Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 15/09/2014 | 20h27

Inovar-Auto é aposta da indústria para garantir qualidade

Anfavea e governo defendem política para alcançar patamar internacional

SUELI REIS, AB

O Inovar-Auto garantirá um novo patamar de qualidade aos carros brasileiros. Pelo menos essa é a aposta das montadoras, que por meio da Anfavea, defendeu o regime automotivo e sua continuidade durante o II Fórum da Qualidade Automotiva, promovido pelo IQA em parceria com Automotive Business, na segunda-feira, 15. No painel Os avanços da qualidade com o Inovar-Auto, Rogério Rezende, vice-presidente da entidade, aponta as oportunidades que o programa pode trazer para a cadeia automotiva:

Segundo o executivo, dos novos investimentos anunciados pelas associadas entre 2012 e 2018, que somam cerca de R$ 75 bilhões, mais de R$ 12 milhões são destinados para as áreas de pesquisa, desenvolvimento e engenharia. Para ele, isso trará mudanças importantes e melhorias significativas nos tiers 1, 2 e 3, além do que será feito no quesito qualificação da cadeia automotiva. “O que se objetiva é a qualidade do produto”, defende.

No entanto, Rezende lembra das dificuldades que o setor deverá enfrentar para se chegar a tal patamar tão esperado pela própria indústria, de que o carro nacional será competitivo internacionalmente:

“Não adianta, portanto, ter aumento de produção, de capacidade e uma mão de obra devidamente qualificada se não tiver aplicados os conceitos de qualidade em toda a cadeia. Este é o caminho para a competitividade”, disse.

Em tom de alerta, o representante de Anfavea, que também é representante da Scania para assuntos institucionais e governamentais, falou da necessidade de acompanhamento das fornecedoras com relação à evolução dos conceitos de qualidade pelos quais as montadoras se inserem a partir do Inovar-Auto, como a excelência de novas tecnologias para tornar o produto brasileiro mais global: “As autopeças [empresas] devem acompanhar a evolução do produto, produzir aqui as tecnologias, se não, o País vai continuar importando”.

Por sua vez, a representante do governo no evento do IQA, Margarete Gandini, coordenadora geral do departamento de indústrias de equipamentos de transporte do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), reforçou que o objetivo do Inovar-Auto é a elevação do patamar tecnológico do produto brasileiro, e, por consequência, de sua qualidade:

“Está muito claro na legislação que, ao zelar pela eficiência energética, a partir de novos modelos de propulsão, ou de aumentar o conteúdo local, fomentando a indústria de autopeças, há um objetivo de elevação também da qualidade, no que se refere à performance do produto”, afirmou.

Segundo Margarete, a qualidade perpassa todo o processo da política industrial criada no fim de 2012, em vigor desde 2013, mas que ainda espera por portarias e regulamentações para concluir sua efetividade como programa. Segundo a representante, estão para ser publicadas duas portarias, a saber: a primeira, que torna oficial o sistema de acompanhamento das metas do Inovar-Auto, no que diz respeito as compras locais (rastreabilidade das autopeças), e a segunda que trará o detalhamento sobre as metas de eficiência energética.

“Para se ter uma ideia, sobre as metas de emissões, está previsto 21,1 milhões de toneladas a menos de CO2 na atmosfera brasileira até 2018, isso só com a meta obrigatória, sem citar o desafio que lançamos às montadoras, de ultrapassar o mínimo exigido pelo Inovar-Auto. Este volume também ultrapassa o acordo de emissões de Copenhagen, que o Brasil se comprometeu a reduzir. Mais uma vez: isso mostra que a qualidade perpassa todo o processo da política industrial, inclusive a qualidade do meio ambiente”, argumentou.

Por fim, o vice-presidente da Anfavea admitiu que o regime automotivo não resolverá todos os gargalos da cadeia, considerando os custos de produtividade, mão de obra, matéria-prima, logística, insumos e tributações.

“Sozinho, o Inovar-Auto não resolve os problemas. Ainda há o que se fazer com relação à infraestrutura, legislação fiscal, falta de mão de obra qualificada. Sem olhar para esses fatores, o Inovar-Auto será subutilizado”, concluiu.



Tags: IQA, Inovar-Auto, Anfavea, MDIC, Rogério Resende, Margarete Gandini.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência