Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Chery fará nova geração do Tiggo no Brasil
Novo Tiggo será o terceiro produto da Chery fabricado em Jacareí

Indústria | 12/12/2014 | 20h13

Chery fará nova geração do Tiggo no Brasil

Para aumentar nacionalização, terá parque de fornecedores em Jacareí

PEDRO KUTNEY, AB

A Chery já decidiu qual será o seu terceiro produto fabricado no Brasil, após o Celer (hatch e3 sedã) e o novo QQ. A quinta geração do SUV urbano Tiggo deve entrar na recém-inaugurada linha de produção de Jacareí (SP) no segundo semestre de 2015. “Já entramos com o projeto no Ministério do Desenvolvimento para inclusão do modelo na nossa habilitação do Inovar-Auto”, revelou Luis Curi, vice-presidente da Chery Brasil.

O novo Tiggo já foi mostrado ao público brasileiro este ano no último Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro passado. O carro faz parte do projeto New Generation da Chery, que traz à marca nível aprimorado de design e acabamento. O plano inicial era importar o modelo da China a partir de dezembro de 2015, mas a alta do dólar diante do real mudou essa perspectiva.

O Tiggo foi o primeiro carro da Chery lançado no Brasil, em 2009, e já passou por uma reformulação estética. Desde então o modelo é montado no Uruguai em CKD, com partes importadas da China, em uma pequena linha de montagem mantida pela Chery com um sócio minoritário argentino, o Grupo Macri. Dessa forma a Chery aproveitava as concessões do Mercosul para trazer o Tiggo ao mercado brasileiro sem pagar imposto de importação nem os 30 pontos adicionais de IPI impostos a veículos importados desde 2012.

A intenção era continuar a montar o Tiggo antigo o Uruguai para exportação à Argentina. Contudo, com a decisão de fabricar a nova geração do SUV no Brasil, que será base de exportação para todos os países sul-americanos, a montagem do carro na linha uruguaia perde o sentido e será interrompida no ano que vem. Segundo Curi, ainda está em estudo se algum produto da Chery poderá continuar a ser montado no Uruguai. O ritmo de produção da unidade já está bastante prejudicado com a redução dos embarques ao Brasil e a quase paralisação das vendas para o mercado argentino, que despencaram este ano, com nível 60% inferior ao de 2013 (e a marca é a oitava mais vendida no país vizinho).

Outro efeito da alta do dólar sobre o real na Chery é a aceleração do plano de nacionalização dos produtos fabricados em Jacareí. “Não é só para atender as exigências do Inovar-Auto, mas porque o câmbio nesse nível tornou as peças importadas muito mais caras e aumentou nossos custos de produção. Queremos elevar a nacionalização ao grau máximo o mais rápido possível, antes de 2016”, revela Curi

Para isso, está em curso a instalação da “Cidade Industrial Chery”, que segundo Curi irá ocupando uma área no entorno da fábrica de 4 milhões de metros quadrados. “A desapropriação já está sendo negociada com o município”, revela. Ele acrescenta que existem cinco fornecedores, dois deles da China, já acertados para se instalar no parque.

Outro projeto que começa a andar logo no início de 2015 é o prometido centro de pesquisa e desenvolvimento, que deve ser instalado dentro da área da fábrica de Jacareí. A intenção é realizar no País um maior número de projetos e, ao mesmo tempo, atender também às exigências de investimento em engenharia do Inovar-Auto.



Tags: Chery, indústria, Inovar-Auto, Anfavea, Celer, QQ, Tiggo, lançamento.

Comentários

  • Claudio

    estou comprando um tiggo em janeiro e fico na duvida de esperar o novo tiggo 2015 ou comprar logo esse modelo 2014/2015 que por sinal é muito bonito. fiz o testdrive e gostei muito mas fico imaginado comprar e ele sair de linha no mesmo ano ou logo no ano seguinte.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência