeiras posições do ranking estão com Apple e Google. A indústria automotiva só aparece a partir da décima posição, ocupada pela Toyota.”



Tags: mercado, geração Y, Workshop Planejamento, T-Systems, Deloitte.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência