Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Balanço | 22/08/2014 | 17h45

Remessas de lucros das montadoras caem 70%

Fabricantes de veículos enviaram US$ 663 milhões às matrizes em 2014

PEDRO KUTNEY, AB

Como resultado direto da queda das vendas de veículos no mercado brasileiro, que já esbarram em recuo de 10% este ano, as remessas de lucros de dividendos das montadoras instaladas no Brasil às suas matrizes no exterior também despencaram. Segundo dados do Banco Central divulgados na sexta-feira, 22, de janeiro a julho os fabricantes remeteram US$ 663 milhões, o que significou expressivo declínio de 70% em comparação ao mesmo período de 2013, quando foram enviados US$ 2,2 bilhões.

Apesar do recuo, as montadoras representam este ano o quarto setor que mais envia lucros ao exterior, e surpreendem pelo fato de continuar a fazer remessas quando reclamam que a rentabilidade no País acabou com a queda do mercado. O BC (e muito menos as empresas) não divulga quanto cada fabricante remete para fora, mas o resultado comprova que ainda existem aquelas que conseguem lucrar mesmo em cenário recessivo.

Em 2013 inteiro as remessas de lucros somaram US$ 3,3 bilhões e as montadoras voltaram a ser as campeãs de envios de recursos de exterior entre todos os setores empresariais no Brasil (leia aqui). Ficaram longe do recorde de 2011, quando remeteram US$ 5,7 bilhões, mas essa variação para baixo é plenamente explicada pela valorização do dólar diante do real naquele períoco.

Este ano também caiu substancialmente outro canal de remessa de recursos: os investimentos diretos das montadoras instaladas no Brasil em outros países (essencialmente na Argentina) foram de apenas US$ 69 milhões nos primeiros sete meses de 2014, em queda de 93% sobre os US$ 977 milhões do mesmo período do ano passado. Em 2013 inteiro as remessas dos fabricantes de veículos a título de investimento no exterior atingiram US$ 1 bilhão.

INVESTIMENTOS E EMPRÉSTIMOS

Do lado da entrada de recursos, os investimentos diretos das montadoras no Brasil aumentaram bastante este ano. Somam US$ 1,65 bilhão de janeiro a julho, em alta de 36,7% sobre os mesmos sete meses de 2013 (US$ 1,17 bilhão). No ano passado as fabricantes receberam US$ 1,87 bilhão em investimentos externos, valor 48,6% acima do verificado em 2012.

Além de tomar empréstimos no Brasil e usar caixa próprio, as montadoras estão também trazendo recursos do exterior para bancar seus investimentos no País. Contudo, as cifras são muito inferiores às necessidades anunciadas, já que de 2013 a 2018 os fabricantes de veículos prometem investir mais de R$ 80 bilhões em suas operações brasileiras, ou cerca de US$ 35 bilhões ao câmbio atual, o que daria US$ 5,8 bilhões por ano.

Provavelmente para bancar o comércio internacional com as matrizes, cresceram os empréstimos externos das montadoras às suas subsidiárias brasileiras. De janeiro a julho esses desembolsos totalizam US$ 1 bilhão, valor 25,3% acima do registrado no mesmo intervalo de 2013. Mas os pagamentos desses empréstimos intercompanhias cresceram ainda mais, 101%, para US$ 523 milhões nos mesmos sete meses. Portanto, o fluxo líquido de empréstimos que efetivamente ficou no Brasil nesse período (entradas menos saídas) é de US$ 477 milhões.



Tags: Lucro, remessa, dividendo, montadoras, Banco Central, BC.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência