Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Lançamentos | 25/03/2015 | 21h00

Uma volta em dois mundos do Jeep Renegade

Versões diesel 2.0 ou com motor 1.8 flex são carros bastante diferentes

PEDRO KUTNEY, AB | Do Rio de Janeiro (RJ)

Existem dois Jeep Renegade bastante distintos. Apesar da aparência de irmãos gêmeos, faz muita diferença o que está por baixo do capô. São experiências bem diferentes dirigir a versão diesel 2.0, de 170 cavalos, 4x4 com câmbio automático de nove marchas, e a 1.8 flex, de 132 cavalos, tração dianteira e transmissão automática de seis velocidades (ou manual de cinco). Enquanto um tem powertrain sofisticado, potente e eficiente, com desempenho muito bom tanto na estrada quanto fora dela, a versão flex empobrece o projeto para torná-lo mais acessível ao bolso dos brasileiros.

O motor 1.8 e.TorQ Evo bicombustível etanol-gasolina que equipa o Jeep Renegade brasileiro é produzido pela Fiat desde 2010 em Campo Largo (PR) e já equipa os modelos Punto, Linea e Bravo no País. Curiosamente, trata-se de um projeto Chrysler, grupo ao qual pertence a marca Jeep. A fábrica paranaense e seus projetos foram comprados pelo grupo italiano em 2008 da Tritec, uma associação extinta da BMW com a também extinta DaimlerChrysler, que até 2007 fazia motores para modelos Chrysler e Mini. Muitos anos mais tarde, o antigo motor volta a se encontrar com seu criador original em um dos primeiros carros da FCA, empresa formada no ano passado após a formalização da compra do Grupo Chrysler pela Fiat.

Na prática, porém, o reencontro não é dos mais felizes. Apesar do retrabalho feito no motor 1.8 para elevar levemente em 0,2 kgfm o torque a 18,6 com gasolina e 19,3 com etanol (a potência ficou inalterada em 130 e 132 cv, respectivamente), ainda não foi suficiente para tornar a condução do Renegade mais prazerosa. Com a transmissão automática de seis velocidades, o carro ficou xoxo, demora a reagir ao acelerador. Quem dirigiu o Renegade com câmbio manual de cinco marchas relatou performance melhor.

Enfim, o desempenho do Renegade flex não é dos melhores, embora para uso urbano seja suficiente. Para coisa melhor do que isso um turbocompressor cairia bem, podendo até reduzir a capacidade volumétrica do motor para 1,6 litro com ganhos de potência e consumo. O consolo é que a FCA fez coisa pior na Europa, onde vende o carro com motor e.TorQ a gasolina 1.6 de 110 cavalos. Em compensação, não cometeu o mesmo atrevimento dos Estados Unidos, onde existe motorização 2.5.

Mas a pergunta que fica é: Para que ter um carro com visual e apelo esportivo fora-de-estrada se na verdade ele não serve para isso? No caso, as versões 1.8 de R$ 69,9 mil a R$ 80.900 ficam caras quando comparadas ao também recém-lançado concorrente SUV urbano compacto Honda HR-V, com maior espaço interno para a família, motor mais eficiente e potente (1.8 flex de 139 cv) e preços parecidos, de R$ 69,9 mil a R$ 88,7 mil (leia aqui).

OUTRO MUNDO MAIS CARO



Em termos de desempenho, tudo muda de figura a bordo do Renegade turbodiesel 2.0 de 170 cavalos e expressivo torque de 35,7 kgfm. O motor, importado pela Fiat da Itália, tem injeção common rail da Bosch e está disponível somente com a moderna transmissão automática de nove velocidades, fornecida pela ZF da Alemanha, que foi lançada há cerca de dois anos e equipa modelos bem mais sofisticados como o Jeep Cherokee e o Land Rover Range Rover.

Mas a sofisticação do powertrain cobra seu preço. No caso, são R$ 30 mil a mais na comparação com a versão flex mais barata. O Renegade Sport turbodiesel parte de quase R$ 100 mil, chega a R$ 116,9 mil no topo de linha Trailhawk e ultrapassa facilmente os R$ 120 mil com a instalação de alguns opcionais (leia aqui). Se a opção flex pode ser considerada cara porque falta desempenho, na diesel isso também é verdade porque sobra performance.

Todas as três versões diesel do Renegade (Sport, Longitude e Trailhawk, nesta ordem de sofisticação) são 4x4 – condição necessária para atender a legislação brasileira, que só permite o uso de motorização diesel em veículos leves com tração nas quatro rodas e reduzida. Tudo é controlado eletronicamente. A redução com bloqueio de diferencial é acionada com um simples toque de botão, assim como é possível selecionar no sistema Jeep Select-Terrain, já presente em seus irmãos maiores como o Cherokee, quatro opções de tracionamento, dependendo do tipo de terreno: automática, lama, areia, neve e pedras. Para descidas em terrenos muito íngremes e acidentados, basta ligar o assistente eletrônico de rampa, que controla os freios e faz o carro descer o morro suavemente, sem que o motorista precise pisar nos pedais.

A grande capacidade fora-de-estrada do Renegade turbodiesel faz jus ao legado da Jeep, marca que se notabilizou justamente por essa qualidade, mas o desempenho on-road também não fica devendo. Na estrada ou no trânsito da cidade o SUV é bastante confortável de dirigir. As acelerações e retomadas são rápidas e o carro ultrapassa a barreira dos 100 km/h em menos de 10 segundos. Graças ao esticado câmbio de nove marchas, em velocidade constante o motor tem giro baixo, em torno de 1.000 rpm, o que garante economia de combustível nessas condições. Rodando por uma rodovia bastante travada entre Niterói e Maricá, próximo do Rio de Janeiro, o marcador instantâneo de consumo mostrou entre 11 e 12 km/l.

QUALIDADES COMPARTILHADAS



Se tem desempenho muito diferente entre suas duas motorizações, ao menos o Renegade compartilha boas qualidades em todas as três versões, a começar pelo acabamento interno acima da média nacional (o que não precisa de muito para superar, diga-se), com revestimentos emborrachados e volante envolto em couro sintético. O painel de instrumentos (fornecido pela Magneti Marelli) é moderno e apresenta boa visualização, com tela LCD configurável entre o velocímetro e conta-giros – pode ser colorida de 7 polegadas como opcional e de série na Trailhawk. São de série desde a opção mais barata os confortos básicos como ar-condicionado, direção assistida elétrica, sistema de som com conexão Bluetooth para celular e acionamento elétrico de travas, retrovisores e vidros. O freio de estacionamento também é elétrico e destrava ou trava automaticamente.

O controle eletrônico de estabilidade ESC de série em todas as versões é outro ponto a favor do Renegade, algo fundamental para garantir a segurança em SUVs, que têm suspensão elevada e centro de gravidade mais alto. A boa dirigibilidade é assegurada pela direção elétrica com correção de rumo em caso de movimentos bruscos, além da suspensão independente na dianteira e traseira, o que torna a condução precisa e estável.

O sistema multimídia com tela sensível ao toque e navegação por GPS está disponível para qualquer Jeep Renegade, como opcional na versão Sport e de série para a intermediária Longitude e top Trailhawk. Essa é uma vantagem importante em relação ao Honda HR-V, que só traz navegador na opção mais cara e não oferece nas outras nem como opcional.

Os dois Renegade, flex e diesel, são esteticamente parecidos, mas vão trafegar em mundos bem diferentes, de classes sociais distintas.



Tags: Jeep, Renegade, lançamento, diesel, flex, Chrysler, Fiat, FCA.

Comentários

  • Henrique Campos

    O carro é extremamente interessante e me agrada bastante como opção para aquisição da versão Trailhawk que é a que realmente irá me atender. O grande porém ainda são: os custos da manutenção (pois o divulgação foi apenas da versão flex) seguro e principalmente os valores dos pacotes de opcionais. Isto pq, apesar de ser bem completo, ainda faltam itens mto importantes como: os 5 air bags complementares, banco de couro com ajustes elétricos, sendo estes q considero primordiais para o padrão e proposta deste carro e que elevariam o custo do carro para algo em torno de 148 mil, segundo informações não oficiais q circulam na internet.

  • Henrique Campos

    Ora, este suposto valor (e q ainda não contempla todos os pacotes opcionais o q teoricamente poderia passar de 160 mil na Trailhawk) pratica inviabiliza a aquisição pois coloca o carro em categorias de preços onde temos veículos concorrentes q serão mais interessantes. Além de outros SUV's a diesel de porte até maior, temos vários SUV's, crossovers e sedans de marcas consagradas como Land Rover, BMW, Audi, Mercedes e ainda outras mais como Ford, Hyundai, etc, etc.

  • Henrique Campos

    Enfim, sem dúvida o produto é mto bom e promete bastante, mas a esse custo fica inviável e incoerente com a proposta de SUV compacto com pretensões mto otimistas de venda e domínio do mercado. Vamos ver os próximos acontecimentos para tomada de decisão.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência