NOTÍCIAS
14/11/2014 | 02h00

Lançamentos

Ford cumpre 2ª etapa da linha Ka

Hatch 1.5 já está disponível na rede e sedã 1.0 vem chegando


MÁRIO CURCIO, AB | De Sorocaba (SP)

Ka+, o sedã, tem preço sugerido de R$ 37.890 na versão SE 1.0
A Ford está completando o lançamento da nova geração do Ka em duas versões. O hatch recebe agora a opção 1.5 de até 110 cavalos, já na rede com preço sugerido de R$ 40.390. E o sedã (Ka+), por sua vez, passa a contar com a opção 1.0 de três cilindros com até 85 cv e tabela de R$ 37.890, com previsão de chegada às concessionárias nos próximos dias.

Os dois saem de fábrica bem equipados desde a versão de entrada SE. Ar-condicionado, vidros dianteiros e travas com acionamento elétrico são itens de série. A direção com assistência elétrica também.

As novas opções chegam para brigar nos dois segmentos de maior volume, já que os hatches pequenos respondem por 42% das vendas de automóveis no Brasil e os sedãs compactos, por 18%: “E esses mercados têm-se mostrado muito dinâmicos”, afirma o gerente-geral de marketing da Ford, Oswaldo Ramos, usando como exemplo o sucesso do Chevrolet Onix entre os hatches e do Prisma nos sedãs.

Tanto hatch como sedã são fabricados em Camaçari (BA), na mesma planta do EcoSport: “Pretendemos produzir em novembro 15 mil unidades do Ka, sendo 10 mil do hatch”, afirma Ramos. “Em dezembro dá para produzir mais do que isso”, diz o gerente, mostrando que as férias coletivas na unidade baiana podem esperar um pouco mais para acontecer.

O hatch 1.5 e o sedã 1.0 diferem não só na carroceria e motor, mas na demanda. No Brasil, 58% dos hatches pequenos são 1.0. Já nos sedãs de entrada a participação desse motor cai para 28%. Com o novo Ka essas proporções têm-se mostrado diferentes e a fábrica corre para ajustar a produção à demanda, especialmente no hatch, em que o novo três-cilindros de 1 litro, o mais potente do mercado, poderá tomar 80% a 90% da linha de montagem.

COMO ANDAM OS NOVOS CARROS

Automotive Business dirigiu na região de Sorocaba as duas novas opções. O Ka+ 1.0 tem desempenho aceitável dentro de seus 85 cv, mas se comporta como todo sedã com essa motorização: pede reduções de marcha com mais frequência, especialmente com ar-condicionado ligado.

A relação do diferencial parece longa demais para o motor, mas certamente foi esta a solução adotada pela Ford para obter bons resultados em consumo. O carro obteve a letra A no selo de eficiência energética. Na cidade, faz 8,9 km/h com etanol e 13 km/l com gasolina. Na estrada esses números passam a 10,4 km/l com o derivado de cana e 15,1 km/l no combustível fóssil.

O carro testado era da versão mais simples, a SE, equipada com um sistema de áudio simples e eficiente com rádio AM/FM, entrada USB, Bluetooth e o MyFord Dock, um compartimento com entrada auxiliar para conectar e também fixar acima do painel o smartphone. A tampa desse nicho tem uma catraca e canaletas que fixam o aparelho e permitem integrá-lo ao carro. Volante ajustável em altura, indicador de troca de marcha e abertura elétrica do porta-malas são outros bons destaques do sedãzinho 1.0 SE.

O hatch 1.5 também agrada de maneira geral. O carro avaliado era da versão topo de linha SEL, que inclui a central multimídia Sync e outros caprichos como banco do motorista ajustável em altura e tecido de revestimento mais resistente. Mais potente, ele agrada especialmente em estrada, mas também deixa a sensação de que a relação final da transmissão privilegia consumo em detrimento do desempenho.

Recebeu igualmente a letra A no selo de eficiência energética. Na cidade faz 7,9 km/l com etanol e 11,5 km/l com gasolina. Na estrada esses números sobem para 9,5 km/l e 13,6 km/l. Também colaboram para a economia de todos os novos Ka os pneus “verdes” (com baixa resistência ao rolamento) fabricados pela Pirelli e o coeficiente aerodinâmico de 0,338 para o Ka e 0,323 para o Ka+.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 15/11/2017
Mudança na mobilidade domina discussões do Congresso SAE Brasil

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro