Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Paraguai atrai montagem de autopeças
Linha de montagem de chicotes da Yazaki no Paraguai: exportação para fabricantes de veículos no Brasil

Negócios | 02/03/2015 | 20h00

Paraguai atrai montagem de autopeças

País oferece imposto único de 1% para empresas exportadoras

PEDRO KUTNEY, AB

Com oferta de incentivo fiscal, o menor custo de energia elétrica da América Latina e mão de obra farta e barata, o Paraguai quer se tornar mais um ator da indústria automotiva do Mercosul. Por meio do Projeto Maquila, que existe desde 2001, nos últimos dois anos o país vem centrando esforços para atrair empresas de autopeças, que ao instalar linhas de montagem de componentes em território paraguaio podem importar máquinas e matérias-primas sem pagar imposto de importação, e quando exportam os bens acabados só pagam 1% sobre o valor da fatura. A maior parte dessas exportações é para as fabricantes de veículos no Brasil, que podem trazer as peças do Paraguai dentro do regime de nacionalização do Mercosul, livres de alíquotas alfandegárias para produtos com o mínimo de 40% de insumos produzidos na região – para Brasil e Argentina esse índice é de 60%, mas o país vizinho tem direito a usar o menor porcentual do bloco até 2019, como forma incentivo à sua industrialização.

“Depois que a Yazaki (fabricante de chicotes elétricos) se instalou no Paraguai (em 2013) isso chamou a atenção de outras empresas do mesmo setor que precisam de alta intensidade de mão de obra”, explica Roger Simas, diretor da Panamericana Consultores Associados, consultoria jurídica tributarista de Curitiba (PR) que há dois anos montou escritório em Assunção, a capital paraguaia, para assessorar empresas que queiram se instalar no país com os benefícios do Projeto Maquila. Recentemente, a consultoria apresentou as vantagens do regime à diretoria Sindipeças, que reúne cerca de 500 fabricantes de autopeças instaladas no Brasil. “Houve bastante interesse, os custos são imbatíveis e pode ser uma saída competitiva para as autopeças brasileiras. Incluindo tudo, mesmo com o frente, um produto montado no Paraguai chega ao Brasil custando cerca de 15% menos do que o similar produzido aqui”, afirma. “No momento estamos assessorando duas indústrias do setor que devem construir plantas

O advogado avalia que os benefícios oferecidos hoje não deverão durar para sempre, mas somente até o país elevar seu nível de industrialização. Segundo ele, os outros sócios do Mercosul toleram a concessão de incentivos porque o Paraguai é pequeno, com PIB em torno de US$ 26 bilhões e pouca força econômica para incomodar os vizinhos.

BAIXO ÍNDICE DE NACIONALIZAÇÃO

Outro fator que pode impulsionar ainda mais a instalação de empresas de autopeças é o Projeto Tríplice Fronteira, apresentado pela associação de fabricantes de veículos, a Anfavea, ao governo brasileiro para fomentar a instalação de um polo produtor de autopeças na região das fronteiras entre Brasil, Paraguai e Argentina. Com a maior exigência de uso de componentes nacionais pelas montadoras no Brasil, conforme prevê o Inovar-Auto para ter direito a abater impostos, montar no país vizinho seria uma forma de driblar a rastreabilidade, que mede o conteúdo importado das peças, pois as partes montadas no Paraguai ganham o selo de conteúdo nacional do Mercosul, mesmo que tenham grande quantidade de itens que vêm de fora do bloco.

Simas explica que para se instalar no país vizinho sob o regime Maquila a empresa precisa se habilitar junto ao Ministério da Indústria e Comércio do Paraguai, que homologa o índice de nacionalização necessário para exportação aos países do Mercosul sem cobrança de imposto de importação nos mercados de destino. “É possível participar importando até 60% dos componentes usados para montar o produto e os outros 40% (que incluem itens como mão de obra e energia gasta no processo) devem ser adquiridos no Mercosul. Mas o fabricante também pode ser habilitado como transformador, que importa só as matérias-primas e transforma em um componente acabado, aí ganha 100% de origem (intrabloco). Temos conseguido habilitar muitas indústrias assim”, diz.

Para ajudar a reduzir ainda mais os custos de insumos, a energia elétrica paraguaia é, de longe, a mais barata encontrada em toda a América Latina. O Paraguai tem excedentes gerados na hidrelétrica binacional de Itaipú. Boa parte é vendida ao Brasil e o resto fica no país a preços módicos. As indústrias pagam apenas US$ 57 por 50 MWh, contra US$ 183 no Brasil.

MÃO DE OBRA BARATA

Outra grande vantagem oferecida é a mão de obra barata. “O salário mínimo no Paraguai é de cerca de R$ 900, mas lá este é efetivamente o valor pago para quem trabalha na linha de produção, enquanto no Brasil é só uma referência, pois poucos ganham o mínimo nesse setor por aqui”, lembra Simas. A tributação sobre a folha também é a menor do Mercosul: os encargos sociais somam 35%, contra 102% no Brasil, 70% na Argentina e 48% no Uruguai. Com população de 6,7 milhões, 75% dos paraguaios têm até 39 anos e está em idade ativa, o que facilita as contratações, mas o nível de qualificação é baixo e muitos precisam de treinamento antes de iniciar nas fábricas de autopeças. “São pessoas para trabalhar na linha de produção. A maioria dos engenheiros e outros funcionários de maior escalão vem do Brasil”, conta o consultor.

Simas cita que a Yazaki já tem mais de 1,2 mil empregados na cidade de Mariano Roque Alonso e poderá chegar a 2 mil. A maior parte da produção de chicotes elétricos da empresa é exportada para a fábrica da Renault em São José dos Pinhais (PR). Outros fabricantes de chicotes estão seguindo o mesmo caminho.

A THN, que fornece cabeamento para a Hyundai e Kia, começou a produzir no país vizinho com fábrica para 2 mil funcionários. Na mesma atividade, a Fujikura se instalou com 1,2 mil trabalhadores em Ciudad del Leste, na fronteira com o Brasil, para fornecer principalmente à Volkswagen. Outra que em breve começa a fazer chicotes em San Lourenzo será a alemã Leoni, com planta para 2 mil operários e potencial de fornecer à BMW, Audi, Mercedes-Benz, Caterpillar e GM, que já são clientes em outros países. Para não ficar atrás, a Delphi, atualmente a maior fornecedora de arquitetura eletroeletrônica veicular no mercado brasileiro, também estuda abrir unidade no Paraguai.

Essas empresas também podem, se quiserem, terceirizar parte da produção por meio da subcontratação de outras fábricas e manter os mesmos benefícios, desde que sejam componentes para exportação. Somando tudo, segundo o governo paraguaio, fornecedores de autopeças instalados no país já empregavam perto de 12 mil pessoas no fim de 2014. Além da produção de chicotes, operam no Paraguai fabricantes de peças plásticas.

“Com tantas vantagens, a única contraindicação é a imagem negativa que ainda persiste do Paraguai como polo de contrabando, mas o país mudou muito e hoje oferece segurança às indústrias que se instalam”, afirma Simas. Segundo ele, “até mesmo empresas quebradas no Brasil podem se aproveitar dos benefícios do regime Maquila, basta se habilitar ao programa”.



Tags: Paraguai, Maquila, autopeças, benefício fiscal, comércio exterior, Mercosul, exportação, importação.

Comentários

  • Álvaro Almiro Ignácio

    Prezado Pedro, Parabéns pela reportagem, ficou ótima, assim é uma informação esclarecendo essa oportunidade. Um Forte Abraço,

  • PAULO MOTTA

    Enquanto a presidenta Dilma ajuda Paraguai e Bolivia, eles se fortalessem e acabam prejudicando o povo brasileiro, pois estas industrias se estivessem instaladosd no Brsil poderiam estar gerando mais empregos por aqui, e o que eles puderem fazer para prejudicxar o Brasil eles fazem e não pensam duas vezes, com intensa colaboração do ministro joaquim Levi, pois com as últimas medidas está contribuindo ainda mais para o aumento do custo Brasil.

  • Alberto Patricio Solis Bojanovic

    Ja tive oportunidade de trabalhar no Chile, na Argentina e no Brasil na industria automotriz baixo os acordos de Pacto Andino; ALAC; e Mercosur. Os resultados destes emprendimentos foram negativos por varias razões, entre elas untitrust; Alfandegas completamente burocraticas e inuteis; logistica sem noção do emprendimento, e finalmente infraestrutura deficiente nas rodovias e outros acessos de escoamento da produção. Tomara que desta vez este assunto funcione. Parabens.

  • Ferdinand

    Paulo Motta: não sei qual a ajuda da Dilma ao Paraguai. Nós paraguaios somos quem estamos alavancando nosso país. É simples: nós oferecemos - e fazemos questão - condições ótimas para estabelecimento das indústrias no nosso país. Vocês brasileiros, não tem a visão nem a inteligência necessária para se manter atrativos para os investidores. Agora que o Paraguai está decolando e dando muita lição ao Brasil, é que pessoas como você começam com aquele papo insensato.

  • Pablo Gonzalez

    O que a reportagem não diz mas essas empresas usam bastante. A legislação paraguaia permite emprego a título de treinamento por 3 meses em troca de transporte e comida. Isso tem outro nome aí no Brasil.

  • Laercio Antonio Zaratin

    Se a diferença de custo chega posto ao Brasil em 15%, porque o governo brasileiro, se é que existe, não propõe soluções para que se atinja essa redução nos nossos custos? Tem tanta coisa que pode ser feita, mas tem poucos la no governo que entendem de industrias e não sabem onde mexer. As instituições que poderiam ajudar, parecem caladas, esperando não sei o que. Na década de 50 o Brasil tb ofereceu facilidades para a chegada de industrias estrangeiras, até hoje ainda existem benefícios para instalações de empresas em alguns estados brasileiros. Ficar esperando a banda passar é que não vai resolver esse problema de desvio de postos de trabalho.

  • Marcelo Monteiro de Carvalho

    Gostaria de mais informações sobre MAQUILA e os trâmites legais para o seu enquadramento. De certo, os atrativos superam em muito a alta burocracia, impostos, encargos, custos no Brasil, aliado tbem a total falta de uma política séria brasileira. Creio que isso será muito mais que um atrativo.

  • Manolo Mayan

    Gostaria de obter os contatos para instalação de empresas de auto pecas sendo que atuo em tal seguimento fornecendo fitas chapas Bobinas de aço como também existem varias estamparias de auto pecas que gostaria de se instalar no Paraguai gostaria de obter lista de empresas que utilizam aço no paraguai muito Obrigado

  • idair lopes de oliveira

    quero parabenizar o governo ´paraguaio. por essa grande revolução em seu pais, com pessoas capazes de alavancar uma economia, com ministro que realmente sabe administrar um pais, naõ um governo corrupto como nosso governo, a tempo que o brasil vem perdendo p o paraguai.

  • ROGER

    O povo Paraguaio está empregado, mais esse regime de emprego é falho para eles, baixo salário, nenhum beneficio , é isso que as empresas querem mesmo.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência