Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
ArcelorMittal: mais de US$ 350 mi no setor

Indústria | 17/09/2014 | 23h00

ArcelorMittal: mais de US$ 350 mi no setor

Quer aumentar participação em mercados emergentes, como o Brasil, que recebe US$ 75 mi

CAMILA FRANCO, AB | Do Alabama (Estados Unidos)

A ArcelorMittal, uma das maiores empresas de siderurgia e mineração do mundo, com presença em mais de 60 países, mais de 230 mil empregados, e lucro líquido de US$ 80 bilhões em 2013 (US$ 16 bi no Brasil), tem apostado cada vez mais forte no setor automotivo para fazer de seu produto, o aço, uma das matérias-primas mais requisitadas. Nas palavras do CEO para as Américas, Lou Schorsch, esta indústria é muito importante para a companhia, “como uma jóia da coroa” capaz de gerar cada vez mais negócios.

A ArcelorMittal produziu 13 milhões de toneladas de aço no ano passado para um mercado global de 83 milhões de veículos. Atualmente, 33% do seu orçamento mundial, de US$ 270 milhões, são aplicados em pesquisa e desenvolvimento de novos aços, em especial de alta resistência. Volume que tende a crescer nos próximos anos.

Somente nos últimos doze meses, segundo o executivo, o aporte anunciado para o segmento automotivo, incluindo expansão de unidades existentes, ultrapassou US$ 350 milhões, sendo US$ 175 milhões na região do Nafta, US$ 120 milhões na União Europeia e US$ 75 milhões somente no Brasil.

O aumento do investimento global no aço de alta resistência, que também é mais leve, se dá ao passo que as fabricantes de veículos têm de reduzir o peso de seus carros a fim de diminuir o consumo de combustível e, consequentemente, as emissões. A participação da matéria-prima em um veículo, segundo cálculos da ArcelorMittal, chega a ser de 57% em média. Está bem acima do ferro, com 8%; do aluminío, com 9%; e de plásticos e de outros materiais, que juntos somam uma fatia de 22%.

“Nós temos competido pelas aplicações, para produzir em escala o que os clientes necessitam. Desenvolvemos inovações para manter o aço como material a ser escolhido pelas montadoras. O aço tem muito potencial contínuo de evolução e de redução de peso. Já chega a sua terceira geração. E uma de suas principais vantagens é a de ser o produto mais reciclável do mundo”, comenta Schorsch.

O CEO elenca cinco estratégias principais de atuação da ArcelorMittal no setor automotivo: “Continuar a oferecer alto nível de serviço e qualidade em mercados chaves; desenvolver e produzir aços de alta resistência que permitam as montadoras diminuir os pesos dos veículos sem precisar utilizar outros materiais alternativos; encontrar meios economicamente mais atrativos para acompanhar os investimentos das montadoras em mercados emergentes; continuar as parcerias com fornecedores que nos ajudam a desenvolver produtos inovadores; além de alavancar e fortalecer a nossa posição no fornecimento de aço automotivo a fim de aumentar nossos volumes e garantir valor agregado aos nossos produtos.”

Os maiores consumidores atualmente da ArcelorMittal são Estados Unidos e Europa, com 40% e 45% da sua produção, respectivamente. O desafio agora é crescer a passos mais largos em mercados emergentes, como China, Índia, Rússia e Brasil, que junto as outros países ficam com o restante de 15% do total de aço fabricado. “Imagine quanto desafiador é nosso papel. Somos uma companhia global que tem de fazer os mesmos produtos para mercados com regulamentações diferentes. As emissões de CO2 variam muito de um país para o outro.”

Os principais clientes de aços da ArcelorMittal para fabricação de veículos leves são Renault, Nissan, BMW, Mini, Rolls-Royce, Toyota, GM, Chrysler, Ford, PSA Peugeot Citroën, Volkswagen, Hyundai, Kia, Mercedes-Benz, Tata, Jaguar, Land Rover, Volvo, Seat, Skoda, Audi, Honda, Bentley, entre outros. No setor de veículos pesados, entre as marcas atendidas estão DAF, MAN, Scania, Renault Trucks e Volvo. Também são clientes fabricantes de autopeças como Faurecia, Magna e Benteler, além de empresas de estapagem, como Lapple, Bamesa, Kirchhoff, Gonvarri e Allgaier.

BRASIL

Apesar de a retração ecônomica ter repercutido em uma queda de 18% até agosto deste ano na produção de autoveículos no Brasil, a ArcelorMittal mantém inalterados seus planos para o País, que recebeu anúncios de investimentos de US$ 75 milhões nos últimos doze meses. A garantia é do CEO Lou Schorsch: “O Brasil é um mercado muito importante para ArcelorMittal mesmo que sua economia esteja em período de recessão. Continuamos otimistas e comprometidos com os nossos investimentos, pois vão gerar resultados muito importantes a longo prazo.”

Do montante de US$ 75 milhões, segundo o executivo, US$ 15 milhões estão sendo investidos na planta de Vega, na cidade de São Francisco do Sul (SC), para fabricação do aço de alta resistência Usibor desenvolvido pela Arcelor especificamente para a indústria automobilística. A previsão é de que o material comece a ser produzido no primeiro trimestre de 2015. Em 2011, quando a empresa passou a importá-lo da Europa, foram trazidas mil toneladas. Este ano, a previsão é de 12 a 13 mil toneladas. A partir de 2016, deverão ser fabricadas no Brasil 100 mil toneladas do Usibor por ano (leia aqui).

Para a mesma unidade de Santa Catarina também estão sendo aplicados mais US$ 17 milhões no projeto Vega Light, que consiste em aumentar a capacidade de produção de laminados a frio, de 1,4 milhões de toneladas ano para 1,6 milhões de toneladas a partir do primeiro semestre de 2015, além de preparar a unidade para futuras expansões.

Os cerca de US$ 40 milhões restantes, ainda em fase final de liberação, serão injetados na unidade de Sabará (MG) para o aumento de produção para 45 mil barras por ano, as quais seguem para a laminação na unidade de Vega.

Schorsch diz que novos investimentos estão sendo analisados para ampliação da produção de laminados a quente, de 4,2 milhões para 4,6 milhões de toneladas por ano, na usina de Tubarão (ES), que opera atualmente com três fornos. Mas não revela o valor do aporte e nem quando passará ser usado.

NOVAS TECNOLOGIAS

Para ganhar participação no setor automotivo, a ArcelorMittal trabalha constantemente com novas tecnologias. Atualmente, cerca de 80 novos tipos de aços estão sendo desenvolvidos muitos anos antes de serem produzidos.

Greg Ludkovsky, vice-presidente global de pesquisa e desenvolvimento, conta que a empresa mantém cinco centros de P&D ao redor do mundo para atender exclusivamente o setor automotivo, sendo três na França, um nos Estados Unidos e outro no Canadá. Neles, aproximadamente 565 pessoas trabalham no desenvolvimento de novos aços, análises das propriedades, definições de soluções anti-corrosivas, entre outros processos. “Nós ajudamos as montadoras a desenvolverem veículos mais seguros, leves e limpos. Esta é a nossa preocupação desde o início de um projeto.”

A Volkswagen uma das empresas clientes, segundo Ludkovsky, diz que o aço Usibor é até seis vezes mais resistente do que o convencional. A montadora tem substituido o alumínio pelo aço para reduzir custos. Usou o aço Usibor para a produção do Golf de sétima geração, por exemplo. A Volvo, em declaração também apontada pelo vice-presidente, acredita ter encontrado a equação perfeita entre segurança e redução de peso com o Usibor.

No Brasil, segundo Marcelo Federici, especialista em desenvolvimento de projeto automotivo da ArcelorMittal, todas as montadoras instaladas têm demonstrado interesse em utilizar o Usibor, principalmente nas partes críticas da carroceria. “As empresas que ainda não decidiram pelo material no Brasil já o utilizam na Europa e nos Estados Unidos e, em questão de tempo, vão passar a usá-lo aqui.”

As quatro maiores montadoras no mercado brasileiro (GM, Fiat, Ford e Volkswagen) já têm projetos com o aço de alta resistência. Duas empresas de autopeças instaladas no País também já são clientes. E outras estão em negociação. O Ford Ecosport e o Volkswagen Up! são exemplos de veículos disponíveis no mercado que foram concebidos com o Usibor e avaliados com nota máxima em crash test do Latin NCAP em 2013.

O Usibor faz parte do conjunto de soluções desenvolvidas pela ArcelorMittal, denominado S-in Motion, que permite às montadoras reduzir em até 20% do peso do veículo, além de diminuir em cerca de 15% as emissões de CO₂ durante a produção e vida útil do veículo. A ArcelorMittal prevê um aumento dos atuais 6% para 25% de utilização de aços de alta resistência nos veículos brasileiros até 2025, acompanhando a tendência da indústria automotiva global.



Tags: ArcelorMittal, aço, produção, Usibor, usina, setor automotivo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência