Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 24/09/2014 | 17h18

GranBio investe US$ 190 milhões em fábrica de etanol de 2ª geração

Com capacidade para 82 milhões de litros por ano, unidade fica em Alagoas

REDAÇÃO AB

Com um investimento de US$ 190 milhões, a GranBio dá início às operações de sua fábrica de etanol de segunda geração (2G), a Bioflex 1, localizada em São Miguel dos Campos (AL) com capacidade inicial de 82 milhões de litros por ano e a primeira do País com produção em larga escala dedicada a este tipo de combustível, gerado a partir dos coprodutos da cana-de-açúcar – palha, bagaço e folhas – também conhecido como etanol celulósico.

A empresa, especialista em biotecnologia industrial, também investiu outros US$ 75 milhões em parceria com a Usina Caeté, em uma segunda fábrica para cogeração de vapor e energia elétrica, alimentada com o bagaço de cana-de-açúcar e lignina – subproduto gerado no processo de produção do etanol de segunda geração: é a primeira vez que a lignina será utilizada para esse fim na indústria sucroalcooleira. Além de atender às necessidades das duas fábricas, a caldeira gerará um excedente de energia elétrica da ordem de 135 mil MWh/ano, suficiente para abastecer uma cidade de 300 mil habitantes. A empresa informa que o excedente será vendido, tornando-se fonte de renda para ambas as empresas. As obras foram concluídas em 20 meses após o início da construção da fábrica.

“Quando anunciamos a construção da fábrica em Alagoas, em meados de 2012, assumimos o risco da inovação e do pioneirismo em um projeto com potencial transformador para as indústrias de biocombustíveis e bioquímicos. Mais do que a inauguração de uma fábrica, esse projeto é uma prova de que o Brasil pode liderar a indústria de biotecnologia mundial a partir de seu potencial agrícola”, afirmou o presidente da GranBio, Bernardo Gradin.

Seu sistema de coleta permite o armazenamento e processamento de palha equivalente a 400 mil toneladas por ano. O executivo acrescenta que o Brasil tem potencial de aumentar em 50% a produção de etanol apenas com uso de palha e bagaço, sem necessidade de ampliação de canaviais.

Além da GranBio, a Raízen, empresa do setor energético, também prevê iniciar ainda este ano a produção de etanol celulósico em sua fábrica de Piracicaba (SP), cujas obras iniciaram no fim de 2013.



Tags: Etanol, etanol celulósico, GranBio, investimento, combustível.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência