Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Negócios | 27/08/2014 | 18h15

Pro+Auto: mais competitividade para fabricantes de peças plásticas

Projeto recebeu R$ 1,2 milhão do MDIC e terá participação de empresas paulistas

CAMILA FRANCO, AB

Texto atualizado na quinta-feira, 28, às 12hs

Com o objetivo de capacitar e desenvolver fornecedores de autopeças plásticas instalados nos municípios de São Paulo e do ABCD Paulista, foi apresentado oficialmente na quarta-feira, 27, o projeto Pro+Auto, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

O MDIC lançou edital de chamamento público e a Fundação Vanzolini, instituição mantida por professores do departamento de engenharia de produção da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), foi aprovada e receberá R$ 1,2 milhão do ministério para, a partir deste mês, prestar consultoria gratuita para até 35 empresas do setor, por cerca de seis meses.

“O Pro+Auto nasceu com o objetivo de orientar os fornecedores de autopeças plásticas, principalmente os tiers 2 e 3, que têm estrutura menor, como adotar melhorias técnicas, gerenciais e de inovação em suas operações. Pretendemos ao longo dos três anos de duração de todas as consultas, ganhar mais competitividade e diminuir o porcentual de peças importadas da nossa indústria”, explica Marcos Pigozzo, consultor do MDIC responsável pelo projeto.

Pigozzo salienta que o Pro+Auto vem de encontro ao Inovar-Auto, regime que visa estimular o investimento nacional no setor automotivo, tendo como um dos requisitos a capacitação de fornecedores locais. O Pro+Auto tem o apoio da Cofauto (Câmara Setorial dos Fabricantes de Componentes Automotivos de Plástico), do Sindiplast (Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado de São Paulo) e da Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico).

Atualmente, segundo José Ricardo Roriz Coelho, presidente do Sindiplast, o setor automotivo tem 15% de participação no consumo de transformados plásticos, ocupando a terceira colocação no ranking dos principais consumidores. “O Pro+Auto integra as iniciativas da indústria de transformados plásticos para auxiliar as empresas a se atualizar e se capacitar para a concorrência, especialmente fornecendo a um segmento que passa por momento delicado de vendas”, comenta o presidente.

As empresas participantes do Pro+Auto, que são selecionadas pela Fundação Vanzolini, passarão por cerca de seis meses de consultoria ou 120 horas de orientação. Felipe Lopes, mestre pela fundação e gerente executivo do programa de desenvolvimento de fornecedores, conta que em uma primeira fase é feita a triagem da empresa, seguida por visitas técnicas, levantamentos e apontamentos de como deverão ser introduzidas as melhorias. Uma vez realizadas as mudanças, com investimentos das próprias empresas, a Fundação Vanzolini avaliará os resultados e, por fim, tentará aproximá-las de empresas como ITW Automotivo e Kostal, parceiras do projeto, indicando novas oportunidades de negócios.

“Não faremos uma certificação de qualidade da empresa, mas ajudaremos na evolução de todo o seu processo de gestão”, afirma Gerson Saraiva, técnico do projeto. Ele destaca que a consultoria não se estende apenas a mudanças na área de manufatura das empresas. “O nosso trabalho envolve o desenvolvimento de gestão estratégica, finanças e custos, capital humano, vendas e marketing e, claro, produção. Todos são segmentos que influenciam na competitividade e merecem atenção.”

PARTICIPANTES

Até este momento, cinco fornecedores de autopeças plásticas, todos tiers 2, já estão inscritos no Pro+Auto: Inplasf, Tecnoplastic, Primo Industrial, Plastifluor e Component. O gerente Lopes diz que a licitação atenderá até 35 empresas durante três anos. Mas a ideia é criar um centro de competência na Fundação Vanzolini para treinamento contínuo dessas e de novas empresas de autopeças. “Queremos estender a nossa atuação além do financiamento do MDIC.”

O Sindipeças vê com otimismo a iniciativa. Americo Nesti Jr., consultor do sindicato dos fabricantes de autopeças, diz que, neste momento de queda de produção, existe grande preocupação em relação à saúde das pequenas e médias empresas. “O Pro+Auto será uma boa oportunidade de reestruturação, além de promover a interação e cooperação entre os diferentes elos da cadeia automotiva. A Fundação Vanzolini tem profissionais qualificados para desenvolver este trabalho de capacitação.”

Marcio Silveira, gerente geral da Gabb, fabricante de plásticos com unidades nos municípios de Santo André e Ribeirão Pires, pretende se inscrever em breve no Pro+Auto. Sua empresa fornece autopeças injetadas de pequeno porte para TRW, ZF, Cofap e Magneti Marelli. Passa por dificuldades para aumentar o índice de nacionalização. “O nosso maior desafio é administrar o alto custo da matéria-prima”, aponta. Com cerca de 70 funcionários, a Gabb tem capacidade para processar 90 toneladas de resina por mês. Mas hoje tem conseguido atingir apenas um terço deste volume. “O setor automotivo já correspondeu a 70% da nossa demanda, hoje não chega a 50%. Participar do Pro+Auto pode abrir novas portas para os negócios.”

Gilson Nascimento, que supervisiona as compras de componentes para o interior de veículos da Volkswagen, participou do lançamento oficial do projeto, e diz que tem interesse de que seus fornecedores, como Component, TW e Mauser, participem. “Incentivaremos os nossos 12 parceiros do insumo a se inscreverem.” Segundo o executivo, mais de 90% do acabamento interno de um carro hoje é feito de plástico. “É um insumo de grande interesse das montadoras, principalmente por causa de sua leveza, que contribui para atingir as metas de eficiência energética.”



Tags: Pro+Auto, plástico, fornecedores, capacitação, autopeças, Fundação Vanzolini, MDIC.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência