Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 06/01/2015 | 19h04

Vendas de veículos: Fenabrave espera queda de 0,5% em 2015

Nova legislação de retomada dos carros por bancos pode salvar o ano

GIOVANNA RIATO, AB

Depois do difícil 2014, este ano promete trazer mais desafios para o setor automotivo. A Fenabrave, federação dos distribuidores de veículos, projeta que as vendas vão diminuir 0,5%, para 3,47 milhões de unidades. Segundo a entidade, devem ser emplacados 2,47 milhões de automóveis, 832,1 mil comerciais leves, 135,4 mil caminhões e 31,8 mil ônibus. A contração reflete o alto comprometimento da renda das famílias, que enfrentam dificuldade cada vez maior para comprar novos bens. Este movimento pressiona para cima os índices de inadimplência, outro fator preocupante, já que o aumento dos calotes faz com que os bancos elevem a cautela para liberar crédito. Hoje são aprovadas apenas três em cada 10 pedidos de financiamento.

A situação pode ser revertida por um fator novo: a legislação que facilita para os bancos a retomada de carros de clientes inadimplentes, aprovada em novembro do ano passado. A Fenabrave não considerou a influência da medida ao fazer as projeções, já que ainda não se sabe o real impacto da lei no mercado. Ainda assim, as expectativas são altas, com possibilidade de aumento da oferta de crédito com taxas de juros mais atrativas. “Estimamos que a medida possa gerar o equivalente a um mês adicional de vendas no ano, somando mais de 200 mil emplacamentos”, avalia Alarico Assumpção Jr., que assumiu a presidência da Fenabrave em 1º de janeiro.

A economista Tereza Maria Dias, diretora da MB Associados e responsável pelas projeções da Fenabrave, não indica qualquer otimismo para os próximos meses. “O PIB deve ter crescimento próximo de zero este ano e a redução do nível de consumo deve persistir”, analisa. Ainda assim, a especialista reconhece um sinal positivo no cenário econômico: a nomeação de Joaquim Levy para o ministério da Fazenda. “Esta medida elevou a confiança dos empresários, o que é essencial para que o País receba investimentos.”

DESAFIOS PARA 2015

O presidente da federação lembra que o mercado enfrentará em 2015 a volta da cobrança integral da alíquota do IPI. O governo oferecia desconto para o tributo desde 2012 como forma de incentivar as vendas, mas, desde o início deste ano o imposto que ficava entre 3% e 10% para automóveis passou a variar de 7% a 13%. Ainda assim, a Fenabrave indica que o setor trabalha com cerca de 44 dias de estoques de carros com as alíquotas antigas.

Passado o período de negociar estes modelos, Assumpção prevê que, ao absorverem o aumento da alíquota, os preços dos carros tenham alta média de 3,5% a 5% para o consumidor final, dependendo da estratégia de cada montadora. Tereza enfatiza que o aumento é pequeno, mas que tem potencial para gerar forte impacto em um ano como este, em que o consumidor tenta conter gastos.

Outra barreira às vendas em 2015 afeta os veículos pesados. As condições de financiamento pelo Finame PSI foram revistas e agora estão menos favoráveis com taxas de juros entre 9% e 10% e necessidade de dar entrada de 30% ou 50%, dependendo do tamanho da empresa (leia aqui). Apesar das mudanças, Assumpção entende que este não é o principal fator de influência das vendas. “O setor de caminhões depende do crescimento da economia”, salienta. Segundo ele, as condições ainda são interessantes, com taxas menores do que a Selic. O presidente da Fenabrave aponta que o crédito continuará acessível para os grandes frotistas. “Foi uma conquista importante estender o PSI.”

Os autônomos, no entanto, que respondem por entre 70% e 75% da frota brasileira de caminhões, devem continuar com dificuldade para acessar a linha subsidiada do BNDES. Assumpção acredita que a única saída para resolver esta situação é a aprovação de um programa nacional de renovação de frota. “A política está praticamente pronta, mas falta definir como será fomentada”, explica.

RESULTADOS DE 2014

O ano passado terminou com bom resultado em dezembro, quando foram negociados 353,8 mil veículos. A marca é a terceira melhor da história para o mês. Houve expansão de 25,6% sobre novembro e de 4,6% na comparação com igual período de 2013. O bom volume de negócios trouxe certo alívio para o resultado do ano, que terminou com mercado 7,1% menor. Foram emplacados 3,49 milhões de veículos de janeiro a dezembro de 2014.

A maior queda foi registrada entre os veículos pesados, de 11,6%. As vendas de caminhões sofreram baixa de 11,3%, com 137 mil unidades. O segmento de ônibus diminuiu 12,8%, para 32 mil chassis. Já a demanda por automóveis teve contração de 9,4% e chegou a 2,49 milhões de carros. Com 832,1 mil veículos, o segmento de comerciais leves foi o único a apresentar expansão, ainda que tímida, de 1,4%.

Assumpção admite que o cenário de queda fez a rede de distribuição se reestruturar para ficar adequada ao novo cenário. O número de concessionárias permanece estável em cerca de 8 mil casas, considerando novas marcas que estão chegando ao Brasil. Houve, no entanto, enxugamento do quadro de funcionários, segundo a Fenabrave. O setor emprega agora 409 mil pessoas. “Já estamos adaptados ao cenários menor, portanto não prevemos demissões para este ano”, garante o presidente da entidade.



Tags: Fenabrave, vendas, veículos, mercado, automóveis, caminhões.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência