Automotive Business
  
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias

Lançamentos | 18/09/2014 | 18h12

Michelin lança tecnologias para pneus do Brasil

Conjunto de inovações XCore atende necessidades do transporte de carga

SUELI REIS, AB

De olho na evolução dos veículos comerciais pesados, a Michelin escolheu o Brasil para lançar sua nova geração de tecnologias que aumentam a performance e vida útil dos pneus para caminhões e ônibus. Toda a família de pneus Multi Z passa a contar com a XCore, conjunto de uma série de melhorias que reforçam a carcaça a partir das três áreas do pneu: talão (área em contato com a roda), topo (que fica em contato com o solo) e flanco (laterais).

O pneu ganhou um novo composto interno de borracha, reforçando a estrutura e aumentando, segundo a fabricante, sua resistência a choques, perfurações e infiltrações. Uma nova proteção em nylon também foi acrescentada ao redor do aro, área que fica em contato com a roda: antes formada de camadas apenas de borracha, agora é composta de um sanduíche de borracha com nylon, proporcionando maior resistência ao aquecimento excessivo no talão. A terceira modificação consiste na redução da distância entre os cabos do topo do pneu, aumentando resistência a agressões na banda de rodagem.

Segundo Feliciano Almeida, diretor de marketing e vendas de pneus de ônibus e caminhões da Michelin para a América do Sul, o desenvolvimento dessas tecnologias – genuinamente brasileiras - são a resposta para as necessidades do transportador local, que enfrenta em todo o País as mais diferentes e severas condições de uso dos seus veículos.

“Dentro do conceito inovação, a Michelin se preocupou em entender a necessidade local, criando inovações que aumentam em até 10% a vida útil total do pneu, além de aumentar seu nível de recapagem.”, disse.

O executivo destaca que a maior vantagem é a durabilidade do pneu, o que permitirá ganhos de produtividade ao utilizar toda sua capacidade de utilização: “Sabemos que o pneu é um dos três maiores custos de um transportador. Era necessário criar soluções adaptadas para que o cliente tenha uma carcaça que dê a ele maiores vantagens de produtividade. Por isso essas novas tecnologias vem ao encontro dessa demanda, ao contribuir para a redução do custo operacional do transporte, seja ele de cargas ou de passageiros”. Acrescentou que a nova tecnologia agrega aumento de 1% no preço dos pneus a partir do próximo mês, quando estarão disponíveis no mercado.

A gerente de marketing e produto, Fernanda Pimenta, destacou que para definir tais melhorias, a empresa traçou um perfil de 200 mil pneus utilizados no Brasil e reunidos em uma base de dados durante 14 anos, para identificar quais as maiores causas da ‘morte prematura’ dos pneus no País.

“Constatamos que danos acidentais que causam perfurações e infiltrações, além dos danos de resistência no talão são os maiores responsáveis pela inutilização dos pneus de carga, o que nos levou a desenvolver tecnologias de reforço para importantes áreas do produto.”

Ela conta que para validar as novidades, a Michelin realizou testes em 80 mil pneus por quatro anos até finalmente chegar à tecnologia hoje apresentada ao mercado nacional. Por ora, cada melhoria será aplicada de acordo com as necessidades das categorias de pneus: o novo composto interno de borracha será utilizado em todas as versões de pneus, tanto os urbanos, quanto rodoviários e mistos, enquanto a nova proteção de nylon do aro será empregada nos urbanos e rodoviários, e a redução de distância entre os cabos do topo do pneu nos urbanos e mistos.

MAIS PLANOS DE EXPANSÃO PARA O BRASIL

O presidente da Michelin para a América do Sul, Jean-Philippe Ollier, disse que a nova geração de pneus com tecnologias de reforço e durabilidade vão contribuir para o aumento da competitividade do transporte brasileiro e que seu desenvolvimento faz parte do aporte de € 60 milhões que a Michelin dispõe anualmente para a área de pesquisa e desenvolvimento (P&D) em todo o mundo, incluindo o Brasil.

Reforça ainda que outras novidades devem surgir dentro do universo de pacotes de tecnologias XCore e que elas poderão ser expandidas para outros países em que a empresa atua, conforme a necessidade de cada mercado.

Sobre novos planos de expansão, Ollier diz que a Michelin concluiu o aporte de US$ 1 bilhão dedicado para operações industriais e aumento da capacidade produtiva, que incluiu os € 300 milhões para a ampliação da fábrica de Itatiaia (RJ), em 2012 (leia aqui).

“Existem novas ideias de investimento para o segmento industrial, incluindo Itatiaia, em que podemos investir duas vezes mais do que fizemos nesta primeira fase de expansão”, revelou.



Tags: Michelin, pneus, tecnologia, XCore, recapagem, veículos comerciais, caminhão, ônibus.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência