Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Grupo Volkswagen: lucro líquido cresce 29% em nove meses

Balanço | 31/10/2014 | 16h59

Grupo Volkswagen: lucro líquido cresce 29% em nove meses

Audi apresenta maior lucro operacional enquanto Volkswagen diminui ganhos

REDAÇÃO AB

O lucro líquido do Grupo Volkswagen cresceu quase 30% no acumulado entre janeiro e setembro ao totalizar € 8,6 bilhões, 29,6% acima do resultado de € 6,7 bilhões apurados em iguais meses do ano passado, segundo balanço financeiro divulgado pela companhia, que considerou o crescimento como robusto, apesar do ambiente incerto do mercado global, ainda em curso. O lucro operacional avançou 10%, para € 9,4 bilhões, sem considerar a parcela obtida com as joint ventures na China, onde a empresa apurou lucro operacional de € 3,9 bilhões, aumento de 11,4%. O faturamento global do grupo subiu 1,3% ao somar € 147,7 bilhões.

“Nós tornamos muito sólido nosso desempenho no acumulado do ano. No entanto, temos de agora continuar a concentrar em lançar bases que nos permitirá responder aos grandes desafios tecnológicos e econômicos enfrentados pela indústria automotiva. Para conseguir isso, lançamos com sucesso o nosso programa ‘Future Tracks’, que visa aumentar de forma sustentável a nossa eficiência, flexibilidade e rentabilidade, fazendo com que a Volkswagen esteja apta para o futuro”, disse Martin Winterkorn, CEO e presidente do conselho de administração do Grupo Volkswagen.

As vendas globais continuaram a aumentar ao longo dos nove meses do ano, embora em ritmo ligeiramente mais lento do que no ano passado, com variação de região para região. As marcas que compõem o grupo entregaram 7,5 milhões de unidades em todo o mundo, 5% acima do volume registrado nos nove meses de 2013, sendo Ásia-Pacífico, América do Norte e Europa (ocidental e central) responsáveis por aumento das vendas, enquanto que na América do Sul e Europa Oriental os registros foram bem menores do que os do ano passado (leia aqui).

Contudo, o CEO Winterkorn reforçou a meta do grupo: “Estamos em uma posição para alcançar as 10 milhões de entregas este ano”, acrescentando que os desafios continuarão a partir do difícil ambiente de mercado e concorrência acirrada, bem como taxa de juros e de câmbio, além de volatilidade e flutuações nos preços das matérias-primas. O executivo lembra que o sistema de kit de ferramentas modular, continuamente ampliado pelas marcas do grupo, terá um efeito cada vez mais positivo sobre a estrutura de custos da companhia.

MARCAS

O desempenho da Audi salvou o balanço do grupo, como tem acontecido há meses: seu lucro operacional alcançou € 3,8 bilhões de janeiro a setembro, alta de 2,7% sobre o mesmo acumulado do ano passado, reflexo do maior valor agregado ao produto, aumento dos volumes de vendas, em especial na China, e menores custos de materiais, enquanto altos investimentos iniciais em novos produtos e tecnologias, bem como na expansão da rede de produção internacional teve um efeito adverso. A margem operacional foi de 9,7%.

Por sua vez, a Volkswagen reportou lucro operacional de € 1,7 bilhão contra os ganhos de € 2,1 bilhões no ano passado, impactados por menores volumes de vendas, em especial na América do Sul, efeitos cambiais negativos no primeiro semestre e despesas iniciais mais elevadas para tecnologias, ao mesmo tempo de redução dos custos de materiais, embora a empresa reporte que o mix de produtos teve um efeito positivo. Neste período, a margem operacional ficou em 2,3% - há um ano foi de 2,9%. Apesar disso, a marca manteve seu objetivo de atingir retorno operacional em vendas de mais de 6% o mais tardar até 2018.

Já a Porsche conseguiu equilibrar o resultado estável de € 1,9 bilhão com maiores volumes de vendas em contrapartida ao aumento dos custos de desenvolvimento e de custos fixos.

A marca de luxo Bentley viu seu lucro operacional subir de € 98 milhões em 2013 para € 125 milhões neste ano, até o consolidado de setembro, enquanto Skoda superou de forma significativa, em 75%, para € 651 milhões. Por sua vez, a Seat verificou prejuízo menor que do ano passado, passando de € 93 milhões para € 82 milhões este ano, também como parte do esforço de equilíbrio entre o efeito positivo de volume de vendas e custos com materiais.

A divisão de veículos comerciais fechou o período com crescimento de 10,5% no lucro operacional, para € 378 milhões. A Scania gerou € 700 milhões, incremento de 1,3%, enquanto a MAN registrou aumento em mais de seis vezes o valor do lucro operacional do ano passado, de € 47 milhões para € 304 milhões.

“Dado o desempenho atual do grupo, estou convencido de que vamos cumprir os nossos objetivos para o ano fiscal de 2014”, concluiu Winterkorn.



Tags: Grupo Volkswagen, lucro líquido, lucro operacional, Audi, Porsche, Scania, MAN, Martin Winterkorn.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência