Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Balanço | 12/02/2015 | 16h23

Lucro líquido do Grupo Renault decola em 2014

Resultado alcança € 1,9 bilhão contra os € 695 milhões do ano anterior

REDAÇÃO AB

O Grupo Renault, que reúne as marcas Renault, Nissan, Dacia e AvtoVaz, comemora os resultados financeiros de 2014: o lucro líquido da companhia quase triplicou em um ano, passando de € 695 milhões em 2013 para € 1,9 bilhão no ano passado, conforme balanço divulgado na quinta-feira, 12.

Com a venda de 2,7 milhões de veículos em 2014, volume 3,2% acima do apurado no ano anterior, o faturamento do grupo ficou estável, com viés positivo de 0,3%, para € 41 bilhões. Sem o efeito de câmbio volátil, o faturamento cresce 3,1%. A margem operacional, que representou 3,9% da receita, fechou em € 1,6 bilhão. Segundo o relatório, a empresa saiu de prejuízo de € 34 milhões em 2013 para lucro operacional de € 1,1 bilhão no ano passado.

“Atingimos todos os objetivos anunciados para 2014. Esta nova etapa confirma que estamos no caminho certo para atingir as metas de nosso planejamento estratégico ‘Renault Drive the Change’. O ano de 2015 deverá permitir o alcance de novos patamares, graças a uma ofensiva de produtos sem precedentes na história da Renault”, declarou Carlos Ghosn, presidente do Grupo Renault.

Do total faturado, € 38,8 bilhões foram provenientes da divisão automobilística, também em alta de 0,3% com relação a 2013. O grupo informa que compensou o impacto negativo das moedas com altas de preços, com exceção da Europa, e com uma elevada progressão das vendas de componentes e veículos às empresas parceiras. Os outros produtos e despesas operacionais ficaram negativos em € 504 milhões, principalmente em razão de custos de reestruturação de € 305 milhões e a depreciação de ativos, de € 153 milhões.

A participação das empresas associadas nos resultados recuou 5,6%: enquanto a fatia da Nissan cresceu 61%, para € 1,5 bilhão, a russa Avtovaz aumentou o prejuízo de € 34 milhões para € 182 milhões.

Já a contribuição da divisão financeira (Banco Renault) para a margem operacional atingiu € 751 milhões, alta de 0,5% na comparação anual. A estabilidade é resultado da queda do produto líquido bancário compensada pela alta da média dos créditos em circulação e o desenvolvimento das atividades de serviços. O custo do risco ficou estável em 0,43%.

PERSPECTIVAS 2015

Após um resultado confortante, o Grupo Renault projeta que o mercado global de veículos deve avançar 2% em 2015, apesar das incertezas econômicas em vários países. O mesmo índice de alta é esperado pela empresa na Europa, enquanto prevê que ainda haja forte volatilidade nos principais mercados emergentes.

Com esta avaliação, a companhia traça para este ano aumentar novamente o volume de vendas e faturamento, considerando o câmbio constante, manter o ritmo de melhora da margem operacional, incluindo da divisão automotiva, e gerar fluxo de caixa livre operacional positivo para a divisão responsável pela venda de veículos.



Tags: Balanço, lucro líquido, Renault, faturamento, receita, Carlos Ghosn.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência