Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Ford traz de volta os caminhões da Série F

Lançamentos | 21/08/2014 | 12h00

Ford traz de volta os caminhões da Série F

Produção é retomada em São Bernardo após pedidos de clientes

GIOVANNA RIATO E SUELI REIS, AB

Diante de pedidos dos clientes, a Ford traz de volta ao mercado brasileiro a família de caminhões Série F, feita na fábrica de São Bernardo do Campo (SP). Lançada em 1957 no Brasil, a linha teve a produção interrompida no fim de 2011, após a adoção da nova legislação de emissões do Proconve P7, que obrigou a utilização de motorização Euro 5. As vendas do modelo ainda continuaram em 2012 até meados deste ano, quando terminaram os estoques. Segundo a marca, o retorno dos Série F é resposta à forte demanda dos clientes, já que não há concorrentes que atendem ao mesmo segmento no País. “Sinal claro da falta que o modelo fez foi a valorização dos veículos usados na revenda. O preço disparou”, conta Guy Rodriguez, diretor de operações da Ford Caminhões.

Agora serão oferecidas três versões do caminhão: F-350, F-4000 4x2 e F-4000 4x4, com preços que vão de R$ 101.290 a R$ 133.290. Com mais de 170 mil unidades da Série F vendidas no Brasil, Rodriguez explica que a companhia reconhece a importância modelo, mas a produção teve de ser descontinuada por questão de prioridades para aquele momento. “Quando paramos de fabricar o segmento de semileves até diminuiu. A interrupção foi uma decisão estratégica com base na limitação de recursos”, explica Rodriguez. Segundo ele, na época a montadora precisou investir no lançamento da linha Cargo com tecnologia de emissões Euro 5, com a renovação dos modelos. “Assim que paramos de fabricar a Série F já começamos o projeto para trazê-la de volta.”

O empenho para voltar a produzir e vender os modelos resultou na aprovação de investimento de US$ 70 milhões para a linha de montagem exclusiva na planta de São Bernardo do Campo, com a geração de 200 empregos. A companhia não divulga a expectativa de vendas, mas aposta no modelo para a retomada no segundo semestre (leia aqui). Rodriguez está seguro sobre o potencial dos veículos: “A Série F tem características únicas de produto no mercado. Não há concorrentes”, considera.

Para aproveitar a alta expectativa em torno da volta da linha, a companhia realizou pré-venda dos modelos pela internet. Ainda sem a versão 4x4, a Ford ofereceu 10% de desconto e duas revisões grátis aos clientes dispostos a reservar os modelos antes mesmo de eles chegarem nas concessionárias e de estarem disponíveis para test drive. O surpreendente é que a ação, pouco frequente no segmento de veículos comerciais, gerou 800 pedidos em cerca de dois meses. Do total de encomendas, pouco mais de 700 caminhões tiveram a entrada de 10% do valor já paga.

Ford Série F

NOVA GERAÇÃO

A Série F será oferecida na rede de 140 concessionárias da Ford Caminhões. A montadora aponta que está em negociação com uma série de frotistas interessados e já participa de licitações com o modelo. Na rede a linha chega com garantia total de 12 meses e de 24 meses para o motor sem limite de quilometragem. A Série F pode ser financiada pelo Finame/BNDES e conta ainda com condições de compra pelo Consórcio Ford.

A expectativa é por maior demanda pelo F-350 em regiões urbanas, principalmente autônomos interessados em baixo custo operacional. O F-4000 4x2, segundo a fabricante, deve ter uso misto no campo e na cidade por causa de sua robustez. Já o F-4000 4x4 tem aplicações mais específicas como o segmento de manutenção (redes elétricas, telefonia, água, esgoto, aplicações rurais) e, segundo a Ford, vai atrair frotistas.

Os veículos são equipados com motores 25% mais potentes quando comparados aos da geração anterior: 2.8 de 4 cilindros, com até 150 cv de potência, fabricado pela Cummins com sistema SCR de pós-tratamento para atender a legislação de emissões. O propulsor, segundo a montadora, é ainda compatível com diesel B20, combustível com 20% de biodiesel.

“O Série F marca a vinda do motor 2.8 da família ISF para o Brasil, desenvolvido a partir da parceria da Cummins com a Ford, que demandou US$ 12 milhões no projeto de localização”, acrescenta Luis Chain, diretor de vendas e marketing da Cummins. Segundo ele, o início da produção local está planejado entre o fim de 2015 e começo de 2016 a partir da versão 3.8. Até lá, o motor será importado.

"A linha Série F demandará maior crescimento, mas já utilizamos o ISF 2.8 também no Agrale Marruá e já iniciamos negociações com outros possíveis clientes", conta Chain.

A Ford aponta ter alcançado redução de 150 quilos no peso no trem de força dos caminhões, dos quais 90 quilos só no motor, a partir do downsizing. As melhorias da linha atual resultam em queda de 6% no consumo de combustível comparada com a versão Euro 3. Nas medições da Ford o tanque de Arla 32 do veículo, agente a base de ureia utilizado em motores SCR, teve autonomia para rodar até 4 mil quilômetros ou quatro tanques de diesel. A Ford aponta ainda ter alcançado bom resultado na redução da vibração no interior do veículo.

Com transmissão Eaton de 5 velocidades e 40 quilos mais leve, o modelo traz ainda eixo traseiro Dana revisado, além de ABS com distribuição eletrônica de frenagem (EBD) de série. "Esse aprimoramento é sentido também no nível reduzido de vibração na cabine: em marcha lenta, tanto a vibração no volante como no banco do motorista é reduzida em mais de 60% em comparação com o modelo anterior", enfatiza o engenheiro Nelson Palmério.

A companhia não divulga o potencial produtivo para o modelo na planta no ABC paulista. Rodriguez detalha apenas que a unidade tem capacidade para fabricar 155 caminhões por dia, considerando toda a linha de produtos. Atualmente a fábrica trabalha em um turno de produção.



Tags: Ford, Série F, lançamento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência