NOTÍCIAS
30/03/2015 | 20h30

Lançamentos

Duster segue como SUV brasileiro mais barato

Renault melhora o carro e mantém preços abaixo da concorrência nacional


VICTOR FRANÇOIS, AB | de Campinas (SP)

Atualizado em 31/03/2015 às 15h09

O Novo Duster passou por uma repaginação visual e, de roupa nova, vem para enfrentar a concorrência pesada que chegou recentemente ao Brasil, como os SUVs compactos Jeep Renegade, Honda HR-V e o Peugeot 2008, além do já estabelecido arquirrival Ford Ecosport, todos fabricados no país. O utilitário esportivo da Renault aliou as qualidades que já tinha, como o amplo espaço interno e preços mais baixos do que os competidores do segmento e ganhou novas armas, como melhoria do acabamento interno e modernização exterior nesse facelift.

Seus principais concorrentes hoje custam a partir de R$ 66,2 mil (EcoSport) e chegam a R$ 116,8 mil (Renegade). A diferença de preço em todas as versões do Duster é de praticamente mil reais a menos em relação ao modelo antigo, segundo o diretor de marketing da companhia, Bruno Hohmann, porém a versão mais barata da antiga geração, que custava R$ 59,6 mil (segundo tabela do Datafolha) e que sequer tinha nome, não foi apresentada. A nova versão de entrada, que agora começa em R$ 62.990 é mil reais mais em conta do que os R$ 63.990 do modelo antigo equivalente. A versão topo vai até R$ 78.490. É importante destacar que o Duster é o mais barato entre os modelos do segmento fabricados no Brasil. Há algumas opções mais em conta, como os importados Chery Tiggo e Lifan X60 , que partem de R$ 54.990 e R$ 59.990, respectivamente.

O Duster continua inconfundível por fora e sua identidade visual segue sendo a de um SUV bruto com linhas rígidas, que na versão 2016 foram ligeiramente suavizadas com os para-choques dianteiro e traseiro redesenhados, hack de teto, novo conjunto óptico com faróis dianteiros reestilizados e com máscara negra, além de lanternas traseiras em LED e com nova disposição de iluminação. O veículo também tem novas rodas, de 16 polegadas na versão de entrada, e a versão topo de linha é equipada com aro 16” de liga leve com detalhes em cinza escuro.

Agora, com a nova identidade visual da Renault já apresentada no Sandero e Logan, o Duster traz na grade frontal redesenhada o logo da marca redimensionado para maior, também majorado na tampa traseira.

Internamente o modelo foi aprimorado e deixou para trás o ar espartano, com excesso de plásticos rígidos e parafusos aparentes. É perceptível o esforço da Renault em melhorar a sensação dentro do carro. Agora mais agradável aos olhos e ao toque, apesar de ainda ter plásticos duros, o Duster parece ter passado no shopping para renovar seus aparatos. Com destaque no console central, a tela sensível ao toque de sete polegadas abriga o novo Media Nav Evolution, que fornece informações do trânsito em tempo real, acesso a redes sociais e outras funções como temperatura externa, eco-coaching e eco-scoring. O dispositivo vem de série para todos os modelos Dynamique e para o Duster Expression ele não está disponível nem como opcional. O carro continua contando com itens clássicos da Renault, como o comando satélite de rádio atrás do volante, e este, nas versões superiores, é multifuncional, com opções de piloto automático e limitador de velocidade e velocidade cruzeiro.

O propulsor do Duster apresenta novidades e na versão 2.0 ganhou 6 cv, agora com 148 cv a 5.750 rpm quando abastecido com etanol e 143 cv a 5.750 rpm rodando com gasolina. Já o motor 1.6 manteve os 110 e 115 cavalos da versão anterior, a gasolina e etanol, respectivamente. A melhoria foi no ganho de 1 kgfm de torque em baixa rotação, passando para 14,6 kgfm a 2.500 rpm, quando abastecido com etanol, e ganho de 0,5 kgfm de torque em baixa rotação, passando para 14,1 kgfm a 2.500 rpm quando abastecido com gasolina.

Segundo o diretor de marketing da companhia, Bruno Hohmann, a rede de concessionárias de São Paulo recebe o carro na primeira semana de abril e o resto do país terá o modelo até o final do mês.

TESTAMOS

Automotive Business teve a oportunidade de dirigir a versão intermediária Dynamique, com motor 2.0 e câmbio manual de seis marchas. Apesar de o modelo dirigido contar com tração 4x2, o Duster apresentou comportamento satisfatório em estrada de terra seca e sem grandes obstáculos, mostrando-se uma boa opção de compra para o motorista que deseja um carro forte a um preço menor - e que agora apresenta melhorias internas em conforto e navegabilidade da central multimídia.

Outro ponto melhorado é o isolamento acústico, com quase ausência de ruídos externos no interior da cabine, mesmo quando conduzido em alta velocidade: ouve-se apenas um ronco suave do motor, diferentemente da versão anterior, em que o som do rolamento dos pneus e outros barulhos podiam ser notados.

Já um ponto negativo fica com o controle elétrico dos retrovisores, localizado entre o câmbio e a alavanca do freio, local de difícil manuseio e nada intuitivo para quem nunca teve um Renault. Vale lembrar que a francesa já corrigiu esse problema no Sandero, porém a marca ainda se esquece dos clientes do Duster.

VERSÕES E PREÇOS:

Expression 1.6 manual 5 marchas – R$ 62.990
Dynamique 1.6 manual 5 marchas – R$ 67.990
Dynamique 2.0 manual 6 marchas – R$ 72.990
Dynamique 2.0 automático 4 marchas – R$ 75.990
Dynamique 2.0 4x4 manual 6 marchas – R$ 78.490,00

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 05/12/2017
Programa incentiva uso de biocombustíveis e dá ao Brasil ferramenta para reduzir emissões

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 07/12/2017
Aumenta pressão por manter mercado protegido dos importados
QUALIDADE | 01/12/2017
Envolver e motivar colaboradores é essencial para gerar bons resultados
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
DE CARRO POR AÍ | 08/12/2017
Programa de desenvolvimento do setor insiste em protecionismo
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018