NOTÍCIAS
28/01/2015 | 00h05

Lançamentos

Audi A4 e A5 2015 trocam motor 2.0 por 1.8 TFSI

Carros compensam perda de 10 cv com economia de combustível acima de 20%


MÁRIO CURCIO, AB

Audi A5 (à esquerda) e A4 compartilham o 1.8 TFSI e o câmbio CVT (foto: Mário Curcio)
A Audi começa a vender no Brasil os novos A4 e A5 Sportback equipados com motor 1.8 TFSI, de 170 cavalos. O propulsor entra no lugar do 2.0 TFSI. A troca resultou em perda de 10 cavalos. A contrapartida foi uma importante redução de consumo, mais de 20% de acordo com a empresa. O A4 1.8 sedã parte de R$ 138.990 na versão Attraction. A opção Ambiente sai por R$ 147.990. Os preços para o A5, também nestas duas versões, são de R$ 155.990 e R$ 167.990. A rede também já está abastecida com a A4 Avant Ambiente 1.8, perua tabelada em R$ 152.990.

O novo 1.8 TFSI é a terceira geração da família de motores EA 888. Ficou 7,8 quilos mais leve e tem o mesmo torque (32,6 kgf.m) do 2.0 antecessor. “Com a troca do motor e uma nova programação do câmbio automático CVT foi possível manter o bom desempenho dos carros. No A4 a aceleração de zero a 100 km/h subiu apenas um décimo de segundo, de 8,2 para 8,3 s”, afirma o consultor técnico Lothar Werninghaus.

No A5, a aceleração da imobilidade aos 100 km/h melhorou 0,2 s e ocorre agora em 8,4 s. A redução de consumo nos dois carros ocorreu, entre outros motivos, pela adoção do Start-Stop e de um sistema de alimentação que combina injeções direta e indireta. “São duas galerias e oito bicos injetores", diz Werninghaus. As duas injeções trabalham em conjunto em diferentes condições.

LISTA DE EQUIPAMENTOS

A Audi fez pequenas mudanças nos itens disponíveis dos dois carros. O A4 sedã Attraction passa a vir de série com sensor traseiro de estacionamento, sensores de chuva e luminosidade, volante esportivo com a base reta e frisos brilhantes em torno dos vidros. O Ambiente traz também teto solar elétrico, rodas de 18 polegadas, freio de estacionamento eletromecânico e aletas para troca de marcha atrás do volante. O navegador GPS é opcional para ambos. O novo A5 recebeu rodas de 18 polegadas.

A geração atual do A4 foi lançada em 2012 (um facelift), quando o modelo teve 1.260 unidades vendidas. No ano seguinte saltou para 1.690. Em 2014 teve 1,6 mil carros emplacados. O gerente de marketing de produto Gerold Pillekamp não admite que a pequena retração se deva ao início das vendas do A3 sedã (no começo de 2013): “Foi uma queda de apenas 90 unidades. O público do A4 é mesmo diferente (do A3 sedã)”, diz.

O A5 Sportback foi lançado em 2012, ano em que teve 396 unidades licenciadas. Em 2013 saltou para 720 e em 2014, para 801 carros. Pillekamp considera o BMW 320 GT como concorrente mais próximo do A5 Sportback. Leia aqui a entrevista dada pelo gerente de marketing sobre o bom momento da Audi no País.

DESEMPENHO NA MEDIDA CERTA

Automotive Business dirigiu o A4 sedã e o A5 Sportback por cerca de 100 quilômetros. A transmissão automática CVT que simula oito marchas equipa os dois carros e é muito eficiente. No modo manual e em oitava marcha, mal se ouve o motor funcionando ali na frente: a 120 km/h ele trabalha a menos de 2 mil RPM.

De acordo com a montadora, com a troca do motor 2.0 pelo 1.8, a velocidade máxima do A4 sedã baixou dos 226 para 225 km/h. O consumo, porém, passou de 14,1 para 17,2 km/l. O A5 Sportback também ficou apenas 1 km/h mais lento e agora atinge 220 km/h. Mas foi dos 13,9 para os 16,5 km/l.

Os dois modelos compartilham a mesma plataforma e têm distâncias entre eixos quase iguais (2.808 milímetros no A4 e 2.810 mm no A5). O espaço é muito bom nos bancos dianteiros e traseiros. Os porta-malas comportam 480 litros de bagagem.

Comentários: 1
 

Renato
28/01/2015 | 09h57
Um carro desse porte e valor, quem compra não está preocupado com o consumo de combustível, tiro no pé Audi... Quem quer carro fraco compra Uno...

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 15/11/2017
Mudança na mobilidade domina discussões do Congresso SAE Brasil

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro