Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 05/02/2015 | 19h23

Anfavea quer mais acordos bilaterais para agilizar exportações

Com dificuldades na Argentina, fabricantes miram outros destinos

SUELI REIS, AB

A Anfavea tem pressa em concluir novos acordos bilaterais para ampliar as exportações e não depender tanto da Argentina, que devido às dificuldades macroeconômicas registrou queda de 39% das vendas internas em janeiro com relação a igual mês de 2014 e segue com expectativa de baixa. A situação do país vizinho foi o fator que mais impactou as exportações brasileiras, que caíram 28% na mesma base de comparação, para pouco mais de 16,3 mil unidades, entre leves e pesados, segundo dados divulgados pela entidade na quinta-feira, 5.

- Veja aqui os dados da Anfavea

Em valores, a queda foi de 27%, passando de US$ 897,8 milhões em janeiro de 2014 para US$ 656,5 milhões no último janeiro, o pior resultado dos últimos três anos, pelo menos.

“É um começo difícil com as exportações; sofremos os reflexos desta queda do mercado argentino. Com isso estamos dando continuidade às reuniões para abertura de novos acordos com outros mercados, como a Colômbia”, afirma Luiz Moan, presidente da Anfavea. “Após uma reunião na semana passada, acredito que em até dez dias, antes mesmo do carnaval, devemos entregar a ambos os governos – Brasil e Colômbia – um consenso sobre o acordo que pretendemos com empresas do setor privado”, disse sem detalhar o tipo de acordo que as montadoras planejam para aquele mercado.

Moan informou ainda que também espera obter nos próximos dez dias uma posição do governo brasileiro para definir um novo acordo com o México, com quem mantém desde 2012 política de cotas sem cobrança do imposto de importação e cujo prazo termina no próximo mês.

Os novos acordos bilaterais são parte do pacote de medidas dentro do Exportar-Auto, proposta entregue pela Anfavea ao governo brasileiro em dezembro de 2013 com apontamentos que podem melhorar a competitividade da indústria e melhorar o desempenho das exportações.

“Estamos em constante diálogo com o governo para implementar as medidas do Exportar-Auto, que contam com mais de 50 ações destinadas não só ao segmento automotivo, mas que podem ser oferecidas a outros setores da economia”, lembra Moan.

Entre as medidas, o presidente da Anfavea cita a defesa da entidade pelo Reintegra em caráter permanente e não da forma atual, com renovações atuais. “Todo programa com foco nas exportações deve ser pensado para o longo prazo. Pedimos ao governo brasileiro não só a simplificação das medidas para exportações, mas também previsibilidade, desta forma teremos condições de melhorar nossa competitividade.”

Moan também citou a expectativa de que as medidas de ajustes na economia brasileira possam surtir efeito quanto à volatilidade do dólar. “Quando registramos recorde de exportações em 2005, o câmbio era de R$ 2,90. No ano passado, o dólar fechou em R$ 2,31. Tivemos 10 anos de aumento nos custos e sem incentivos às exportações, cenário em que é impossível manter competitividade.”

Assista à entrevista exclusiva com Luiz Moan, presidente da Anfavea:



Tags: Exportações, Anfavea, Luiz Moan, câmbio, Exportar-Auto.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência