NOTÍCIAS
19/09/2014 | 12h55

Lançamentos

Honda conclui renovação da linha com o City

Sedã teve incremento de 2,5% nos preços, que partem de R$ 53,9 mil


GIOVANNA RIATO, AB

Depois de lançar no Brasil as novas gerações do Fit e do Civic, em maio e em julho, respectivamente, a Honda apresenta o City reestilizado. O modelo global chega ao Brasil com a missão de superar as expectativas dos consumidores e retomar o patamar de vendas que o carro tinha antes de a sua produção desacelerar para a chegada da nova versão, entre 3 mil e 4 mil unidades por mês. A meta é ambiciosa para o momento desafiador do mercado brasileiro, que diminuiu 9,7% de janeiro a agosto na comparação com igual intervalo do ano passado.

Para alcançar o objetivo a fabricante se empenhou para tornar o modelo mais atrativo. O irmão menor do Civic teve design atualizado. A ideia, segundo a companhia, foi conferir ao sedã compacto aspecto mais esportivo e reforçar seu posicionamento premium. O resultado é a dianteira com aparência baixa e lanternas traseiras mais horizontais, que invadem a tampa do porta-malas. “Fizemos pesquisa global com usuários para desenvolver o City. Percebemos que no Brasil a expectativa com o carro era alta e os consumidores queriam visual atraente, menor consumo de combustível, desempenho superior, além de espaço e conforto”, detalha o líder global do projeto do modelo, Toshikazu Hirose, que veio ao Brasil para o lançamento do carro, provando a importância do mercado local, um dos cinco maiores para a marca.

No interior, além do desenho mais atraente do console central e do painel de instrumentos, o automóvel ganhou mais espaço. O entre-eixos ficou 55 milímetros maior com o objetivo de entregar espaço interno equivalente ao de um sedã de categoria superior. A altura cresceu 10 mm. A maior diferença do aumento dos tamanhos é percebida pelos passageiros do banco de trás, que ganharam bom espaço para as pernas. “Trabalhamos baseados no conceito MM - máximo para o homem, mínimo para a máquina”, conta Daniel Florentino, líder do projeto do modelo no Brasil. Os ajustes feitos no carro para o mercado local foram realizados no centro de pesquisa e desenvolvimento em Sumaré (SP), inaugurado em fevereiro deste ano com investimento de R$ 100 milhões.

Honda City

PREÇOS E VERSÕES

O City 2015 chega em quatro versões, todas equipadas com motor 1.5 i-VTEC 16V de até 116 cv, equipado com o sistema FlexOne, que dispensa o tanquinho de gasolina para a partida a frio do motor bicombustível. Com a tecnologia, o etanol é aquecido nos próprios bicos injetores. Os preços do carro começam agora em R$ 53.900 na configuração DX, que é equipada com transmissão manual de cinco velocidades. A versão mais básica sai de fábrica com retrovisores, travas e vidros elétricos, sistema de áudio com CD e MP3 player, direção elétrica EPS e ar-condicionado manual.

A partir da configuração LX, com tabela que já salta para R$ 62.900, o carro ganha câmbio automático CVT, que tem sete velocidades virtuais programadas. Nas opções EX e EXL o modelo é equipado com paddle shift – borboletas atrás do volante para a troca de marchas. Os preços no entanto, saltam para R$ 66.700 e R$ 69.000, respectivamente. A gama de equipamentos passa a incluir faróis de neblina, câmera de ré e piloto automático. Internamente, o console central ganha comandos touch screen para o ar-condicionado e sistema multimídia com monitor de cinco polegadas.

A Honda aponta que a nova linha teve incremento médio de cerca de 2,5% nos preços que, segundo a fabricante, é justificado pela inclusão do câmbio CVT e melhorias como o aumento da eficiência energética. Em teste em rota de 100 quilômetros na estrada, no entanto, o modelo não se encaixou exatamente na categoria econômica, com consumo indicado no painel do carro foi de 9 quilômetros por litro.

Apesar dos valores mais salgados, a montadora espera que a maior parte da demanda se concentre entre a versão intermediária LX e na topo de gama, ELX, que devem somar 71% das vendas. A companhia projeta que opção de entrada, DX, só responda por 4% dos negócios e a EX seja responsável pelos 25% restantes.

Honda City

Comentários: 1
 

ricardo
19/09/2014 | 19h51
Qual é o consumo real médio ? Caso contrário, perderá vendas para o Novo Logan c Easy-R.

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 15/11/2017
Mudança na mobilidade domina discussões do Congresso SAE Brasil

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro