Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Comerciais | 13/11/2014 | 20h24

BYD mostra ônibus elétrico exclusivo para o Brasil

Modelo urbano K9 é apresentado durante feira do transporte no Rio de Janeiro

REDAÇÃO AB

Pela primeira vez, a chinesa BYD apresentou ao público brasileiro durante a Fetransrio, feira de transporte realizada no Rio de Janeiro, seu ônibus elétrico K9, modelo urbano desenhado exclusivamente para atender o mercado local. Com 12 metros de comprimento e piso baixo, o veículo traz autonomia superior a 250 quilômetros e vida útil das baterias de fosfato de ferro maior que o próprio ônibus, garante a empresa, que escolheu o Brasil para investir em sua primeira fábrica na América Latina, na qual investirá R$ 200 milhões (leia aqui).

Durante a exposição, que também contou com o 3º Seminário de Tecnologias Sustentáveis no Transporte, o diretor de relações governamentais e de marketing da BYD no Brasil, Adalberto Maluf, apresentou os resultados dos testes do ônibus elétrico realizados nas cidades de Campinas, Sorocaba (SP) e Salvador (BA).

O executivo relatou que em Sorocaba, o ônibus rodou em quatro linhas e conferiu economia de 78% por quilômetro rodado, com um custo de R$ 0,22 por quilômetro contra R$ 1,03 para ônibus convencional a diesel, economia de R$ 0,80 por quilômetro rodado.

Em Campinas, a empresa realizou testes por meio da linha urbana 502, onde também conferiu a mesma economia de 78%. Nesta operação, os resultados chegaram a uma redução de custo mensal de R$ 19.868,02 com combustível nos cinco ônibus que operam na linha. Por ano, esta economia pode chegar a R$ 238.416,27.

Já em Salvador, o desempenho de 1,07 km/kWh significou economia de 83%, com custo de R$ 0,12 contra R$ 0,70 por quilômetro rodado, na comparação com ônibus a diesel e motor dianteiro. Segundo dados da empresa, este resultado pode representar economia de combustível estimada em R$ 590 mil para cada veículo por um período de 10 anos.

Por sua vez, Guilherme Wilson, gerente de planejamento e controle da Fetranspor, relatou que em testes independentes feitos pela Fetranspor com um ônibus BYD no Rio de Janeiro comprovou uma redução de custo diário com combustível de algo como R$ 4,2 mil em um trajeto com quatro viagens no percurso do centro para a zona norte da capital fluminense. O total rodado foi de 137 quilômetros por dia, representando uma economia acima dos R$ 8 mil caso tivesse percorrido 275 quilômetros por dia.

“Os ônibus elétricos da BYD provaram ser uma alternativa limpa e econômica para a mobilidade urbana, com grande aprovação dos passageiros e motoristas”, enfatizou Wilson.



Tags: BYD, ônibus, elétrico, Fetransrio, fábrica, Campinas.

Comentários

  • Arlindo Paiva

    Quanto custa um ônibus elétrico desse?

  • Fernando Buzetti dos Santos

    Um excelente investimento no Brasil para suprir a demanda de qualidade do transporte público neste pais e que principalmente em contribuir com o meio ambiente.

  • Hermes Renato

    A pergunta que fica: Se temos empresas de onibus, temos tecnologia ( exemplo o onibus elétrico desenvolvido pela Coppe-RJ) por que sempre dependemos e damos espaço a empresas estrangeiras ao inves de incentivar as nossas próprias? Até quando queremos nos manter como colonia industrial do mundo moderno? Se fosse na China, as regras do governos de lá exigiriam que a empresa se associasse a uma empresa local, que no fim acabaria por gerar uma nova empresa local com a transferencia de tecnologia. Aqui damos terra, agua, mão de obra qualificada, 20 anos de insenção de impostos muncipais e regras frouxas para remessa de capital, de depois não sabemos por que o crescimento industrial e o investimento defiam.... Enfim, realmente temos os governantes mais burros do mundo...

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência